Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

De perfil lunático, Ernesto Araújo entra na fase de fritura

Por Redação

24 de março de 2021 : 10h09

Os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), querem agilizar a negociação de vacinas para o Brasil. O caos na saúde e a quebradeira geral na economia fizeram com que ambos estejam funcionando na base da pressão.

Para simbolizar uma suposta harmonia entre os poderes, Lira e Pacheco marcaram uma reunião que vai acontecer na manhã desta quarta, 25, com o próprio Bolsonaro e alguns governadores. Tudo indica que internamente o diálogo será de cobrança.

De acordo com O Globo, uma das cartas será a demissão do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, para que seja destravado a aquisição de vacinas da China e Índia. O chanceler de Bolsonaro tem se tornado um estorvo nas negociações de doses e insumos para a fabricação no Brasil.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo

24 de março de 2021 às 22h10

Se Bolsonaro ceder, será cada vez mais um pau-mandado do Centrão. Se não ceder, terá que lotear progressivamente mais seu já Desgoverno, à sorrelfa, fingindo alguma autonomia. Esse Governo se desintegrou. Falhou nas premissas e deixou de entregar a promessa…

Responder

dcruz

24 de março de 2021 às 11h48

Machado de Assis como todo gênio profetizou esse governo de lunáticos. Em sua obra prima O alienista, o psiquiatra interna em seu hospício quase toda uma população, inclusive membros do governo. Só que na obra era pura ficção, aqui é a dura realidade.

Responder

Deixe um comentário