Analista da Ideia fala sobre “voto útil” dos eleitores de Ciro a Lula no 1° turno

A Guerra da Ucrânia e a Guerra de Narrativas

Por Redação

26 de fevereiro de 2022 : 22h04

Por Thiago de Jesus Esteves

Nas últimas semanas temos acompanhado, com preocupação, a escalada da
tensão entre a Rússia e os Estados Unidos da América (EUA), Grã-Bretanha, França e
Alemanha, países que efetivamente comandam a Organização do Tratado do Atlântico
Norte (OTAN). Após semanas de acusações mútuas, incontáveis reuniões diplomáticas,
encontros entre chefes de governo e Estado, além de uma incessante movimentação de
tropas, as forças armadas russas adentraram as fronteiras da Ucrânia no dia 24 fevereiro
de 2022.


Os meios de comunicação de massa – canais de televisão, rádios, jornais,
revistas, redes sociais e podcasts – foram rapidamente tomados por inúmeros(as)
especialistas, articulistas, comentadores e analistas, que passaram a construir um
discurso ou narrativa hegemônica sobre os fatos que antecederam ao conflito e os
acontecimentos que vêm se desenrolando após a ação da Rússia no território ucraniano.


No processo de construção deste discurso hegemônico, vivenciamos uma batalha
do bem contra o mal, na qual o bem é invariavelmente representado pelos países da
Otan, com os EUA, Grã-Bretanha, França e Alemanha a frente, e a Rússia encarnando
toda a maldade de que é capaz a humanidade. Entretanto, gostaria de chamar a atenção
para o fato de que nesta história não existem mocinhos nem bandidos. Não estamos
diante de um jogo de tabuleiro, um game ou um filme hollywoodiano, mas sim da vida
real, na qual as personagens são reais, com suas múltiplas contradições e interesses.


Nas palavras de um desses analistas, diante de uma bancada de atentas
repórteres, estamos diante do “primeiro conflito em território europeu desde o fim da II
Guerra Mundial”, que ocorreu em 1945. Talvez o autor desta afirmação tenha se
esquecido dos conflitos militares na região dos Balcãs, que resultaram na morte de mais
de 200 mil pessoas e mais de 2 milhões de refugiados. Além disso, passou despercebido
que no mesmo dia em as tropas russas adentravam as fronteiras da Ucrânia, a Síria, a
Somália e o Yemen foram bombardeados respectivamente pelas forças armadas de
Israel, EUA e Arábia Saudita. Todos os olhos e ouvidos estavam voltados para a
Europa.

Destaco que o presidente russo Vladimir Putin está muito longe de ser um
democrata. Controla com mão-de-ferro o aparelho estatal russo, reprimindo
violentamente qualquer manifestação contra o seu governo. Aprovou leis que
criminalizam a população LGBTQIA+ e que garantem aos maridos o direito de bater
nas esposas uma vez por ano. Além disso, ele ainda é acusado de prender e assassinar
seus oponentes. Mas para a maioria dos(as) analistas da mídia brasileira, o principal
problema de Putin foi ter pertencido aos quadros da KGB, a polícia secreta da antiga
União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), esta informação, somente para
constar era repetida quase como um mantra nas diversas transmissões.


No esforço de retomar o clima da Guerra Fria ou da II Guerra Mundial, os(as)
analistas acabaram se esquecendo que a Rússia não é a URSS, Vladimir Putin não é
Stálin ou Hitler e o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky está muito longe de ser
um democrata defensor da paz mundial e do entendimento entre os povos, basta lembrar
de que ele chegou ao poder após um golpe de estado em 2014 e com apoio de grupos
declaradamente neonazistas e fascistas. Isto se não quisermos lembrar do papel dos
Estados Unidos da América no Iraque, na Líbia e mais recentemente no Afeganistão.


Qualquer análise, minimamente séria, do conflito entre a Rússia e a Otan, tendo
a Ucrânia como pano de fundo, deve levar em consideração ao menos esses fatores:
ingresso de ex-repúblicas soviéticas na Otan; proximidade das eleições nos EUA, Grã-
Bretanha e França; dependência energética europeia; e o golpe de Estado de 2014 na
Ucrânia associado a crescente influência e poder de grupos neonazistas/fascistas.


Diferentemente da “em uma Guerra todos e todas perdem” eu acredito que apenas uma
parcela da população sofrerá verdadeiramente com a Guerra. Esta parcela é formada
pela classe trabalhadora. Enquanto as classes dominantes russas e ucranianas se
confraternizam com seus congêneres dos países capitalistas centrais, são os(as) jovens
trabalhadores(as) que lutam no front de batalha, vêm seus sonhos sendo destruídos
juntamente com suas casas e familiares. Enquanto as elites se esbaldam em banquetes
para celebrar a vitória, o entendimento e para repartir os espólios, são os trabalhadores e
trabalhadoras que sofrem com a fome e a morte, tanto neste como em qualquer outro
conflito.

Thiago Esteves é Doutor em Educação, Mestre em Ciências Sociais, Bacharel e Licenciado em Ciências Sociais.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

10 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Maria

02 de março de 2022 às 22h57

Excelente análise, ótima contextualização!!

Responder

Luiz

27 de fevereiro de 2022 às 22h55

A palavra “elites” não exprime mais a classe burguesa, e, tanto quanto o capitalismo descentralizado, tão concreto, demonstra a mesma memória que o Rin-tin-tin. Num Estado democrático, é o cidadão , talvez alcançando a nudez da pessoa, ou o Estado que deve estar orientado para um lado?

Responder

Ronei

27 de fevereiro de 2022 às 16h49

Como os Estados Unidos conseguiram eleger essa múmia como Presidente da República ?

Responder

Flavia Manhães

27 de fevereiro de 2022 às 16h07

Parabéns pelo texto, excelente análise e contextualização!

Responder

Rafaela

27 de fevereiro de 2022 às 15h57

Uma excelente análise! É isso.. muito inocentes, reais, morrendo

Responder

Walter

27 de fevereiro de 2022 às 08h48

A Rússia proibiu qualquer imprensa (inclusive russa) cobrir o entorno de onde as forças armadas russas estão combatendo, portanto, devemos aguardar mais alguns dias para termos notícias verdadeiras.

PS: Todo país que enfrenta o império e seus asseclas também vai enfrentar em seu próprio território ações de guerra híbrida, por isso tem que se proibir muitas manifestações, ONGs
e etc supostamente espontânea e afins.

Responder

Paulo

26 de fevereiro de 2022 às 23h30

Putin, ao que tudo indica, caiu numa armadilha pior que a invasão do Afeganistão pela ex-URSS, em 1979…Não há como vencer essa guerra com narrativas, a partir desse desprezo pela democracia e ode ao autoritarismo…

Responder

Fanta

26 de fevereiro de 2022 às 22h42

Deixar o poder nas mãos da mesma pessoa por muito tempo é um perigo.

Responder

Kleiton

26 de fevereiro de 2022 às 22h35

Os Estados Unidos fizeram várias guerras ao redor do mundo mas não anexaram nenhum território ao próprio mesmo podendo fazer isso facilmente.

Responder

Galinzé

26 de fevereiro de 2022 às 22h32

Putin é mais um ditador idolatrado silenciosamente pela esquerda brasileira.

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Maranhão O Xadrez para Governador do Rio Grande do Sul O Xadrez para Governador da Bahia O Xadrez para Governador de Minas Gerais O Xadrez para Governador de São Paulo O Xadrez para Governador do Rio de Janeiro Novo Presidente da PETROBRAS defende preços altos Cadê o churrasco do povo, Bolsonaro? Preço explodiu! Conservadores? A atual juventude brasileira O Indulto sem Graça de Bolsonaro