Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Imagem: Reprodução

PDT vota com o Governo Bolsonaro na PEC dos Precatórios

Por Gabriel Barbosa

04 de novembro de 2021 : 08h34

Cerca de 15 deputados do PDT de Ciro Gomes e Carlos Lupi votaram a favor da PEC dos Precatórios (23/2021) que permite a criação de um “espaço fiscal” para o Governo Bolsonaro fazer um gasto extra de até R$100 bilhões no Orçamento Federal em 2022. Apenas seis parlamentares do partido votaram contra.

A confirmação do apoio da bancada do PDT saiu do próprio líder do partido na Câmara, deputado Wolney Queiroz (PE).

“Tínhamos a preocupação com os professores que tinham seus precatórios. Celebramos um acordo com o presidente Lira e conseguimos o compromisso da precedência do pagamento desses precatórios, de dividir esse pagamento em 40%, 30% e 30%, em 2022, 2023 e 2024, respectivamente. Ainda temos um compromisso de constitucionalizar a renda básica”, anunciou no Plenário da Casa.

Porém, o texto-base do relator Hugo Motta (Republicanos-PB) foi criticada tanto pela esquerda quanto por setores da direita que classificam a proposta como “PEC do calote”.

A PEC também foi colocada em votação para tirar do papel o Auxílio Brasil, novo programa social que vai substituir o Bolsa Família. Contudo, o Planalto só pretende pagar o benefício até dezembro de 2022, último mês do Governo Bolsonaro.

Ao todo, serão 83,6 bilhões que serão destinados ao Auxílio Brasil e outras medidas que o Governo Bolsonaro pretende turbinar para chegar competitivo nas eleições de 2022 como o questionado Auxílio Diesel a caminhoneiros.

Os votos favoráveis da bancada do PDT gerou severas críticas da bancada de oposição que já tinha fechado contra a PEC. Até mesmo o vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM), foi ao Twitter criticar a decisão tomada pelo partido de Lupi.

O líder da oposição na Câmara, Marcelo Freixo (PSB-RJ), disse que é a favorável ao pagamento do Auxílio Brasil, mas que poderia ser executado sem que “o governo dê um calote de R$ 90 bilhões no Brasil”.

O deputado federal Alexandre Padilha (PT-SP) criticou aqueles que se dizem oposição ao governo Bolsonaro mas que votaram favorável a PEC. “A história cobrará de quem se juntou ao bolsonarismo pra eternizar a população na pobreza”.

A deputada Tábata Amaral (PSB-SP) classificou a proposta como “gambiarra do governo para tentar garantir a reeleição”. Já Taliria Petrone (PSOL-RJ) alegou que o Governo Bolsonaro está vendendo a “ilusão do auxílio” na tentativa de buscar a reeleição.

Gabriel Barbosa

Jornalista com passagens pelo Grupo de Comunicação O POVO (Ceará), RedeTV! e Band News FM.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Helio Ewerton

04 de novembro de 2021 às 10h26

Somente o PT (e alguns outros partidos de esquerda) e os partidos dos capitalistas têm compromisso com seus programas. Os restantes são somente “investidores” parlamentares.

Responder

Tiago Silva

04 de novembro de 2021 às 10h20

O PDT acabou virando também “Biruta de Aeroporto”…

Quanta falta faz Brizola nos tempos atuais!

Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?