Live do Cafezinho (19h): que segurança pública que queremos?

Live do Cafezinho: 1a análise das eleições municipais, pós-segundo turno

Por Redação

30 de novembro de 2020 : 20h54

Pedro Breier e Miguel do Rosário conversam sobre o resultado das eleições municipais/ Convidado especial: Gustavo Castañon.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Tadeu

30 de novembro de 2020 às 22h09

Tradicionalmente, o Brasil tem uma esquerda cutista (PT, PC do B, PSOL e ocasionalmente os nanicos PCB, PSTU, PCO) e uma não-cutista (PDT e agora definitivamente PSB, ocasionalmente PV e Rede). A esquerda cutista vem tendo os seus ativos políticos e eleitorais dissolvendo a cada eleição, e suponho que, em vez das tão cobradas autocrítica e renovação, vai entrar no modo sobrevivência final colocando tudo o que resta de força política no delírio de inocentar o cachaceiro no STF para que ele possa concorrer à presidência em 22. Dado o cenário, talvez o sistema até permita – para que o PT e a esquerda cutista tenham uma derrota categórica e final em 22.

Minha dúvida neste momento é se o PSOL permanecerá sob a aba dessa esquerda cutista, ou se adotará um caminho próprio, separado dos outros dois. O bom desempenho em SP agora se deveu aos votos dos petistas que se recusaram a votar no candidato do seu próprio partido. Se essas pessoas saírem definitvamente do PT e se filiarem ao PSOL, fica mais provável a este seguir o caminho de “independência”.

A esquerda não-cutista é palatável e se saiu bem nestas eleições. Será que chega forte em 22? Sem trocadilhos de 5a. série, eu vejo o Ciro mais como um passivo do que como um ativo eleitoral para uma eventual candidatura à presidência.

Se tivesse que apostar hoje, diria que a esquerda terá três candidatos à presidência em 22, com grandes chances de nenhum deles chegar ao segundo turno.

Responder

Gedeong

30 de novembro de 2020 às 21h20

O Brasil deu uma clara virada a direita e o antiesquerdismo após o primeiro passo de 2018 se consolidou em 2020.

A vitória do candidato do PDT em Fortaleza foi bem apertada (eu pensei que o destaque seria bem maior para um candidato que possui todo o aparato politico do Ceará a favor contra o adversário que não tinha nada)… é só uma questão de tempo.

Ceará e Maranhão estão com os dias contados e em 2022 Bolsonaro tem chances de se eleger no primeiro turno com os votos do NE que não teve em 2018.

Responder

Deixe uma resposta