Despolarizando: pesquisa Datafolha neutraliza a terceira via?

Renan sobre Lula em 2022: “É uma tendência o meu apoio a ele”

Por Redação

08 de abril de 2021 : 21h13

O senador e ex-presidente do Senado, Renan Calheiros (MDB-AL), afirmou que vai trabalhar para que o seu partido apoie a possível candidatura do ex-presidente Lula em 2022.

“Sinceramente, acho que o apoio do MDB a uma dessas candidaturas alternativas de centro é um caminho difícil de acontecer. Lula leva vantagem sobre Doria, Huck e Mandetta não apenas pela polarização com Bolsonaro ou pela probabilidade mais alta de ganhar. É pelo próprio perfil do Lula, que atrai o centro no qual o MDB está inserido.”

Além da sua análise, o alagoano ressaltou que “é uma tendência o meu apoio a ele caso o MDB não tenha candidato, mas ainda não posso colocar como uma coisa consumada”, disso ao O Globo.

Além de Renan, outro emedebista que é entusiasta da candidatura de Lula é o ex-senador Eunicio Oliveira (CE) que pretende retornar ao Congresso em 2023 e deseja o apoio do ex-presidente na disputa eleitoral.

Em 2018, Eunicio perdeu a vaga para Cid Gomes (PDT) e Eduardo Girão (PROS). Naquele ano, Oliveira tentava a reeleição e teve o apoio de Lula e Fernando Haddad, então candidato do PT ao Palácio do Planalto.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

7 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Alan C

09 de abril de 2021 às 08h34

* * * SEM COMENTÁRIOS * * *

Responder

Lincoln

08 de abril de 2021 às 22h38

A balança vai pro Lula

Responder

Paulo

08 de abril de 2021 às 22h00

Naturalmente…

Responder

Alexandre Neres

08 de abril de 2021 às 21h59

Prezados, prestem atenção nos detalhes. Enquanto Renan Calheiros é tachado como vilão e aparece em uma série de matérias sem notícia alguma ali, Maia, ACM Neto, Alcolumbre e Rodrigo Pacheco que protegeram ou protegem Bolsonaro com afinco são tratados como mocinhos. Por que este tratamento dicotômico?

Entrementes, vejam o que Dino afirmou hoje: “Eu me preocupo sempre com o centro na sociedade, esse eu acho que já está vindo, progressivamente. O centro partidário eu não sei, mas eu acho que, em larga medida vem. No dia que saiu a decisão sobre a incompetência, vieram 4 prefeitos de PP, DEM, PL, todos lulistas. E não é oportunismo, é admiração mesmo”, disse em entrevista às jornalistas Cynara Menezes e Lara Capriglione, no Jornal da Fórum.”… “Falei para o Lula não vir ao Maranhão. Ele está em tão grande forma que corre o risco de eu perder meus eleitores pra ele”.

Por fim, fiquem espertos porque saíram diversas matérias pretendendo indispor o Freixo com o campo progressista. Freixo, tal qual Boulos, é aliado de primeira hora e estava no comício da volta em São Bernardo. Diferentemente do que se pretende aqui, Freixo está mais do que nunca próximo de Lula e quer que o Ciro também venha juntar-se aos bons e não fique em meio ao sexteto bolsonarista. Eis a matéria completa sobre as posições do Freixo:

https://www.cartacapital.com.br/politica/freixo-quer-ampla-alianca-de-centro-esquerda-para-derrotar-bolsonaro/

Responder

Adevir

08 de abril de 2021 às 21h24

Bandido com bandido. Sempre juntos.

Responder

    carlos

    09 de abril de 2021 às 08h03

    Porque discordo, porque o bandido que postou comentário não está junto.

    Responder

    Francisco*

    09 de abril de 2021 às 11h10

    Deixe de ser obtuso, no Brasil a questão fundamental não diz respeito a bandidos, mas sim enxergarmos com olhos de pensar, quem há séculos abriga-se na Casa Grande, quem a defende aspirando um dia fazer parte, quem defende a Senzala aspirando um dia em que não mais exista e quem há séculos é forçado a abrigar-se na maldita, de modo a nunca de lá sair, para garantir, num país entre as maiores economias do mundo, a DESIGUALDADE CAMPEÃ que sustenta os xucros abrigados na Casa Grande, que nos obriga ao ATRASO, quanto país, desde sempre.

    Responder

Deixe uma resposta