Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Nassif analisa desistência de Serra

Por Miguel do Rosário

17 de dezembro de 2013 : 18h19

As Razões de Serra Ter Jogado a Toalha

(Via Julio Cesar Macedo Amorim)

Por Luis Nassif, no Jornal GGN.

Anunciar publicamente a desistência de disputar a candidatura do PSDB à presidência não foi ato de solidariedade partidária de José Serra, mas apenas o reconhecimento de que perdeu a batalha.

Nos últimos meses não lograva mais criar fatos, nem factoides. Convidou-se para um evento na FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) que não repercutiu. Experimentou alguns laivos de discurso progressista, e não colou. Balbuciou alguns lances de discurso de paz, e ninguém acreditou. Na morte de Mandela, imaginou-se de novo líder intelectual de centro-esquerda que deixou de ser há muitas décadas, mas não pegou. Só manteve aplausos da ultradireita que passou a representar e que só o aceita enquanto mantiver o discurso de ódio.

É o que lhe resta. Indague de seus eleitores qual a característica que prezam em Serra e eles dirão: o ódio, na forma mais obscurantista.

Recentemente, Serra queixou-se a aliados que estava completamente abandonado em São Paulo. Apesar dos elogios protocolares que de vez em quando lhe endereça, o governador Geraldo Alckmin tirou-lhe todo o oxigênio, não lhe entregando nenhuma área do Estado para abrigar seus aliados.

Restou-lhe o Sebrae São Paulo. De tempos em tempos, uma entidade empresarial assume a gestão do Sebrae. Na vez da Associação Comercial, Guilherme Afif entregou a superintendência a Bruno Caetano, ex-Secretário de Comunicação de Serra, que aparelhou-a com dezenas de cabos eleitorais.

A fábrica de dossiês

Protocolarmente, lideranças do PSDB saudaram a grandeza de Serra, em favor da unidade, ao recomendar que Aécio Neves assumisse logo a candidatura pelo partido. Em particular, nenhum deles acredita minimamente em qualquer gesto de grandeza de Serra.

Sabem que ele não é movido a solidariedade, mas a ódio.

Os alvos do ódio variam com o tempo. Mas há alguns ódios permanentes. E Aécio Neves é um deles.

Em Aécio, há algumas características comuns a outros alvos de ódio – como Fernando Haddad, Ciro Gomes, Gabriel Chalita: jovens políticos representando uma nova geração que enterrará a de Serra para sempre. Eduardo Campos só não entrou na lista, ainda, para poder ser usado como contraponto a Aécio. Ou então políticos da sua geração que ousaram disputar espaço com ele – como José Aníbal e Paulo Renato.

Mas há razões pessoais. Uma delas é a suposta falta de apoio em Minas Gerais, nas eleições de 2010. A outra – mais concreta – é o levantamento do dossiê que resultou no livro “A Privataria Tucana”, reação dos aecistas ao artigo “Pó Para”, no Estadão, que julgaram ter sido escrito sob inspiração de Serra.

Poucos dias antes do anúncio da desistência, Serra publicou na “Folha” artigo pretendendo manter acesa a questão da cocaína. O mesmo fizeram jornalistas ligados a ele. Sua sutileza paquidérmica deixou claro que o alvo era Aécio Neves, devido ao episódio do helicóptero envolvendo seus aliados políticos.

Serra submergirá. Mas a fábrica de dossiês continuará ativa. E, por enquanto, o alvo maior não será Dilma.

jose-serra_983

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Francisco

19 de dezembro de 2013 às 02h22

Srs, acredito que o Serra mais uma vez deu aquela recuada estratégica como em 2006, mas, acho que desta vez o tiro vai sair pela culatra, pois, após 2014, nao haverá mais o PSDB.

Responder

Ana Paula Sardenberg Pereira

17 de dezembro de 2013 às 23h39

Vou ler as razões do Serra!!! kkkkkkkkkkkkkkk

Responder

Pedro Antônio Cândido

17 de dezembro de 2013 às 21h58

Este foi um dos assuntos do nosso papo com Luis Nassif hoje aqui em Sanzé. Acho que o Serra ainda vai fazer muitos “estragos” pela frente. Vamos aguardar…

Responder

Josef Marcio Tavares

17 de dezembro de 2013 às 20h33

desistiu de ser prefeito: desistiu de ser governador. Agora desistiu de ser candidato. É um desistente convicto.

Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?