Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Bira Marques: Negacionismo climático

Por Redação

12 de novembro de 2021 : 12h06

Por Bira Marques

Vivemos tempos estranhos. Enquanto líderes de 200 nações estão com os olhos voltados para a discussão do futuro do planeta, o presidente do Brasil anda passeando pela Itália e atacando jornalistas. A 26ª Conferência do Clima, a COP26, que está acontecendo em Glasgow, na Escócia, até dia 12 de novembro, será um marco global, principalmente porque é o primeiro encontro internacional para discutir a emergência climática após o início da pandemia do novo coronavírus. 

O Brasil, que sempre foi protagonista nessa discussão, hoje é conhecido mundialmente pelo negacionismo e retrocesso, especialmente no que se refere à agenda ambiental. O absoluto desprezo de Jair Bolsonaro pela temática, relegando a um assunto de menor importância, rompe com a tradição brasileira de protagonizar as mudanças por um mundo mais sustentável. Bolsonaro precisa chegar ao século XXI, onde sustentabilidade é política de Estado. 

Se por uma lado temos um país tão cobiçado por suas riquezas naturais, por outro temos uma imagem amarga dos rumos do governo. A política de destruição do meio ambiente também destruiu a credibilidade brasileira nos fóruns climáticos e ambientais. As florestas ardem, as populações tradicionais sofrem, o garimpo cresce e a estrutura dos órgãos de fiscalização sofrem um desmonte. Um notório desastre. 

Entre 2004 e 2012, o desmatamento na Amazônia caiu de 27,7 mil Km2 para 4,5 mil Km2, uma queda de 83%. Os dois primeiros anos do governo Bolsonaro foram suficientes para afundar esse avanço. Nesse período, a destruição da Amazônia alcançou o maior patamar em 12 anos, desde 2008. Em 2020, a taxa anual de desmatamento chegou a 10.851 Km². Nos 10 anos anteriores, essa taxa era de 6.493,8 Km². Ou seja, um aumento de 67% na área de floresta destruída. 

O Brasil é um dos grandes emissores de CO2. No ano passado, período em que os motores das maiores economias desaceleraram por causa da pandemia, o país foi na contramão do mundo e intensificou sua carga de poluição lançada na atmosfera, registrando em 2020 a maior emissão de CO2 desde 2006. Dados do Sistema de Estimativas de Emissões de Gases do Efeito Estufa (SEEG) do Observatório do Clima mostram que as emissões brutas de gases do efeito estufa no país em 2020 chegaram a 2,16 bilhões de toneladas de CO2 equivalente (tCO2e), um aumento de 9,5% em relação ao período anterior, enquanto a média global de emissões caiu cerca de 7%. As principais fontes do aumento dos gases de efeito estufa no Brasil são as queimadas e o desmatamento, que no ano passado foram grande o suficiente para compensar a redução nas emissões causadas pela paralisação da economia durante o período de isolamento social. 

Diz o ditado que dinheiro não dá em árvore. Mas isso se mostra contraditório a cada vez que nossas florestas queimam e são desmatadas, porque, assim, também estamos queimando capital. Elevar a perda do nosso patrimônio florestal, além de afetar a credibilidade do Brasil nas negociações internacionais, também repercute mal no mercado, afeta negócios e possíveis investimentos. O negacionismo climático de Bolsonaro custa bem caro. 

Se nada mudar, as futuras gerações estão em risco. Esse é o principal alerta que a COP26 tem a nos ensinar. Ausente, Jair Bolsonaro enviou um vídeo de menos de três minutos com mensagens para o evento. Ele afirmou que o “Brasil é uma potência verde” e que “no combate à mudança do clima, sempre fomos parte da solução, não do problema”. A promessa de ambição, no entanto, contrasta com a realidade até aqui. O primeiro passo para a mudança é reconhecer o atual quadro de emergência climática, o que parece ser tão desafiador para esse governo como se sensibilizar pelas vítimas da covid-19. 

Durante a conferência, o Brasil assumiu o compromisso de zerar o desmatamento ilegal em 2028 e cortar em 50% as emissões de gases poluentes até 2030. A dificuldade é convencer o mundo que o nosso país pode levar essas metas adiante. Depois de tanta negligência e desprezo pela temática, isso é um desafio e tanto. 

Abrigamos a maior floresta do mundo, o que, por si só, descortina uma oportunidade de dimensão amazônica para o nosso país. Mas, o Brasil precisa assumir seu papel de liderança para conter o aquecimento global. A economia mundial nas próximas décadas caminha para a neutralização do carbono. É mais que uma necessidade. Essa é a oportunidade de futuro. Precisamos liderar esse processo global, ou vamos perder o bonde da História. 

Embora o governo não demonstre nenhuma credibilidade aos olhos do mundo, a COP26 vai servir para mostrar que o Brasil não é apenas um governo que relaciona a vacina da covid-19 com a Aids. Lá em Glasgow, as cidades brasileiras estão no mesmo compasso do resto do planeta, liderando as discussões climáticas do país. Niterói assumiu seu protagonismo e está bem representada na conferência pelo prefeito Axel Grael. 

Além de representar a nossa cidade, Axel também está representando a Frente Nacional de Prefeitos (FNP), do qual é vice-presidente de ODS. Uma participação que acontece em consonância com o objetivo da COP26 de aumentar o protagonismo dos governos locais no que se refere à emergência climática. 

Niterói tem tradição ambientalista e, hoje, é referência nacional de políticas públicas sustentáveis. Nossa cidade é pioneira e foi a primeira do Brasil a criar uma Secretaria do Clima, que dá à emergência climática a real importância. Recentemente, criamos o Fórum da Juventude em Mudanças Climáticas, que insere a nova geração nas discussões sobre o futuro. Na COP26, aliás, esse é viés de destaque, com o protagonismo dos jovens numa marcha em Glasgow pedindo ações mais ambiciosas no combate ao aquecimento global, com a participação da ativista Greta Thunberg e a brasileira Txai Suruí, indígena que discursou na cerimônia de abertura.

Na gestão do prefeito Rodrigo Neves, em 2014, foi lançado o programa Niterói Mais Verde, que criou o Parque Natural Municipal de Niterói (Parnit). Com essa iniciativa, Niterói elevou a cobertura de áreas protegidas para mais da metade do seu território. Nossa cidade ainda desenvolve projetos voltados para a preservação de parques e florestas, reflorestamento de áreas degradadas e educação ambiental. 

Na contramão do país, Niterói tem sérias políticas de combate à incêndios florestais, como o programa Niterói Contra Queimadas, trabalho que já formou mais de 400 voluntários nas comunidades e promove a conscientização da população contra os danos do fogo. 

O incentivo à mobilidade sustentável tem sido uma das marcas do governo municipal. Desde 2013, com a implantação do programa Niterói de Bicicleta, mais de 45 Km de ciclovias já foram implantadas na cidade. Em breve, vamos contar com mais 60 Km de malha cicloviária na Região Oceânica. 

Recentemente, Niterói deu um passo além e começou a testar um modelo de ônibus elétrico. A partir dos testes, a meta é adquirir 40 ônibus para a frota sustentável, com veículos que não emitem gases. Cada ônibus deixa de emitir, por ano, uma média de 115 toneladas de carbono, equivalente ao sequestro de carbono de 850 árvores. 

Seguindo os passos da tendência mundial, a Prefeitura de Niterói assumiu o compromisso de neutralizar as emissões de carbono até 2050 e já está colocando em prática soluções sustentáveis nos prédios públicos. Já está em desenvolvimento o projeto que pretende tornar o Hospital Pediátrico Getulinho e a Escola Municipal Marcos Waldemar de Freitas Reis em unidades neutras em carbono. 

Outra inovação é a obra de implantação do Parque Orla de Piratininga Alfredo Sirkis, que vai adotar soluções baseadas na natureza para recuperar e proteger esse ecossistema tão fundamental. 

Essas são só algumas das iniciativas que colocam Niterói na vanguarda ambiental. Assim como diversos países, nossa cidade segue o rumo da História com o desenvolvimento de um plano de retomada econômica baseado na sustentabilidade. Porque, apesar de desafiador, esse é o único caminho. O mundo anda na direção da economia verde. Será um erro imperdoável se o Brasil, ao contrário do protagonismo de suas muitas cidades, não assumir sua responsabilidade e agir com rapidez, assertividade e compromisso. As promessas serão vãs e as futuras gerações vão pagar o preço. 

Bira Marques é secretário executivo da prefeitura de Niterói.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Willy

12 de novembro de 2021 às 19h30

Na cabeça doida dos esquerdista Niteroi fica na Suissa, pertinho de Genebra.

Responder

Duilio

12 de novembro de 2021 às 19h19

O que tem de lixo jogado na rua e esgotos a ceu aberto e nas praias de Nitorei nao é brincadeira….um lixao a ceu aberto.

Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?