Despolarizando: pesquisa Datafolha neutraliza a terceira via?

Sérgio Giannetto: 1° de Maio, Dia de Luta

Por Redação

01 de maio de 2021 : 09h05

Por Sérgio Giannetto

É sempre importante lembrar a história do 1º de maio que teve origem na luta da classe operária pela redução da jornada de trabalho.  Em 1866, essa foi a data marcada para uma greve geral nos Estados Unidos.

Os trabalhadores e trabalhadoras que enfrentavam jornadas de mais de doze horas lutavam para reduzi-las a oito horas. A greve se estendeu por mais de cinco mil fábricas. Muitos patrões cederam, mas em Chicago, houve resistência. Seguiram-se dias de confronto com a polícia. Houve mortos e dezenas de feridos. Os líderes do movimento que sobreviveram foram presos e alguns deles condenados à morte.

De lá para cá, os (as) trabalhadores (as) se organizaram e através da luta conquistaram muitos direitos ao redor do mundo. 

Por aqui, a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) – não por acaso promulgada num 1º de maio – é a maior delas. Passou a valer em 1943 e garantiu àqueles que têm carteira assinada o direito a férias, décimo terceiro, FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço), descanso remunerado, licença maternidade entre outros direitos.

Vale lembrar, todos conquistados com muita luta, negociação, mas principalmente com a união dos trabalhadores e destes com seus respectivos sindicatos. 

Nós do Sindicato dos Portuários do Rio de Janeiro seguimos na luta e mantemos posição firme contra a política do atual governo que tenta de todas as maneiras tripudiar os trabalhadores e trabalhadoras seja retirando direitos alterando a legislação trabalhista ou ainda desmerecendo as categorias.

Temos ainda mais um desafio: resistir à privatização. Os portos movimentam mais de 95% das cargas importadas e exportadas do Brasil, de acordo com dados do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE).

Passá-los à inciativa privada significa pôr em xeque a soberania nacional e abrir mão de uma fonte valiosa de recursos para o Estado Brasileiro, além de provocar um grande aumento no número de desempregados.

Neste sábado vamos mais uma vez deixar claro que o 1º de maio é uma data para mostrarmos que a classe trabalhadora não vai se curvar aos interesses do capital e seguirá unido na luta por melhores condições de trabalho, de saúde, de educação, de vida.

Viva o trabalhador e a trabalhadora!

Sérgio Giannetto é presidente do Sindicato dos Portuários do Rio de Janeiro

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Netho

01 de maio de 2021 às 16h42

Os sindicatos têm o seu dia que não é mais do trabalho, mas de LUTO, como bem diz Ricardo Antunes no seu clássico livro “Adeus ao Trabalho”.
A passagem do PT pelo poder central com o seu ”neoliberalismo de esquerda” implicou o surgimento de um ”novo tipo” de sindicalismo: o sindicalismo “neopelego”, com a acomodação das lideranças por meio de sinecuras e de modo a sobrestar o ímpeto das reivindicações classistas.
Os sindicatos foram paulatinamente fragmentados e esfarelados.
No seu lugar penetrou o fundamentalismo evangélico que tomou conta dos espaços da classe-que-vive-do-trabalho.
O sindicalismo não tem mais seu dia de LUTA.
O primeiro de Maio é somente o seu dia de LUTO.

Responder

    Alexandre Neres

    01 de maio de 2021 às 19h28

    ACM Netho, pra variar, em pleno desgoverno Bolsonaro, deixa claro quem é o seu inimigo figadal. Sendo cristalino que, se o PT for excluido, não existe campo progressista nem sequer oposição no país, haja vista que a volta triunfal de Lula deixou o capitão cloroquina desnorteado, inclusive acusou o golpe. Portanto, fica nítido a qual papel nosso adorador da terceira via se presta. Até hoje todo mundo da terceira via que atuou politicamente é neoliberal (Clinton, Blair, FHC, Obama etc.) Pergunto, o Nethinho pretende criar mais uma jabuticaba brasileira ou rasgou a fantasia de vez?

    Responder

Ronei

01 de maio de 2021 às 15h50

Aqui foi um fracasso, muito carrão, pouca gente.

Responder

Alexandre Neres

01 de maio de 2021 às 14h37

Em tempos de pandemia, só quem vai para a rua é o gado. Muuuuu!

Responder

    Kleiton

    01 de maio de 2021 às 14h58

    Quando não havia pandemia dava na mesma….kkkkkkkkkk

    Responder

    Garuncho

    01 de maio de 2021 às 15h05

    Militonto espumando raiva pelos cantos da boca.

    Responder

Kleiton

01 de maio de 2021 às 14h21

Cadê os sindicatos na rua ? Acabou o dinheiro dos outros ?

Responder

Efrem Ventura

01 de maio de 2021 às 13h28

Cadé o Lula discursando no dia 1 de maio…?

Bora levar o pilantra pra rua…kkkkkkkkkkkkk

Responder

Deixe uma resposta