Live do Cafezinho (19h): que segurança pública que queremos?

Voto a Voto: Republicanos e PSOL buscam seu lugar à direita e à esquerda

Por Redação

23 de novembro de 2020 : 14h54

Lara Mesquita*

No último domingo mais de 100 milhões de brasileiros compareceram às urnas em 5.567 cidades do país para eleger prefeitos e vereadores. Dois partidos saíram das urnas como as vedetes da vez, um à direita, outro à esquerda: o Republicanos, partido com fortes ligações com a Igreja Universal ao qual estão filiados dois filhos do presidente da República, e o PSOL, que desbancou o PT na cidade de SP e disputará o segundo turno na cidade como representante da esquerda. Embora à primeira vista possa parecer que tiveram desempenhos semelhantes, a realidade é bastante diferente.

Fonte: Elaboração própria a partir de CepespData e TSE

Além de ter crescido de forma expressiva, como outros partidos de direita, o Republicanos desconcentrou sua votação, tornando-se menos dependente da região Sudeste e das cidades com 200 mil eleitores ou mais. O partido também obteve uma votação bastante próxima para vereador e prefeito, recebendo 9,7% de votos a mais entre os seus candidatos legislativos e ao executivo. Apenas no Sudeste o partido recebeu mais votos para prefeito do que para vereador, puxado pelo desempenho “desbalanceado” no Rio de Janeiro. No Sul e Centro-Oeste, os votos para vereador superaram em mais de 70% a votação para o executivo.

A capilaridade e consistência no desempenho do partido, diferente de outras siglas do mesmo espectro ideológico, acena com a possibilidade de que o crescimento verificado pelo Republicanos seja orgânico, e que assim o partido assuma maior protagonismo na política nacional.

O PSOL, por sua vez, teve movimentação mais modesta. Apesar do resultado expressivo na cidade de São Paulo, seus votos nacionais cresceram apenas 5% em relação a 2016. Além disso, concentrou mais seus votos no Sudeste e 90% dos votos vieram de cidades com mais de 200 mil eleitores. Três cidades, Belém, Rio de Janeiro e São Paulo, concentraram 45,7% dos votos nacionais que o partido recebeu para prefeito em 2016, e 63,3% dos votos recebidos em 2020.

Fonte: Elaboração própria a partir de dados do TSE

O desempenho do partido nas corridas para vereador também não acompanhou o desempenho majoritário e corresponde a 76% dos votos recebidos para prefeito. Enquanto no RJ a votação do partido para vereador foi aproximadamente o dobro da votação para prefeito, no estado de SP foi a metade, e apenas um terço no Pará.

A forte dependência de grandes centros urbanos e a pouca capilaridade não apontam para um cenário em que o partido assumiria o protagonismo eleitoral do bloco de esquerda, como o PT fez durante os últimos 30 anos.

Fonte: elaboração própria a partir de dados do TSE

O PSOL não sai das urnas em 2020 em posição de desbancar o PT como principal força da esquerda. Ainda que Guilherme Boulos tenha ido ao segundo turno, o partido só elegeu quatro prefeitos, 1,17% dos candidatos lançados, e só se mantém na disputa de vagas em duas cidades, São Paulo e Belém. O PT, por sua vez, elegeu 14,6% dos candidatos que apresentou no primeiro turno e participa do segundo turno em 15 cidades, três delas no estado de SP. Mesmo o PSB, que caiu de 8% dos votos válidos para prefeito em 2016 para 5,1% dos votos em 2020, conseguiu eleger 29,6% dos candidatos que apresentou e disputa o segundo turno em 8 cidades, quatro delas no Sudeste.

Ainda que não existam evidências de que o pleito municipal seja um preditor das eleições presidenciais, o desempenho dos três principais partidos de esquerda em 2020 mostra que nenhum deles sai da disputa com liderança forte o suficiente para coordenar com os demais uma candidatura única em 2022. Se o PT é o partido mais rejeitado, é também o que receberá mais recursos públicos e o que registrou, dentre as legendas de esquerda, tanto em 2018 quanto em 2020, o melhor desempenho nas urnas.

*Lara Mesquita é doutora em Ciência Política pelo IESP/UERJ, pesquisadora do FGV CEPESP e membro da Câmara de Pesquisadores do Cebrap.

Este artigo foi originalmente publicado no jornal Folha de S. Paulo

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo

23 de novembro de 2020 às 22h34

O tal Republicanos seguirá o destino da Igreja Universal, que o criou e comanda: não sobreviverá a seu dono e fundador. Sonho de uma noite de inverno…

Responder

Deixe uma resposta