Paris Café: O que esperar da classe média para 2022?

Senadores de oito partidos pretendem abrir CPI e falam em impeachment de Bolsonaro

Por Redação

28 de fevereiro de 2021 : 14h21

Uma conversa de Whatsapp entre senadores obtida pela Época mostra que os congressistas, incluindo da base governista, estão completamente insatisfeitos e indignados com a postura do presidente Jair Bolsonaro diante dos mais de 250 mil mortos pela Covid-19.

Um dos mais antigos da Casa, o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) foi quem iniciou o assunto após a visita de Bolsonaro ao Ceará nesta sexta, 26.

A mensagem do tucano recebeu o apoio maciço dos colegas.

“Toda razão amigo Tasso, o PR (Bolsonaro) afronta os governadores que estão na ponta cuidando da saúde nos estados, cabe ao Senado, a Casa da federação, contestar essa ação equivocada do PR JB, que leva a quebra de protocolos e leva à expansão da doença no país”, escreveu Otto Alencar (PSD-BA), acrescentando: “O PR receitou cloroquina, depois reconheceu que era placebo, muitos usaram. Aqui na Bahia alguns morreram por parada cardíaca, inclusive um médico morreu, Dr Moisés, de Ilhéus, por parada cardíaca”.

“Isto, mestre Tasso. Dói na alma estas coisas. Ainda bem que temos governadores e prefeitos que cumprem seus deveres”, criticou Confúcio Moura (MDB-RO). “Concordo 100%”, escreveu Alessandro Vieira, do Cidadania do Sergipe. “Concordo, Tasso”, respondeu a senadora Zenaide Maia (PROS-RN).

“Registrei imediatamente as inconsequentes posturas presidenciais, com o respeito cabível e exigível, ao fazer carreata no dia que se verificara o maior número de óbitos de nacionais”, concordou Veneziano Vital do Rêgo (MDB-PB).

“Esse negacionismo já passou do limite. O Brasil já ultrapassou os 250 mil mortos e vamos ter lamentavelmente próximos dias muito graves em mortes e colapso da rede pública em vários estados”, criticou Eduardo Braga, do MDB do Amazonas.

“Concordo e apoio a iniciativa do senador Tasso! Nosso PR tem tido um comportamento totalmente errado em relação a como cuidar dos brasileiros no que diz respeito à pandemia. Desde o início, tudo errado. Não é razoável que depois de tudo o que aconteceu no mundo ele continue nagacionista”, escreveu Oriovisto Guimarães (Podemos-PR).

“Um depoimento que contrapõe a insensatez e dureza de coração de muitos”, comentou Mecias de Jesus, líder do Republicanos e eleitor por Roraima, em cima de um vídeo em que o secretário de Saúde de Rondônia critica as aglomerações e faz um apelo pela conscientização.

“Concordo com Tasso Jereissati. Agora mais do que nunca sobejam razões para instalar a CPI”, escreveu Randolfe Rodrigues (Rede-AP). “Uma grande verdade, Tasso! Está na hora”, concordou Eliziane Gama, do Cidadania do Maranhão. “Concordo plenamente. Não há outro caminho”, acompanhou Humberto Costa, do PT de Pernambuco.

“Concordo 100% (II). Aqui em Natal, há ‘discípulos’ até hoje: o prefeito”, escreveu Jean Paul Prates, do MDB do Rio Grande do Norte, compartilhando um vídeo em que o prefeito de Natal, Álvaro Costa Dias (PSDB), recomenda o uso de ivermectina, medicamento sem comprovação científica para o combate à Covid-19.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

dcruz

01 de março de 2021 às 13h23

É somente uma questão de cumprir missões. O povo que vai na onda das ilusões que os poderosos vendem, se tornam bovídeos, ou rinocerontes como na peça de Ionesco, elege o bozo que vai de vento em popa cumprindo a sua rindo enquanto digere os cadáveres que vão lhe surgindo à frente, qual hiena. É uma macabra missão, mas monótona que vai se repetindo ad nauseam na nossa triste história, finda sua trajetória, quando não restar pedra sobre pedra, será substituído por outro. Foi assim com Cunha que terminada a atribuição de instalar o golpe foi impiedosamente liquidado, Temer, e outros que ainda virão. Depois os mesmos atores encenam nova pantomima contra os que eles colocaram lá pra cumprir mais uma missão e assim caminha a nossa peculiar humanidade tupiniquim. Talvez o Ciro seja a bola da vez.

Responder

Paulo

28 de fevereiro de 2021 às 18h57

Caras de pau! Como se Bolsonaro já não tivesse dado razões de sobra para ser impichado…Parlamento omisso, acovardado e sequioso por cargos e grana….

Responder

EdsonLuiz.

28 de fevereiro de 2021 às 16h07

Que abram a CPI! Que retirem o presidente bolsonaro!
Já passou muito da hora. Muito mesmo!

Retirar de alguém o mandato conquistado no voto é delicadíssimo. Só se justifica em casos limite, quando o mesmo mandato conquistado pelo voto é desautorizado pelo próprio eleitorado de forma tácita.

É uma desautorização do próprio eleitorado que elege, por perda de governabilidade por parte do eleito. Portanto, retirar um mandato é uma decisão política. E ainda mais legítima do que eleger.

No caso da retirada do mandato da Dilma, foi doído precisar retirar o mandato. Muito doído! A Dilma é honesta do ponto de vista material. É! E isto, honestidade, é coisa muito muito difícil. Honestidade de fato é qualidade difícil em qualquer âmbito, não só em política eleitoral (Que a nossa política no Brasil é só eleitoral. É só eleitoral o tempo todo, 24 horas por dia, todos os dias do ano).

O afastamento da Dilma não foi por desonestidade material, foi por crime de responsabilidade, o que é bem diferente. Embora ao ouvir a palavra ‘crime’ as pessoas imediatamente confundem com questão de honestidade material, com roubo, não foi isto. Ela tinha perdido sustentação por outros motivos, não por ter roubado. Também não deixou roubar. Roubavam, mas não com a cumplicidade dela. E já roubavam antes e continuam roubando.
No afastamento dela ainda teve o drama de afastá-la com a participação de fascínoras que eram movidos pela intenção de golpe. Eles próprios, durante os anos de mandato da Dilma tinham participado das ações pelas quais eles a estavam responsabilizando. Eles, a parte fascínoras dos que a afastaram, era da base de sustentação do governo e até ali tinham contribuído com as mesmas medidas que então usaram para afastá-la. Se a estavam punindo com a perda do mandato, deveriam renunciar ao mandato também. Bem diferente foram às motivações de voto de Miro Teixeira, Cristóvão Buarque e Roberto Freire.

Se retiramos o mandato de Dilma, o que estamos esperando para retirar o mandato de bolsonaro? Já passou muito da hora!

Responder

    Alexandre Neres

    28 de fevereiro de 2021 às 23h59

    Meu caro, eu já tentei ser delicado ao ver você pontificar sobre direito. Agora diz que Dilma cometeu crime de responsabilidade. Inúmeros participantes do butim já confessaram que Dilma não fez nada de errado, inclusive Temer, líderes do governo atual e do anterior. Eu te desafio a apontar crime de responsabilidade que Dilma tenha cometido. Você come pela mão da imprensa dita profissional, da que bradou isso diuturnamente. Dilma pagou por algo que diversos governantes antes dela fizeram e continuaram fazendo, inclusive o crápula do Anastasia que teve a pachorra de acusá-la e era mestre na arte de editar decretos suplementares. Só ela fui inculpada. Isso é mais do que suficiente para demonstrar o que representou aquele momento histórico.

    Eu tentei te avisar algumas vezes, educadamente, mas você parece não querer entender e vou ter que ser mais rude, na medida em que você não entende absolutamente nada de direito, ouve o galo cantar e não sabe onde, mas se atreve a falar de algo que desconhece e comete os erros mais comezinhos. Com todo o respeito, você é analfabeto jurídico. Uma coisa mais, em vários momentos eu me contive e não fui adiante, mas a próxima vez que você se prestar ao papelão de querer dar aula sobre Moro, a Lava Jato e o processo de Lula, eu vou entrar com questões técnicas neste espaço para provar por a+b que a sua concepção de processo é equivocada e ultrapassada. Seu achismo não tem cabimento e qualquer substrato. Boa semana.

    Responder

      Edson Luiz Pianca

      02 de março de 2021 às 00h53

      Fanáticos são sempre bestiais.
      E não são bestiais com apenas um, ou com apenas dois; são bestiais com todos por quem se sentem contrariados. E são bestiais com a realidade. Bestiais são bestiais com tudo e sempre!

      Duvidam? Vejam-se bolsonaro. Ele não é bestial?
      É bestial só com um? Só com dois? É bestial apenas com parte da realidade?
      Não! bolsonaro é bestial com todos e com a realidade inteira. E sempre!

      Veja aqui, o Alexandre Neres. Não é a primeira vez que ele pratica seu bolsonarismo comigo. E eu não faço nada com ele. Eu poderia dizer que é porque ele é um petista, mas aí quem seria uma besta quadrada seria eu. Conheço petistas maravilhosos. Sou amigo… escrevi em minúscula? Desculpem, vou corrigir: sou Amigo de lrini Lopes. “Santa Irini”, para lembrar um amigo comum, o maior amigo que eu já tive e que, infelizmente se foi, maestro Jaceguay Lins, autor de trilhas sonoras para o Cinema Novo, do filme Coronel Delmiro Gouvêa, por exemplo, também ele um petista.
      Alexandre Neres faz as suas cavaladas por faz, é da sua natureza fazer. Educado e cortês tenho sido eu. Mas tudo tem um limite, assim como teve aqui com outro talvez petista, mas eu sei que essa não é a natureza de todos os militantes do PT.

      Pois bem, Jurista (agora parece que todo mundo é Jurista. Eles não querem ser apenas advogados não)…pois bem, Jurista alexandre Neres,

      Aqui acima você fala sobre mim: “Eu tentei te avisar algumas vezes, educadamente, mas você parece não querer entender e vou ter que ser mais rude, na medida em que você não entende absolutamente nada de direito, ouve o galo cantar e não sabe onde, mas se atreve a falar de algo que desconhece e comete os erros mais comezinhos. Com todo o respeito, você é um analfabeto político.”.

      E Alexandre Neres fala isto porque, embora eu repostando afirme que na minha avaliação a ex-presidenta Dilma seja honesta, porque “É”, o seu impeachment se deu por outros motivos.
      Bem! O fato é que eu concordo com o impeachment. Para mim, pelo que é tecnicamente um impeachment no Brasil, com seus aspectos jurídicos e, principalmente, por seus aspectos políticos, cabia e era necessário o impeachment, embora na mesma resposta eu lamente a intenção de golpe com que o impeachment veio embalado por parte de muitos dos canalhas que compõem a Câmara e o Senado. Esses canalhas foram participantes e beneficiários das medidas que então usaram para tirar o mandato de Dilma. Lamento, mas isso não afasta os motivos.

      E quem pensa assim?

      Afora eu, este humilde “analfabeto político” – segundo a cavalgadura do preclaro Jurista alexandre neres – que como cidadão concordei com o impeachment, o pedido de devolução do mandato de Dilma foi de muitos e muitas. Por exemplo, o impeachment de Dilma foi pedido pela OAB – Ordem dos Advogados do Brasil, por decisão do seu Conselho Nacional, que é composto por três representantes de cada unidade da federação. A única discordância foi dos representantes da OAB do Estado do Pará. Uma única discordância em toda a OAB nacional. O pedido da OAB foi o de número 21.

      O pedido aceito foi o de número 20 (os outros pedidos vinham sendo engavetados pelo crápula Eduardo Cunha até o seu acordo com o PT ser rompido. Para os meninos mais novos alguns petistas contam só parte das histórias Havia um acordo do PT com Eduardo Cunha até ali, quando ele aceitou o impeachment, só então o PT mudou com ele. Para mim ele foi um crápula sempre; para estes petistas, ele só virou crápula quando parou de servir ao PT. É sempre assim, como foi com Temer, com …emfim, coisas do PT. Coisas da nossa política. Mas o PSOL, o Cidadania e o Novo eu não os vejo com essa mesma minha má-vontade com partidos políticos. Se eu fosse marxista e estivesse no PT, já teria ido para o PSOL há muito tempo. Ou trabalharia para mudar completamente o PT.

      Agora, eu vou contar de quem foi o pedido de impeachment nº 20, que foi o pedido aceito:

      Atenção:

      O pedido de impeachment aceito, o de nº 20, foi feito por… Hélio Bicudo!

      O PT, nas suas narrativas para enganar trouxa, mas que são narativas venais, diz que foi a advogada Janaína. A Janaína só apareceu nisso porque Hélio Bicudo, fundador do PT e um dos seus grandes quadros históricos, que também foi Vice-prefeito de São Paulo em chapa petista pura junto com Marta Suplicy, o autor real do pedido de impeachment de Dilma, estava muito velho e não conseguiria varar madrugadas no Congresso. E se conhecesse suficientemente a posição política de Janaína talvez nem a aceitasse para a defesa de seu pedido.

      Eu tenho certeza de que Hélio Bicudo morreu aos 98 anos tendo a mesma opinião que eu tenhode Dilma, dela ser uma cidadã honrada. É isso o que eu digo acima, nas alexandre neres xinga e cavalga e me chama de “analfabeto jurídico porque é da sua natureza de cavalo, como é a mesma natureza do minúsculo bolsonaro. Eles fazem isso com todos e com tudo, são cavalos sempre que contrariados. E eu cansei!

      Ficamos então eu, Edson Luiz Pianca, a OAB – Ordem dos Advogados do Brasil e o maravilhoso e combativo Advogado Histórico da Esquerda Política por toda uma vida de 98 anos, Dr. Hélio Bicudo, como analfabetos jurídicos porque entendemos que, infelizmente, o impeachment de Dilma tinha que ser feito; fica o eminente jurista alexandre neris perorando que nós somos analfabetos.

      Alexandre, eu nem ninguém precisamos ser eminentes como você, que é eminente jurista, eminente cientista político, eminente churrasqueiro, eminente jogador de futebol, eminente rabiscador de jogo de bicho, para sermos cidadãos e opinarmos sobre o nosso maltratado país. Embora eu leve a vantagem da minha formação e da minha cultura, não menosprezo ninguém, não sou presunçoso e muito menos desagradável com as pessoas. Quando percebo que elas são disfóricas, relevo, mas elas não têm o direito de serem bolsonáricas comigo. É quando atingem meu limite de paciência.

      alexandre, eu cresci na rua, e até morei na rua por alguns meses, entre os 4 e os 5 anos. Mas…

      Vou abrir um parágrafo para falar isto a você: não foi no lixo que achei minha cultura; não foi com lixo que virei o que sou. Amo a rua! Sou da rua! Quando não estou agarrado com livros e estudos, estou na rua por cachaças, cafés e pessoas. Se elas não têm conhecimento formal, não as deprecio. E com elas aprendo muito. Aprendo com todos, e aprendo mais com os que divergem de mim. Os com quem eu concordo, são eles eu mesmo, nada tenho para ensinar-lhes e nem eles a mim. Eu aprendo com o meu outro, que pensando diferente de mim, me mostra o que não estou vendo. Minhas migalhas jurídicas, aprendidas para ser aprovado em concurso e exercer o trabalho penoso de ser Auditor Fiscal do Tesouro Estadual do Estado do Espírito Santo me falem para ser melhor cidadão; minha cultura política também não achei no lixo, Dr. alexandre neres. Minha formação política vem da escola do antigo PCB, e da vertente eurocomunista, embora lá tínhamos o prestismo, cujo mentor, o Prestes, com seu atraso político, foi para o atrasado PDT antes que o expulsássemos e também tinham os ortodoxos pró-soviéticos.

      Pare de decorar as porcarias que o Brasil 171 enculcam em você. Ou aprenda pelo menos a acessar o pouco que daquilo presta, como o Aldo Fornazieri, de quem discordo, mas é realmente alguém sério ali.

      Com farsantes autoritários e disfóricos como você, nada há para ser aprendido.

      Já disse a você que quando voltasse a ser desagradável e pouco razoável, nada faria, apenas escreveria como resposta: alexandre neres, você é bobo. Vou falar para papai Noel não te dar bolinhas de gude de presente de natal.

      E se eu tivesse um timinho de bolinhas de gude você não entrava.

      Vá te catar!

      Viva Hélio Bicudo!
      Viva a OAB!
      (analfabetos jurídicos, segundo o eminente jurista alexandre neris).

      Edson Luiz Pianca.
      edsonmaverick@yahoo.com.br

      Responder

        Alexandre Neres

        02 de março de 2021 às 16h46

        Edson Luiz, não sei por quê, mas gosto de você. Pena que pela sua trajetória você se deixe enganar pelo suposto saber e outras otaridades. Fico triste ao ver elogiar acima figuras pusilânimes, quintas-colunas e beija-mão da Globo. Estranho você não saber das ligações de um certo político da esquerda com o presidente Médici, tudo bem que depois migrou para a centro-direita. Acho você mais coerente que o Ciro, pois você ficou no mesmo partido que se deslocou da esquerda (PCB) para a centro-direita (Cidadania), ao passo que o cearense de Pindamonhangaba trocou de partido como de roupa e transitou por quase todo o espectro ideológico(PDS, PMDB, PSDB, PPS, PSB, PROS e PDT). Pro seu governo, votei no PSOL em 2006, 2010 e 2014, em 2018 votei no PT para restituir o poder a quem dele foi usurpado. Você sabia que a OAB apoiou o golpe de 1964? Você já ouviu o que o próprio filho do Hélio Bicudo fala do pai? Por baixo o chamava de senil, espero que ele não tenha levado 45k como Janaína. Temos algo em comum, não suporto advogados, odeio o jeito formal, a fala empolada e o juridiquês, gosto da rua. Estou sentindo muita falta das ruas, meu coração até dói, embora não tenha tido essa vivência que você teve. Te sugiro ler O Corpo Encantado das Ruas do Simas, é fantástico. Você dá mais sorte do que eu, já tentei te responder várias vezes outras mensagens (Kalil e Huck), mas não consegui nem a pau.

        Responder

        Alexandre Neres

        02 de março de 2021 às 17h05

        É temerário que em um momento grava por que estamos passando um aventureiro como Huck lance mão. Tudo que não precisamos é de um outsider, de outro completo despreparado, com um verniz de progressista, mas é herdeiro daqueles programas de assistencialismo barato que nos rodeiam desde meados do século passado. Precisamos de um político tradicional, para alegria do blogue Ciro se encaixa nesse figurino. Edson, na verdade, meu assunto aqui é outro, tentei postar diversas vezes resposta ao seu comentário elogiando jornalistas na matéria do Kalil, mas não foi permitido nem a porrete e ainda fiquei com medo de ser publicado trocentas vezes, mas não foi nenhuma. Aí vai:

        Meu caro Edson Luiz,

        Um dos grandes responsáveis por estarmos nessa situação de párias da humanidade é o jornalismo dito profissional. Tal jornalismo nas eleições de 2018 nem sequer disse que a tal mamadeira era fake news. Não incomodou Bolsonero, permitiu que ele não enfrentasse debates. Não mostrou a cadeira vazia como em vezes anteriores. Disse que em 2018 era uma escolha difícil entre o mito e Haddad. Aduziu também que o dito cujo não era de extrema direita. O capitão corona nunca disfarçou quem era, anunciou suas barbaridades aos quatro ventos. Quem estava a perigo era essa espécie de jornalismo, pois depois de atacar diuturnamente o PT não teve outra opção senão embarcar, ainda que veladamente, na campanha do boçal-ignaro.

        Juntamente com a Lava Jato, tal jornalismo dito profissional massacrou a política por anos a fio, demonizou os políticos. O resultado podemos aferir hoje. Para derrubar o PT, eles foram tão longe, que atingiram o PSDB, partido que a casa grande defende com unhas e dentes, inclusive a força-tarefa. Precisamos que o jornalismo que desempenhe o seu papel como em qualquer país, mas o daqui não cumpre nem quase nunca cumpriu a contento, salvo em raríssimos instantes. Veja a falta de pluralidade no jornalismo da GN, por exemplo, não tem debate, não tem diversidade, todos seguem a mesma cartilha, uns mais tucanos, outros um pouco menos. Não se pode confundir liberdade de imprensa com liberdade dos donos de empresa. A imprensa tupiniquim abriu mão de investigar e se tornou mera correia de transmissão da Lava Jato. O lavajatismo é o pai do bolsonarismo.

        Vide o papel desempenhado pelo Vladimir Netto, filho da Míriam. Viajou para Curitiba para entregar em mãos a lista das 10 medidas fascistas. Orientou Deltan Dallagnol a não se pronunciar e defender Moro como ele pretendia fazer, descumprindo os manuais mais básicos de jornalismo. Mas você faz de conta que não vê quando os abusos e as manipulações da LJ vêm à tona e tergiversa. Freud explica. A esposa do Vladimir passou a ser assessora de imprensa de Moro no Ministério da Justiça depois do livro laudatório, baba-ovo, que esse pseudojornalista escreveu, em que elogiava Moro por trocar fraldas dos filhos durante a noite como se tivesse fazendo algo demais, como se fosse super-herói. Inda bem que escreveu esse livro, vai ser uma marca indelével que pesará sobre ele na posteridade, pois aquilo ali de jornalismo não tem nada. Atualmente, não sei por quê, sua esposa trabalha com o Ministro Barroso no STF. Vladimir Netto é diretor da associação dos jornalistas investigativos e representa seu oposto.

        Vou te pedir um favor. Não coloque a Patrícia, que é uma jornalista que, apura, incomoda e paga o preço por isso, no meio dessas duas outras que são responsáveis diretas pela eleição de Bolsonero e agora querem se desvencilhar dele como se não tivessem feito nada no verão passado que desaguou na barbárie que o atual desgoverno representa. Compreendo seus elogios à jornalista capixaba, por ser sua conterrânea, mas ela nada mais é do que a voz dos Marinho de saia. Agora é tarde para se assustar com a cara pavorosa que o Brasil mostra ao mundo. Um abraço

        Responder

Netho

28 de fevereiro de 2021 às 16h01

Abriu-se a temporada cantada por Benedito Valadares.
“A hora é de vaca desconhecer bezerro”.
Não foram só os juízes, procuradores e delegados de Curitiba que sabiam que estavam fazendo a coisa errada, mas fizeram.
Gilmar Mendes sabia, mas também fez.
A lambança curitibana poderia e deveria ter sido sobrestada, caso Gilmar não a houvesse coonestado. Afinal, o ministro era o ‘Senhor da Razão’ e o ‘Garante’ de última instância quanto ao ÁUDIO ILEGALMENTE GRAVADO foi vazado em horário nobre de TV. Nesta noite, com base na decisão monocrática de Gilmar, a conjuntura que levou dois filhotes da ditadura ao Planalto foi configurada.
Agravada pelos erros crassos de Lula e do PT a crônica da catástrofe anunciada foi realizada.
Agora, Gilmar quer passar a limpo com pente fino todas as medidas adotadas pela Lava Jato.
Gilmar, igual a muitos outros, procura sua cortina de fumaça, sob a qual propugna a lavação das mãos das sujeiras consentidas à Lava Jato.
Tasso surfa a mesma onda da lavação de mãos e pés.
Percebeu que foi por um triz que a República das Milícias não ocupou o Ceará, onde por muito pouco não se apossou da prefeitura de Fortaleza.
Não bastaram 50 mil, 100 mil já contados em agosto de 2020.
Foi necessário a pirâmide cadavérica alcançar mais de 250.000 para o tucano subir no galho e abrir o bico.
Antes demasiado tarde do que jamais.

Responder

Deixe uma resposta