Paris Café: O PT tem um projeto de governo? Qual é?

ACM Neto, Boulos e Doria se solidarizam com Bruno Covas

Por Redação

03 de maio de 2021 : 14h13

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), o líder nacional do PSOL, Guilherme Boulos e o presidente Nacional do DEM, ACM Neto, prestaram solidariedade ao prefeito da capital paulista, Bruno Covas (PSDB), que se afastou do cargo para realizar seu tratamento contra um câncer no sistema digestivo.

Na manhã desta segunda-feira, 3, Covas que está realizando seu tratamento no hospital Sírio-Libanês, teve que ser internado na UTI da unidade e precisou ser intubado após um sangramento na cárdia, entre o estômago e o esôfago, onde o tumor se desenvolveu.

De acordo com a Prefeitura da capital paulista, o prefeito deu entrada no hospital ainda no domingo, 2, para realizar exames de sangue, imagens e endoscópico para dar prosseguimento ao tratamento de quimioterapia e imunoterapia.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Alexandre Neres

03 de maio de 2021 às 17h36

Muito ruim está matéria. Dória se solidarizar com Bruno Covas não é notícia, tampouco o filhotinho da ditadura ACM Neto.

Diferentemente é o caso de Boulos. Boulos é adversário político de Covas, concorreu com ele em 2020. Boulos está tentando restaurar a civilidade no debate político. Covas não é seu inimigo, ele não lhe quer mal, quer que ele se recupere. No campo político, as propostas são bem distintas. É um primeiro passo para acabar com a falta de humanidade. Chega de ódio na política!

Essa selvageria começou com a campanha obscura de Serra em 2010, tratando de aborto, parecia uma campanha republicana dos EUA. Depois Aécio em 2014 não aceitou a derrota, pediu recontagem de votos, disse que perdeu para uma quadrilha. Depois ficou bem claro quem era o quadrilheiro. Como não conseguiam derrotar o PT no voto, começaram uma cruzada moralista diuturna, com o apoio da imprensa dita profissional. O resultado de tudo isso desembocou no desgoverno Bolsonaro. Chegamos ao fundo do poço.

Responder

Deixe uma resposta