Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Lula foi ridicularizado em grupo de integrantes da Lava-Jato no Telegram

Por Redação

03 de fevereiro de 2021 : 21h13

Mensagens obtidas pela Operação Spoofing da Polícia Federal, que tiveram o sigilo levantado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), mostram que o ex-presidente Lula (PT) foi ridicularizado por integrantes da Operação Lava Jato em um grupo no Telegram.

As mensagens ofensivas contra o petista aconteceram em 4 de março de 2016, data que o então juiz Sérgio Moro autorizou mandados de busca e apreensão no apartamento de Lula em São Bernardo do Campo (SP) e no sítio em Atibaia (SP).

Enquanto os imóveis eram vasculhados, Lula prestava depoimento no Aeroporto de Congonhas em São Paulo.

No momento que os agentes cumpriam as ordens no sítio, o procurador Januário Paludo compartilhava no grupo possíveis evidências do suposto crime de Lula.

“Sem dúvida, o sítio é do Lula, porque a roupa de mulher era muito brega. Decoração horrorosa. Muitos tipos de aguardente. Vinhos de boa qualidade, mas mal conservados. Achei o sítio deprimente. Local para pouso de helicóptero confirmado à esquerda da entrada em campo de futebol, para helicóptero pequeno”

Já o procurador Roberson Pozzobon elogiou a atuação descabida de Paludo e falou em “renovação de contrato” do procurador com a Lava-Jato.

“Excelentes informações, Januario!! Nada disso teria ocorrido sem a sua direção, perseverança e criatividade. Então, que tal aproveitarmos esse momento de ótimas notícias, para combinarmos a ‘renovação do seu contrato na Lava Jato’ por mais dois ou três anos?! Hein?! Hein?! Hein?!”

Já Deltan Dallagnol afirmou ter entrado em contato com a então procuradora-geral da República, Raquel Dodge.

“Liguei e falei com ela, dentro da política do grupo de estreitar relacionamento com lideranças internas”

Na sequência, Dodge encaminha uma mensagem para o grupo.

Mensagem da Raquel Dodge para todos: ‘Liguei para cumprimentá-lo e a todos os excepcionais colegas desta equipe pelo primoroso trabalho. Vocês transformaram a justiça penal e a tornaram melhor. Estão mudando o Brasil. Muito obrigada!'”

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Francisco*

04 de fevereiro de 2021 às 16h44

Enquanto por ironia do ‘desatino’, executada a sangue frio e pelas costas pelo desgovernante, a finada Lavajateira, desmancha-se no ar, a vazar e respingar ilícitos e banditismo para tudo quanto é vão e desvão da ‘justiça’, que cumplice da farsa jurídica-midiática lavajateira, não sabe o que fazer ao não ter como mais adiar o encontro marcado com a verdade dos fatos, para lavar não a jato, mas com jeito, a honra e credibilidade perdidas ao permitir que se perpetrasse o inacreditável lawfare anunciado contra Lula e PT, a mídia sócia dessa tragédia, evita noticiar o cadáver cada vez mais podre e esticado, parado no ar, a projetar no chão as vísceras e o chorume vergonhoso a escorrer, em decúbito dorsal, preferindo revela-lo a conta gotas, via voláteis notas virtuais, e não através de dutos de grandes embocaduras, como os utilizados incessantemente no JN dos Marinho, para jorrarem a narrativa da “maior corrupção da história da humanidade”, por anos, à replicação por adestrados patos e marrecos.

Do UOL, hoje:
“O ex-ministro Sergio Moro entrou com uma reclamação no STF (Supremo Tribunal Federal) para tentar revogar a decisão do ministro Ricardo Lewandowski que garantiu à defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) acesso a todo o material apreendido no âmbito da Operação Spoofing, que investigou a invasão de celulares de autoridades — entre elas, o próprio Moro.

No pedido ao Supremo, o ex-juiz é representado nos autos por sua mulher, a advogada Rosangela Wolff Moro.

A defesa afirma que o relator da matéria referente à operação deveria ser o ministro Edson Fachin [segundo DD, “Aha uhu… é nosso”], relator de outras ações e recursos interpostos pela defesa de Lula. Por isso, pede que o caso saia das mãos de Lewandowski e que sua decisão seja suspensa.”

Pela amostra e reação, Imagine o que não se encontraria investigando esse, até pouco, intocável bando por meras 6 semanas, tal como em 6 anos ‘valendo tudo’ (até grampo no escritório da defesa), investigaram Lula, a família, os amigos, os conhecidos, os vizinhos, os animais de estimação, até o entregador de pizza, sem nada comprovadamente encontrarem para condena-lo, conforme atestam diálogos gravados da ‘Spoofing’ e a sentença com que o condenaram: Por corrupção passiva por “ato de ofício INDETERMINADO” e lavagem de dinheiro por ‘BEM ATRIBUÍDO’ por terceiro.

Que papel ridículo esse reservado no funeral ao Marreco, aquela que mora com ele e aos crédulos órfãos.

Responder

Justiceiro

04 de fevereiro de 2021 às 13h38

Conversas privadas entre membros da mesma instituição.

Isso é crime?

Crime até poderia ser se fosse feito em público, não foi.

Lula chamou a cidade de Pelotas de exportadora de viados…isso deu em quê?

Os defensores de Lula disseram que isso foi dito de forma privativa.

Lula chamou os homens de Pelotas de viados, mas não teve crime. Os Procuradores chamarem Lula de nove dedos é crime?

Responder

    Batista

    04 de fevereiro de 2021 às 17h34

    Ué!

    Por acaso, Lula era procurador ou juiz em algum processo relativo a cidade de Pelotas e os pelotenses, em que pudesse prejudica-los, em 2000?

    O que tem a ver o ca com as culças?

    Quando aprenderão a ler e entender, além do plano?

    Afinal, e Pelotas, como reagiu, processou Lula ou deu-lhe o título de cidadão honorário?

    Responder

    Alexandre Neres

    04 de fevereiro de 2021 às 22h51

    Escute aqui, seu imbecil, não se pode esperar de um apedeuta que consiga compreender certas sutilezas. Embora neste caso só estavam procuradores, o marreco também o chamava de “nine”. Se referir a qualquer ser humano chamando-o pela sua deficiência física desvela a mesquinhez e a falta de humanidade de quem proferiu o comentário indecente, no caso pessoas supostamente esclarecidas. É isso que você está tendo normalizar.

    Procurador mostrando sua visão de elite tacanha e seu lado cafajeste, justo quem recebia mesada do doleiro Dario Messer. Pro seu governo, procurador não é como advogado de defesa, ele tem que ser imparcial com relação ao acusado. Se por exemplo ele obtém um documento que beneficia o réu, não pode sonegá-lo.

    Mas, enfim, não sei por que estou perdendo meu tempo contigo, pois como ser humano tu não passa de um traste.

    Responder

Alexandre Neres

04 de fevereiro de 2021 às 11h53

http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EDR53647-6009,00.htm

Esta matéria que foi retirada do site da Época é reveladora da hipocrisia que grassa por essas plagas. Os mesmos atores estariam no cenário anos depois, mas o tratamento dispensado não guardou a menor relação. De autoria do Gerson Camarotti, de quando ainda fazia jornalismo, mesmo que coluna social. Toda a nata da elite brasileira despejando dinheiro para FHC enquanto era presidente. E o Janot? Agora que já sabemos de toda a mise-en-scène que veio depois fica bem nítido detectar o escárnio que é o Brasil.

Responder

O Demolidor

03 de fevereiro de 2021 às 23h21

Parece a caixa de comentários do blog do Ciro….

Responder

Paulo

03 de fevereiro de 2021 às 22h30

Até aqui, apenas troca de figurinhas dentro do polo acusador. Cadê o conluio com o Moro?

Responder

Alexandre Neres

03 de fevereiro de 2021 às 22h13

Essas falas são simplesmente estarrecedoras, a cara da elite tacanha que sempre comandou o país. Tantã Dinheirol, marreco, entre outros da orcrim, tratavam Lula como 9 (in english), identificando-o pela sua deficiência física, desvelando o preconceito e a mesquinhez. É um tratamento parcial e desumano.

Lula teve a vida escarafunchada como ninguém neste país e nada foi encontrado. Mas sua condenação foi decidida de antemão, a trama foi urdida e a narrativa foi toda construída nesse sentido. Uma procuradorazinha dessas disse que Globo, TRF-4, Lava Jato, Moro, todos teriam orgasmos múltiplos com a prisão do Lula. Pouco tempo antes, a Camargo Corrêa fez uma pista de avião ao lado da fazendola do FHC em Minas, a qual jamais foi utilizada pela empresa, mas por pura coincidência não foi investigada por ninguém. A Lava Jato não queria causar melindres com o príncipe.

O conluio dessa canalha, cujo chefe da força-tarefa era o juiz, salta aos olhos. Qualquer incauto tem elementos para se aperceber disso. Só rematados imbecis não conseguem se dar conta do prejuízo para o estado democrático de direito e para os direitos fundamentais de qualquer cidadão que foram causados por essa súcia. O que dizer das 10 medidas fascistas? Zumbis a assinavam acriticamente. É assaz revelador quem passa pano pra essa corja, simboliza com precisão o estágio da degradação a que chegamos. Não à toa estamos no fundo do poço.

A vocês, que coniventemente se omitem, parafraseio Tancredo Neves em suas homenagens: “Canalhas! Canalhas! Canalhas!”

PS para entenderem o que é o Brasil, vou replicar uma matéria da Revista Época que foi tirada do site, assinada por Gerson Camarotti. Vejam a participação do Janot. Resumindo: é um escracho!

https://www.google.com/url?sa=t&source=web&rct=j&url=http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EDR53647-6009,00.htm&ved=2ahUKEwj8xvy2hM_uAhWYIbkGHQJWBs0QFjABegQIARAB&usg=AOvVaw1Qk8d3qOdSy32IoVsxs0Jo

Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?