Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Governo de SP rebate acusação da Folha

Por Miguel do Rosário

18 de dezembro de 2013 : 18h49

Num post escrito para o Tijolaço, eu já havia cantado essa bola. No domingo, a Folha apareceu com uma “denúncia” contra o governo Alckmin, o qual teria dobrado os gastos mensais previstos para o primeiro semestre de 2014.

Tudo jogo de cena entre Folha e Alckmin, para fingir que podem ser críticos ao PSDB, e ao mesmo tempo abafar o trensalão.

Em ano eleitoral, o governo é probido de gastar com publicidade no segundo semestre, então todos os gastos com publicidade, assim como uma série de outras despesas, são comprimidas no primeiro semestre. Resultado, os gastos mensais no primeiro semestre ficam maiores.

O caso foi manchete de capa:

ScreenHunter_3131 Dec. 18 18.35

Só que os próprios infográficos da reportagem, no miolo do jornal, já mostravam que a denúncia era bobinha. Os gastos do governo Alckmin para 2014 vão cair em em relação ao ano anterior, de 194 para 188,8 milhões de reais. Só vai aumentar a média mensal pelas razões já mencionadas.

ScreenHunter_3132 Dec. 18 18.36

Ainda entre os infográficos, a explicação de que está tudo dentro da lei.

ScreenHunter_3133 Dec. 18 18.36

Pra que dar um peso de “manchete” à notícia? A única explicação, a meu ver, é fazer um jogo de cena para abafar o escândalo do trensalão.

Eu ainda avisei: a própria Folha publicará, nos dias seguintes, uma explicação singela do governo Alckmin. Dito e feito. Hoje, na seção de Cartas ao Leitor, a Folha publica a resposta do governo. O título da carta é fofinho.

*

18/12/2013 – 04h38
Governo de SP esclarece reportagem sobre gastos com propaganda
FELIPE NEVES
COORDENADOR DE ATENDIMENTO À IMPRENSA DO GOVERNO DE SP
DE SÃO PAULO (SP)

Estão errados o título “Alckmin dobra gasto mensal com propaganda em 2014” (“Poder”, 15/12) e a manchete “Eleição faz Alckmin dobrar gasto mensal com propaganda” (“Primeira Página”).

O gasto previsto com publicidade do governo de São Paulo vai diminuir ou se manter igual em 2014. O governo poderá fazer publicidade durante oito meses (nove, se não houver segundo turno). Mas a reportagem dividiu o valor por seis, inflando o cálculo.

Outro erro grave: para o ano que vem, a reportagem tomou como base a proposta orçamentária em discussão no Legislativo. Ao invés de compará-la ao orçamento atualizado de 2013, cotejou-a com o gasto até 12 de dezembro, quando campanhas publicitárias ainda não tinham sido liquidadas.

A dotação orçamentária atualizada de 2013 é de R$ 281 milhões. Já a proposta prevê R$ 188 milhões para 2014. Diluída em gasto mensal, será de R$ 23,5 milhões (oito meses) ou de R$ 20,8 milhões (nove meses).

RESPOSTA DOS JORNALISTAS MARINA DIAS E PAULO GAMA – A comparação feita pela reportagem é correta e o critério adotado foi descrito de forma transparente. O governo planeja concentrar no primeiro semestre de 2014 seus investimentos em propaganda e a comparação feita pela reportagem mostra o impacto que essa escolha pode ter num ano de eleição.

*

E assim todos terminam felizes para sempre. Ah, a Folha “esqueceu” de computar os gastos com publicidade das estatais…

 

ScreenHunter_3134 Dec. 18 18.48

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

gerson

19 de dezembro de 2013 às 11h21

Aqui em Joinville o ex prefeito petista Carlito não pode concorrer nas eleições passadas por tem feito gastos acima da média mensal com propaganda no ano eleitoral. Será que o entendimento desta lei aqui é diferente?

Responder

Cleide Portella

19 de dezembro de 2013 às 12h25

Acha que nós somos trouxas!!!

Responder

Geraldo Amorim Filho

19 de dezembro de 2013 às 01h38

renca de espertos! nada! Amigos com medo de perderem a boquinha!!!!

Responder

Rodrigo Jardim Rombauer

19 de dezembro de 2013 às 01h35

excelente!

Responder

José Carlos liJô

18 de dezembro de 2013 às 23h28

Em Goiás o marconi périplo se levantou ao dar mensalao para a imprensa
Ta vendo Haddad

Responder

José Carlos lima

18 de dezembro de 2013 às 23h25

Combate sistemático ao comunismo e à corrupção ao justificar o apoio à ditabranda
A foia eh a mesma golpista de sempre

Responder

José Carlos lima

18 de dezembro de 2013 às 23h22

Um mensalão a cada més e tudo bem

Responder

Alberto Junior

18 de dezembro de 2013 às 23h29

Cafezinho muito bom

Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?