Cafezinho & Cinema: conversa com Ducca Rios, diretor de Meu Tio José

Bresser-Pereira: Lula voltará a presidência

Por Redação

13 de maio de 2021 : 19h03

Por Luiz Carlos Bresser Pereira

A pesquisa do Datafolha publicada nesta quarta-feira, 12, confirma o que já estava ficando claro nas últimas pesquisas. Lula voltará à Presidência da República, e Bolsonaro provavelmente não chegará ao segundo turno.

A popularidade de Bolsonaro não para de cair, e por isso não deverá chegar ao segundo turno, seja porque Lula já ganha no primeiro turno, ou porque outro candidato representando uma direita civilizada o deixará para trás, ou porque sofrerá antes um impeachment.

Afasta-lo da presidência da República continua a ser prioritário, porque é preciso interromper seu desgoverno o mais rápido possível. E agora estamos todos contando com os senadores e a CPI.

Mas também já é preciso pensar como será o novo governo Lula. Que será de centro-esquerda e solidário com os trabalhadores e os pobres, não há dúvida. Mas será também capaz de mudar o regime de política econômica de liberal para desenvolvimentista?

Para fazer essa mudança não basta ser a favor de política industrial. Essa é uma política muito necessária, mas não basta. É preciso também colocar os cinco preços macroeconômicos no lugar certo para dar condições para que a indústria brasileira volte a investir e a exportar.

Para isto será preciso manter a taxa de câmbio em um nível competitivo, em torno de R$ 4,80 por dólar, e que este nível ou faixa seja confiável para as empresas industriais aqui instaladas, sejam elas nacionais ou multinacionais, e as leve a investir.

Para que esse compromisso seja confiável o governo deverá manter baixo o nível da taxa de juros, rejeitar a política de endividamento externo, manter a conta corrente do país equilibrada, assegurar o equilíbrio fiscal, e neutralizar a doença holandesa.

A política de endividamento externo não leva ao aumento do investimento mas ao aumento do consumo, mesmo quando os dólares entrados visem especificamente determinados investimentos, porque aprecia o câmbio e desestimula o investimento.

Para neutralizar a doença holandesa, além de se reestudar as tarifas hoje existentes, será preciso estabelecer uma tarifa adicional linear, igual para todos os bens, variável de acordo com o preço médio das commodities exportadas pelo Brasil. Quando esses preços estiverem baixos, ela será zero.

E criar um subsídio para a exportação de manufaturados igualmente variável de acordo o preço internacional das commodities. Se a OMC não concordar, adotar assim mesmo essa política. Mais vale eliminar essa desvantagem competitiva e termos exportações de manufaturados competitiva do que apoio da OMC.

Finalmente, para reduzir a desigualdade, o novo governo Lula deverá se concentrar em uma ou mais reformas tributárias que tornem progressivo o sistema de impostos, enquanto continua a dar como deu anteriormente apoio ao SUS e à educação pública.

Ainda haverá necessidade de muita luta política para chegarmos lá, mas Lula é um grande líder político e saberá liderar essa luta ao mesmo tempo que se soma a ela, porque essa será uma luta dos brasileiros.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Carlota

15 de maio de 2021 às 10h01

Isso seria lamentável. Um bandido feito Lula de novo seria muito triste.

Responder

carlos

14 de maio de 2021 às 07h07

Eu imaginei que o bandoleira, era burro mas ele é uma jumenta, ainda não existe candidatura oficial, vai ler a lei eleitoral analfabeto.

Responder

Alexandre Neres

13 de maio de 2021 às 21h59

A análise do Bresser Pereira é perfeita. O Brasil dos nossos sonhos é o que altera sua política econômica de neoliberal para desenvolvimentista, com todas as mudanças preconizadas e outras mais.

No entanto, em termos de realpolitik isso não parece muito provável. O cenário do Brasil é de terra arrasada. Necessita-se de uma liderança que pacifique o país e Lula sabe como ninguém desempenhar esse papel. Novos pactos políticos têm de ser celebrados e é preciso fazer aliança inclusive com forças conservadoras, o que limita o alcance do que urge ser mudado, pois a nossa elite tacanha não larga o osso nem a porrete e quando se sente a perigo faz qualquer negócio para manter seus privilégios.

Tanto Lula quanto Ciro Gomes estão buscando apoios à direita, de modo que os respectivos programas têm que ser suavizados e alterados em alguma medida para acomodar os aliados. Se o campo progressista ficar digladiando entre si, batendo cabeça, não consegue implementar medidas para tirar o país desse lodaçal. Se unidos não somos maioria, separados a chance é mínima de levar a cabo um programa desenvolvimentista rodeado de neoliberal por todos os lados.

De todo modo, é preciso votar em deputados e senadores do campo progressista para reverter a correlação de forças que nos é desfavorável e fazer com que perca a validade a máxima de Ulysses Guimarães de que a próxima legislatura é sempre pior do que a anterior, até porque a que está lá é ruim de doer. Como diria o Tiririca, pior do que tá não fica.

Responder

Paulo

13 de maio de 2021 às 20h00

Acho cedo para afirmar isso. E quanto a “pautar” Lula na economia, esqueçam! Ele vai fazer o que a “governabilidade” e o “presidencialismo de coalizão” mandarem, como já fez antes. Senão vejamos: mesmo acossado pelo mensalão, não hesitou em promover o petrolão (fora outras patifarias para obter fundos de campanha e enriquecer alguém próceres, nesse processo, que faziam parte da “nomenklatura”). A única coisa certa é que ele vai intensificar as pautas cultural e de costumes. Não que ele, Lula, esteja muito preocupado com isso. É que isso será imposto a ele, até como estratégia de vingança e manutenção do poder, à custa da corrosão de valores tradicionais da direita, vistos pela esquerda como empecilhos ao “progressismo” …

Responder

    Paulo

    13 de maio de 2021 às 20h02

    Alguém próceres = ALGUNS próceres…

    Responder

    Regina Soares

    14 de maio de 2021 às 00h16

    Meu caro, essa tua ladainha é que levou o Brasil a estar hoje nesse terror. Lula já mostrou competência e que é possível governar o país para todos. Não é o meu ideal , mas para seguirmos enfrente vamos ter que começar do zero de novo. O meu ideal é um país socialista, igualitário e solidário. Mas tenho paciência.

    Responder

Bandoleiro

13 de maio de 2021 às 19h41

Cadé esse pseudo candidato e jà ganahador que ninguem vé ele em lugar nenhum…?

Responder

    Regina Soares

    14 de maio de 2021 às 00h10

    Nem vais ver. Lula não é irresponsável e causar aglomeração em uma pandemia. Sem aparecer já está com essa aceitação, imagina quanto aparecer não é mesmo? 😉

    Responder

Deixe uma resposta