Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Caetano, atiraste uma pedra?

Por Miguel do Rosário

17 de fevereiro de 2014 : 14h53

Reproduzo abaixo um belo texto do Fernando sobre a revolta de Caetano Veloso contra o Globo, e que aliás foi respondida hoje em editorial.

Eu acrescentaria o seguinte: Caetano Veloso é a pessoa mais anti-black bloc que se possa imaginar. Suas canções sempre pregaram a delicadeza, a transparência, o diáfano, a suavidade.

O próprio cidadão Caetano, pode-se criticá-lo por tudo, mas ele sempre defendeu os valores da paz, da democracia e do diálogo. Lembro-me que, numa entrevista, ele declarou que nunca atravessava um sinal vermelho, nem de madrugada.

Entretanto, confundido pelas circunstâncias, pelo simbolismo ingênuo das coisas, ele vestiu uma máscara black bloc, sem imaginar as consequências trágicas desse “endosso”.

Como bem lembrou o Fernando, citando os versos de Herivelto que o baiano cantou tão bem, “atiraste uma pedra”, Caetano, em quem “lhe fez tanto bem”…

A Caetano, sobre O Globo: é tua a Queixa

Por Fernando Brito, no Tijolaço.


Música Atiraste Uma Pedra de Herivelto Martins no Vagalume!

Eu não comentei o artigo de Caetano, ontem, queixoso de como O Globo tratava o Deputado Marcelo Freixo, do PSOL.

“Descobrir”, agora, que O Globo acusa sem provas, cria ondas linchatórias, pressupõe a culpa quando ocupado lhe desagrada, francamente, é um tanto tardio vindo de quem, como Caetano, foi brutalizado pela ditadura à qual O Globo serviu.

Nem vou comentar o editorial “neutro” do jornal, hoje, onde diz que fez a apuração dos fatos, agora, embora não a tenha querido fazer enquanto os blocs serviam de desgaste ao Governo ao quem faz oposição.

Como os blocs, Caetano e Freixo serviram, não servem mais.

Como alguns leitores têm dito que ando meio irritadiço – às vezes é verdade, porque não sou um observador “neutro” da política, tenho lado e causa e não os escondo – vou me servir da poesia e deixar  que o genial e amado poeta Caetano Veloso faça, ele mesmo, a sua Queixa:

“Um amor assim delicado
Você pega e despreza
Não devia ter despertado
Ajoelha e não reza”

Pois é, Caetano, tem essa. O diabo não compra só um pedacinho da alma, leva o lote.

De repente, você achou feio tudo o que não era espelho e descobriu nos que sempre estiveram ao lado do passado e da opressão o canal da liberdade?

A esquerda que você e o Freixo renegaram nunca achou que vocês fossem os “culpados”.

Dessa coisa que mete medo
Pela sua grandeza
Não sou o único culpado
Disso eu tenho a certeza

Mas você não viu ou não quis ver o que havia nisso.

E isso é terrível num poeta.

Como cantou, tão lindo, o Chico, os poetas, como os cegos podem ver  na escuridão.

Estava escuro, é verdade, mas dava para ver onde o caminho ia dar. O pobre Santiago Andrade foi a pedra no meio do caminho, que doeu em todo mundo, mas  fez parar a loucura que é transformar a democracia que custou tanto a você e a mim – e que não se apaga de nossas retinas tão fatigadas  – num cenário de pedradas, máscaras e agressões.

Os “novos democratas” da mídia e das elites que sustentaram a brutalidade e hoje posam de “pós-modernos”, desprezando estes velhos brontossauros do nacionalismo, usaram a sua imagem – aquela que você achou linda, libertária, jovem – o quanto ela foi útil. Inútil agora, o Freixo vira bandido, para levar nas costas o peso da condenação por tudo do quanto se serviram.

Princesa, surpresa, você me arrasou
Serpente, nem sente que me envenenou
Senhora, e agora, me diga onde eu vou

Pois é, Caê, a vida é real e de viés e vê só que cilada o amor te armou, fez virar ao contrário teu verso “onde queres bandido eu sou o herói”.

Revolução não é um pano preto sobre o rosto. Não finda por ferir com a mão essa delicadeza, a coisa mais querida, a glória da vida.

Lembra do Herivelto Martins, que você cantou, tão lindamente? atiraste uma pedra/no peito de quem/só lhe fez tanto bem/e quebraste um telhado/perdeste um abrigo/feriste um amigo)/conseguiste magoar/quem das mágoas te livrou/e atiraste uma pedra/com as mãos que esta boca/tantas vezes beijou

Não reclama, Caetano, mas age.

E não é aplaudindo, é cobrando, pedindo, exigindo, do jeito que só os poetas sabem fazer, e que eles, homens duros da direita, detestam.

Porque o sonho tem hora que não pode ser apenas sonhado, mas feito. Com pó, pedrisco, farpa, cansaço, erro, até dor. E a gente precisa de poesia para não se afundar sem olhar o céu enquanto lavra o chão.

Volte pra cá, Caetano, porque a gente já não pode nem quer ir embora , não quer dar mais o fora.

Dona Canô, que te mandou pro mundo, era sabida.

“Apenas fiquei conhecida por causa de meus dois filhos que nunca se esqueceram de onde vieram nem da mãe que têm.”

Termina a música do Herivelto, Caetano, por favor.

Não turve a água desta corrente por onde o povo brasileiro avança, essa água que um dia, por estranha ironia, tua sede matou.

101

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

9 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Helena Leal

19 de fevereiro de 2014 às 22h26

Que maravilha, Miguel! Impossível o Caetano não se emocionar!

Responder

thelma Maria Moura Vieira

19 de fevereiro de 2014 às 12h14

Pois é Caetano, como dizia minha vó, quem com porcos se mistura farelo come.

Responder

Edesio Junior

18 de fevereiro de 2014 às 11h40

-E que a Globo continua cair no IBOPE

Responder

Geraldo Amorim Filho

18 de fevereiro de 2014 às 10h35

Caetano, contra a globo? Agora conta a papagaio, baiano?

Responder

Rubens Alexandre Ferreira

18 de fevereiro de 2014 às 04h05

Eventualmente a testosterona do Caetano tem alguns picos d inconformismo, e ele se exalta. Lembro do episodio no premio da MTV, q foi risivel. Caetano vociferando, batendo pezinhos e falando palavroes, foi quase como ver a Dona Benta do Sitio do Picapau, dançando funk! hehehehehe…Tirando esses ‘xiliques do dendê’, Caetano eh uma criatura mt interessante.

Responder

Rubens Alexandre Ferreira

18 de fevereiro de 2014 às 03h56

Caetano eh o exemplo mais vivo d q certas pessoas inteligentes e articuladas na idade adulta, envelhecem muito mal! No caso dele, nao imagino a causa, mas em pessoas q conheço, sei q eh o rancor, inveja e questões mal resolvidas durante a vida. Belo exemplo d q a idade nem sempre traz sabedoria, mas aumenta a verborragia sem freios.

Responder

Mário Lara

17 de fevereiro de 2014 às 22h01

Muito bom o texto e bela lembrança musical!

Responder

ARISSIO

17 de fevereiro de 2014 às 18h26

CAETANO GOSTA DA COR DO DINHEIRO QUE COLOCA NO SEU BOUSO AI ELE TEM LADO.

Responder

Roniere Vilagelin

17 de fevereiro de 2014 às 18h46

Após o texto o editorial do globo veio repleto de indiretas a cae,freixo e psol.

Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?