Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Entidades ligadas a imprensa repudiam ataques da milícia digital contra jornalista

Por Redação

03 de novembro de 2021 : 08h09

Nesta terça-feira, 2, o Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP), a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), a Associação Brasileira de Mídia Digital (ABMD) e o Grupo Prerrogativas divulgaram notas para repudiar os ataques da milícia digital bolsonarista contra o jornalista da Revista Fórum, Marcelo Hailer.

Os ataques começaram após o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) saiu em defesa da Operação Policial que resultou na morte de 26 suspeitos de integrarem uma quadrilha especializada em roubo a banco em Varginha (MG). Além disso, o parlamentar atacou a cobertura da imprensa.

Leia a nota do SJSP e da Fenaj:

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP) e a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) exigem providências enérgicas e imediatas sobre a situação do jornalista Marcelo Hailer, que recebeu inúmeras ameaças nos últimos dias a partir da publicação de matéria “Massacre: Operação policial em Minas deixa 25 mortos e nenhum deles policial” na Revista Fórum.

Os ataques, também de caráter homofóbico, chegaram a centenas e foram intensificados a partir de postagens nas redes sociais do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL), filho do presidente da República. 

As entidades se solidarizam com Marcelo, acostumado a fazer coberturas de temas relacionados aos direitos humanos. O SJSP entrou em contato com o jornalista e colocou à disposição seu departamento jurídico, além do que mais for necessário. “Neste momento, o que me faz sentir melhor é a solidariedade que tenho recebido da categoria. E é muito importante o apoio do Sindicato e da Fenaj” – disse Marcelo, que registrou Boletim de Ocorrência eletrônico.

As ameaças partem, em geral, de grupos bolsonaristas em redes sociais, e vão desde rastrear a vida do jornalista, à execução dele e de seus familiares. Sem contar os insultos homofóbicos.

A matéria de autoria de Marcelo abordava a operação policial que matou 25 pessoas em Varginha (MG) no domingo (31). A reação criminosa contra a atividade do jornalista é reflexo do ódio promovido pelo governo Bolsonaro contra os profissionais da imprensa e à liberdade de expressão. Inadmissível e repugnante.

Nota assinada por ABMD e Grupo Prerrogativas:

A Associação Brasileira de Mídia Digital e o Grupo Prerrogativas vêm a público repudiar veementemente as ameaças de morte e insultos LGBTfóbicos desferidos por grupos bolsonaristas ao jornalista Marcelo Hailer e sua família.

As ameaças foram feitas nas redes sociais do jornalista logo após a publicação de matéria assinada por ele na Revista Fórum sobre a violenta operação da Polícia Militar em Varginha, Minas Gerais, que resultou em 25 mortes.

Utilizando-se da estratégia nazifascista de intimidação, um dos militantes de extrema direita chegou a afirmar que vai executar o jornalista e divulgar o vídeo nas redes sociais.

Como bem lembrou a Fenaj em nota de repúdio sobre os ataques contra jornalistas que cobriram a viagem de Bolsonaro a Roma, a terça-feira, 2 de novembro, é o Dia Mundial de Combate à Impunidade dos Crimes contra Jornalistas.

Cobraremos a Justiça e o Parlamento brasileiros, instituições que representam os pilares da nossa democracia, para que estejam atentos e exijam a imediata identificação e punição dos responsáveis pelos atos terroristas contra a Revista Fórum e o jornalista Marcelo Hailer.

Florestan Fernandes Jr., presidente da Associação Brasileira de Mídia Digital.

Marco Aurélio de Carvalho, coordenador do Grupo Prerrogativas.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Fanta

03 de novembro de 2021 às 13h13

Sao “entidades” mesmo, ninguem vé, ninguem sabe para o que servem, provavelmente nem existem….mas se existem ou nao é a mesma coisa.

Responder

Kladir

03 de novembro de 2021 às 12h45

A tal revista Fórum foi o único veículo de imprensa que abortou o acontecido com viés claramente pró bandidos. Eles esperavam o que?? Parabéns?? Bandido bom é bandido morto, e os 26 lá tiveram o q mereciam.

Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?