Como reconquistar o eleitorado do Sul? Bate papo com Mabel Teixeira

Fazendeiros talandeses colhendo arroz. Foto: Siebe Baarda

Brasil deve importar arroz de EUA e Tailândia sem taxas

Por Redação

11 de setembro de 2020 : 11h09

Segundo a ministra da Agricultura Tereza Cristina, o Brasil deve começar a importar arroz da Tailândia e dos Estados Unidos isentos de taxas.

A isenção de tarifa de 10% a 12%, para o arroz em casca e beneficiado, respectivamente, vale para uma cota de 400 mil toneladas até o fim de 2020.

O volume representa cerca de 35% das importações brasileiras totais projetadas para o ano, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

À Reuters, Guilherme Bastos, presidente da Conab, afirmou que muitas indústrias de beneficiamento já estão com compras agendadas em diversos países, citando EUA e Tailândia como origens do produto.

O presidente da Conab afirmou que “reduzir os preços internos dos grãos” seria uma opção.

“Por que não permitir ‘para dentro’ o fluxo do comércio internacional?”, teria dito Bastos à Reuters.

“A mesma lógica poderia ser aplicada ao milho”, teria afirmado, defendendo “fronteiras abertas”, comparando a possibilidade com o acordo do Mercosul.

Os impostos para importações vindas de fora do Mercosul (Paraguai, Uruguai ou Argentina) somam 8%.

As importações de arroz pelo Brasil de janeiro a agosto somaram 373,3 mil toneladas, uma queda de 26% em relação ao mesmo período em 2019.

Tereza Cristina atribuiu a alta do valor do arroz, entre outros motivos, ao auxílio emergencial.

Segundo ela, a medida “fez com que as pessoas comprassem mais arroz”.

Ela também atribuiu à alta nas exportações o aumento de valor do alimento.

É importante lembrar que, apesar dos novos planos para importar arroz, o Brasil quebrou recordes de exportação de arroz, mesmo neste ano de pandemia.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Batista

11 de setembro de 2020 às 12h13

“Livre pensar é só pensar”, porém mediocridade à moda não pensa.

O novo normal povo brasileiro, que conseguiu em dias transferir a medição com pistola da temperatura, da testa para o pulso, merece à replicação, a primorosa desculpa à moda ‘zap-zapeira’ da ministra, que o bicho-papão da crise do arroz é o ‘auxilio emergencial’ que levou o povo a comer mais arroz e a ‘jenial’ solução proposta pelo presidente da Conab de “reduzir os preços internos dos grãos”, ‘explicando-a’ com a pergunta: “Por que não permitir ‘para dentro’ o fluxo do comércio internacional?”

Ao velho anormal povo brasileiro, que não entende a mediocridade à moda, resta questionar os novos normais replicantes, quanto a crise do arroz, ‘por que o fluxo do comércio internacional do produto desviaria-se para o Brasil a preço menor, para mesmo tipo e qualidade do produto, se o fluxo do comércio nacional desviou-se ‘para fora’ a preço maior e onde foi parar o nosso providencial estoque regulador?

Afinal, quem sabe no tranco, uma hora tico e teco pegam no livre pensar, né?

Responder

Hilux12

11 de setembro de 2020 às 11h18

Os produtores de arroz vinham tendo pouco ou nada de ganho hà anos, aproveitaram da alta do dolar e fizeram pra là de bem a vender par o melhor preço.

Mesmo com a pandemia a inflaçào serà baixa esse ano.

Responder

Deixe uma resposta