Defesa de Lula encontra documentos do triplex que Sergio Moro e Globo tentaram esconder – O Cafezinho

O Cafezinho

quarta-feira

21

junho 2017

187

COMENTÁRIOS

Defesa de Lula encontra documentos do triplex que Sergio Moro e Globo tentaram esconder

Escrito por , Postado em Redação

O jornalista Paulo Moreira Leite, colunista do Brasil 247, dá entrevista aos Jornalistas Livres sobre a última reviravolta do caso triplex: a descoberta de documentos que provam que o apartamento pertence, na verdade, à Caixa Econômica Federal.

A defesa de Lula procurava há tempos essa documentação, e solicitou a Sergio Moro que determinasse a sua busca. Sergio Moro negou. O justiceiro da Globo não tinha interesse em encontrar documentos que provariam a inocência de Lula.

O zé do powerpoint também não se interessou em buscar esses documentos. Nem ele nem os delegados que faziam campanha pelo Aécio nas redes sociais.

A grande mídia também não demonstrou nenhum interesse em pôr seus jornalistas investigativos na caça aos documentos, e agora trata deles com visível constrangimento e mal estar, como se lamentasse que eles tenham aparecido.

****

 

Dois últimos textos publicados no site dos advogados de Lula:

DOCUMENTOS PROVAM CESSÃO DE DIREITOS DO TRIPLEX

20 de junho de 2017

Defesa divulga contratos e aditamentos anexados às alegações finais que provam que 100% dos direitos econômico-financeiros do triplex e demais imóveis do Solaris foram cedidos à Caixa Econômica Federal. Os documentos estão registrados em Cartórios de Salvador.

Clique para acessá-los:

Contrato de cessão fiduciária

2º Aditamento do Contrato de Cessão Fiduciária

3º Aditamento do Contrato de Cessão Fiduciária

Notificação da Planner ref. à elegibilidade do Solaris

10ª Assembleia de Debenturistas da OAS

***

DEFESA REITERA CESSÃO DE DIREITOS DO TRÍPLEX

21 de junho de 2017

A defesa do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva reitera o afirmado em suas alegações finais na ação penal 5046512-94.2016.4.7000 e confirma que o triplex – além de outras unidades do Edifício Solares, no Guarujá – foram dadas pela OAS Empreendimentos S/A em garantia de diversas operações financeiras. Dentre estas operações está – como consta na página 239 das alegações finais – a cessão fiduciária, que tem como final beneficiário o FGTS, que é administrado pela Caixa, em uma operação que envolveu a compra de debêntures pelo mencionado fundo. O FGTS comprou, portanto, dívida da OAS e uma das garantias recebidas envolveu os créditos decorrentes de uma venda futura do triplex.

A cessão dos recebíveis do triplex (apartamento 164 A) e das demais unidades do Solaris ocorreu no “segundo aditamento ao contrato de cessão fiduciária em garantia de direitos creditórios e de direitos sobre contas bancárias”, que foi firmado em 19/10/2010. Esse documento desmonta a versão do corréu Léo Pinheiro de que teria transferido a propriedade do tríplex ao ex-Presidente, em 2009, considerando que 1 ano depois a OAS cedeu ao FGTS/Caixa os recebíveis.

A nota divulgada ontem pela Caixa Econômica Federal não colide, sob nenhuma hipótese, com as alegações finais da defesa. Diz a nota que a “Caixa não é dona dos direitos econômicos e financeiros do apartamento triplex no Guarujá”. Nossa afirmação – detalhada na mencionada página 239 e nas seguintes da peça – registra a cessão ao Fundo. Na sequência, a Caixa confirma que, em 2009, o FGTS adquiriu debêntures da OAS Empreendimentos, dizendo ainda que a operação foi garantida “entre outros” pela hipoteca do Edifício Solaris. O banco reconhece que, alem da hipoteca, a OAS deu outras garantias, dentre estas, a cessão fiduciária que comprovamos documentalmente nas alegações.

Finalizando, a Caixa diz que “tal garantia não impede a comercialização dos imóveis”. Jamais dissemos o contrário. Até porque é inerente à operação de cessão de recebíveis que haja uma venda. O que dissemos é que, para que Léo Pinheiro ou a OAS possam afirmar que transferiram a propriedade do tríplex para alguém – mediante venda, doação ou qualquer outra forma de alienação – teriam que provar terem liberado as garantias junto à Caixa. E no caso da cessão fiduciária a operação só se concretizaria com o depósito do valor do imóvel – e suas benfeitorias – em conta específica indicada no contrato que a OAS fez com a Caixa, com a participação da Planner como agente fiduciária.

Lula não é e jamais foi, portanto, dono do “tríplex do Guarujá

Cristiano Zanin Martins, Valeska Teixeira Martins e Roberto Teixeira



Miguel do Rosário

Miguel do Rosário

Editor em Cafezinho
Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.
Miguel do Rosário

quarta-feira

21

junho 2017

187

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

187 COMENTÁRIOS

  1. Marcelo PeTista de Faria
  2. jose avila ribeiro
  3. Marcel Vasconcellos
  4. Gian0001
  5. Anônimo
  6. Rodrigo
  7. Sandro
  8. Neide Iossi Contieri
  9. Rosana
  10. Roberto
  11. Dunha
  12. Yvette Teixeira
  13. Anônimo
  14. Araujo
  15. Anônimo
  16. Marcelo Santos
    • Renata
  17. Marco Lima
    • Renata
  18. Lauany
  19. Abrahao
  20. Sidnei Aparecido Gonçalves
  21. Cesar volpe
  22. Diogo
  23. marco
  24. aristóteles silveira souza
  25. Anônimo
  26. Adilson
    • Maroca
    • marco
  27. FRANCISCO MAURILIO GADELHA DE ANDRADE
  28. Joao
    • FRANCISCO MAURILIO GADELHA DE ANDRADE
      • Maroca
    • Jairo Gomes Viana
    • jairo
  29. Josué
  30. DAYSI J CARNEIRO LINDHOLZ CONCEICAO
  31. Julia
  32. Sergio Luiz Brito
  33. Gonçalo
  34. Anônimo
  35. Brasileira
  36. Eliane Barroso
  37. Reginaldo Boettger
  38. RAQUEL SOARE3S
  39. Vanderlei
    • Franklin J. Alencar
    • Franklin J. Alencar
  40. LUIZ TAVE
      • Kleber Santana
    • vera lucia mello nunes nunes
  41. João Ostral
  42. Augusto
  43. Sergio L
  44. Benoit
    • Anônimo