Live do Cafezino (20h): o novo surto de Bolsonaro! Convidado: Celso Rocha de Barros

Conselho do Meio Ambiente derruba restrições de desmatamento em manguezais e restingas

Por Redação

28 de setembro de 2020 : 16h07

Nesta segunda-feira, 28, membros do Conselho Nacional do Meio Ambiente decidiram no 135° encontro do Conama a derrubada de quatro resoluções de proteção ambiental.

Dentre elas o que proibia o desmatamento e ocupação em áreas de manguezais e restingas, consideradas de vegetação nativa. As proibições estavam em vigor desde 2002.

Além disso, o Conama também liberou a queima de lixo tóxico em fornos de produção de cimento. 

O Governo Bolsonaro tem orquestrado um verdadeiro desmonte do Conselho Nacional do Meio Ambiente. Até Maio de 2019, o número de conselheiros que eram integrantes de ONG’s e organizações da Sociedade Civil era de 96.

Atualmente, o Conama tem apenas 23 membros, incluindo o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

carlos

29 de setembro de 2020 às 07h00

Esse cidadão por uma questão de ética é mais uma criação do picolé de chuchu, e do PSDB, vejam o que ele fez no governo de SP, como secretário?

Responder

Edson

28 de setembro de 2020 às 17h24

Começo a pensar que este indivíduo tem aquilo roxo. Avisou com antecedência, desafiou e levou a cabo o desmonte da fiscalização de biomas marinhos sensíveis. O que chama a atenção é que ninguém se manifestou efetivamente e antecipadamente contrário a este despautério. Deveriam ter agido preventivamente, usando meios jurídicos disponíveis, já que se trata de interesse geral da coletividade, independentemente dos locais que serão prejudicados.
Que DEUS tenha piedade da alma infiel desse infeliz!

Responder

Edson

28 de setembro de 2020 às 17h23

Começo a pensar que este indivíduo tem aquilo roxo. Avisou com antecedência, desafiou e levou a cabo o desmonte da fiscalização de biomas marinhos sensíveis. O que chama a atenção é que ninguém se manifestou efetivamente e antecipadamente contrário a este despautério. Deveriam ter agido preventivamente, usando meios jurídicos disponíveis, já que se trata de interesse geral da coletividade, independentemente dos locais que serão prejudicados.
Que DEUS tenha piedade da alma infiel infeliz!

Responder

Deixe uma resposta