Paris Café: O que esperar da classe média para 2022?

Jornalista que ‘previu’ pandemia chama Bolsonaro e Trump de “ineficazes” no combate a Covid-19

Por Redação

05 de janeiro de 2021 : 14h48

David Quammen, jornalista e escritor que ‘previu’ a chegada da pandemia causada pelo novo coronavírus, criticou a atuação de Donald Trump e Jair Bolsonaro (sem partido) durante a crise sanitária que atingiu o mundo.

Para ele, os presidentes dos Estados Unidos e Brasil são “terrivelmente ineficazes”.

“O tamanho da responsabilidade, da culpa, de certos líderes, incluindo o seu presidente [Bolsonaro] e o meu presidente [Trump], é muito grande. Eles não deram a atenção adequada para a gravidade da doença quantas pessoas ela estava infectando, quantas estavam terrivelmente doentes ou morrendo, quantas perdendo emprego, renda, seu sustento”, afirmou durante participação no programa Roda Viva, da TV Cultura.

“A pandemia teve um impacto terrível. É possível deter esses transbordamentos [vírus] ou limitá-los antes que se tornem pandemias e, em alguns lugares, foi feito muito bem. Mas no Brasil e nos EUA, e em alguns outros lugares, por vários motivos, inclusive liderança política, isso foi terrivelmente ineficaz, lamento dizer”, completou.

Quammem é autor do livro O Contágio, de 2012, que alertou com muita antecedência sobre a pandemia do novo coronavírus. Ele escreveu também outros 14 livros, onde um deles fala sobre o Ebola.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo

05 de janeiro de 2021 às 19h50

Até aí, nenhuma novidade. Ambos não têm empatia. A pergunta que fica é: por que, havendo meios jurídico-institucionais para arredá-los do cargo, nada foi feito? Não há como deixar de concluir que o Legislativo é cúmplice, tanto lá, como cá…

Responder

Deixe uma resposta