Analista da Ideia fala sobre “voto útil” dos eleitores de Ciro a Lula no 1° turno

Aloysio Nunes faz autocrítica do antipetismo do PSDB: “nos fez andar em má companhia”

Por Redação

11 de fevereiro de 2022 : 10h36

O ex-senador e ex-ministro das Relações Exteriores do Governo Temer, Aloysio Nunes (PSDB-SP), fez uma autocrítica sobre a postura que o seu partido tomou nos últimos anos, especialmente após as eleições de 2014 onde o antipetismo ficou enraizado no discurso tucano.

Sobre o PSDB ter adotado um posicionamento contra o Partido dos Trabalhadores (PT), Aloysio avalia que foi um erro por parte da legenda, já que as duas siglas foram contemporâneas e bebem da mesma fonte da social-democracia.

“São duas vertentes da social-democracia brasileira: uma mais à esquerda, representada pelo PT, e uma mais direita, cada uma com seu sistema de alianças. Aí chega Bolsonaro e destrói isso. Nesse processo de radicalização, que vem de antes do impeachment, uma parte do nosso eleitorado foi embora. Perdemos um componente importante dos nossos eleitores, de uma direita civilizada e moderada”, aponta.

“O PSDB não é mais uma referência nacional como foi. Na época em que o PSDB teve posições fortes na eleição nacional, com Fernando Henrique, (José) Serra e (Geraldo) Alckmin, o partido era uma referência que se opunha ao PT no campo eleitoral. O PSDB trazia consigo um eleitorado mais liberal e progressista, e também de direita conservador, mas do campo democrático. Isso foi explicitado na chapa FHC-Marco Maciel”, reconhece o ex-ministro em entrevista ao Estadão.

Nunes também admite que o antipetismo foi se transformando na “segunda natureza” do PSDB e isso fez com que os tucanos andassem com más companhias.

“Durante o processo de impeachment (de Dilma Rousseff), o antipetismo acabou se transformando em uma segunda natureza do PSDB. Isso nos fez andar em muito má companhia. Agora, diante do desastre que foi a eleição do Bolsonaro – um desastre até previsível – e do seu governo de destruição sistemática, vem a ideia de que é preciso retomar um diálogo que houve ao longo do tempo com forças de esquerda, como o PT”, ressalta.

“Talvez o PT tenha sido anti-PSDB, e a campanha Fora FHC é um exemplo disso, mas nós, do PSDB, antes desse processo de radicalização, sempre tivemos a compreensão da importância do PT na vida política brasileira como expressão do movimento popular. Ainda que não houvesse um papel escrito, houve convergência em muitas coisas importantes”.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Fabricio Azevedo

12 de fevereiro de 2022 às 16h43

O parlamentar que me perdoe, mas acho difícil acreditar que alguém seja pior companhia que ele mesmo.

Responder

EdsonLuíz.

11 de fevereiro de 2022 às 21h13

Essa fala do Aloysio deve ser lida do fim para o início:

i) Primeiro o PT foi anti- PSDB.
E dálhe “Fora FHC”;

ii) Depois o PSDB foi anti-PT.

É como a leitura torta feita na matéria do Joaquim Barbosa, uns posts afastados deste aqui:

Eu fui ver a fonte primária e o que li foi wue a repórter indaga a Joaquim se no quadro de intolerância que temos o Lula corre algum risco. Só quando inquirido Joaquim diz que acha que sim, que Lula corre risco devido à truculência do bolsonarismo, mas a partir daí, sem ser perguntado, demonstra preocupação com o amigo dele, o Sérgio Moro, e diz que o ex-juiz corre mais esse risco, por estar se expondo.

E inclusive o Joaquim ilustra a reserva de concorrer com a situação do amigo Sérgio Moro, que quando procurou por ele para conversar sobre a campanha o Joaquim marcou e recebeu o amigo na própria casa, no Leblon, e não em algum restaurante ou escritório.

Joaquim fala que Sérgio Moro se lançou antecipadamente e está sofrendo verdadeiro massacre por isso, ilustrando assim o que setores políticos doentes são capazer de fazer em uma campanha.

Críticas ao amigo, ele não faz nenhuma. Mas aí eu fui ler o que as telas sujas xos fanáticos falam das declarações do Joaquim e constato: elas torcem tudo e transformam a notícia na mentira que querem.

Mentira não é política!, mentira é antipolítica! Mentira não transforma nada, só agrava.

Como disse Antonio Gramsci: “Só a verdade é revolucionária!”.

Responder

Alexandre Neres

11 de fevereiro de 2022 às 17h41

Seja bem-vindo de volta, camarada Mateus!

Responder

Stalingrado

11 de fevereiro de 2022 às 17h28

Pode chorar que agora é tarde.
Agora é Lula Magno eleito no primeiro turno para podermos reconstruir o Brasil. O setor industrial, por exemplo, está no mesmo patamar que o de 100 anos atrás, graças a pessoas como Aloysio Nunes.

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador de Minas Gerais O Xadrez para Governador de São Paulo O Xadrez para Governador do Rio de Janeiro Novo Presidente da PETROBRAS defende preços altos Cadê o churrasco do povo, Bolsonaro? Preço explodiu! Conservadores? A atual juventude brasileira O Indulto sem Graça de Bolsonaro Os Principais Eleitores de Lula Os Principais Eleitores de Ciro Gomes Os Principais Eleitores de Bolsonaro