03.04 Coletiva do Ministro da Saúde

PF desbarata mais um esquemão gigante de sonegação

Por Miguel do Rosário

22 de maio de 2015 : 15h56

A Polícia Federal parece ter aprendido o caminho das pedras.

Primeiro veio a Zelotes, apurando desvios que podem chegar a R$ 20 bilhões, e, mais importante, pondo em evidência o Carf, uma instituição que, apesar de lidar com dívidas tributárias entre 500 e 1 trilhão de reais, não tem nenhum controle social ou democrático.

Ninguém sabia, até então, sequer o que era Carf, e a maioria continua não sabendo – porque a mídia de massa não faz campanhas de esclarecimento.

É um mistério. Por que a Globo nunca fez programas jornalísticos especiais sobre o Carf?

*

Depois a PF iniciou uma operação no Rio Grande do Norte, também envolvendo crimes tributários. Os desvios foram estimados em mais de R$ 500 milhões.

E hoje a PF acaba de anunciar outra operação anti-sonegação de grande porte, a Operação Patriota, envolvendo desvios de quase R$ 900 milhões.

A mídia dá a notícia, mas não põe em destaque, não põe na manchete ou na primeira página, não faz editorial, não junta pontos, não vai atrás da repercussão, não cria apelido com ão, não faz infográfico, não articula uma campanha com vários órgãos de mídia.

A mídia só quer saber de escândalo que possa usar para detonar o PT. Ponto.

O objetivo da mídia brasileira é detonar o PT e eleger o PSDB, que se tornou, descaradamente, um partido responsável pelo lobby da mídia e dos interesses americanos no Brasil (sobre isso, falaremos mais no próximo post).

O resto é o resto. Não interessa que corresponda a dezenas de bilhões de recursos desviados. Se não der para associar ao PT, a mídia abafa.

Felizmente, a sociedade já começou a ficar independente dessa mídia. É um processo ainda incipiente, mas acelerado e irreversível.

O Brasil quer lutar contra toda a corrupção. Do PT, do governo também, claro, mas de todos os partidos, governos e empresas. Aliás, apenas uma democracia avançada, com instituições sólidas, consegue se autoconceder liberdade política suficiente para que haja investigações contra o próprio governo, contra diretores de estatais e membros de partidos ligados ao governo.

Sempre há o perigo, porém, dessas investigações serem tragadas por conspirações políticas, e isso é uma maneira de enganar a democracia, transformando a suposta liberdade política de se investigar um governo num instrumento do arbítrio para burlar a vontade popular.

Vontade popular que, sempre é importante lembrar, não se mede em institutos de pesquisa. A única pesquisa política oficial do regime democrático é o sufrágio universal.

A sonegação no Brasil movimenta valores acima de R$ 500 bilhões, sete vezes superior ao montante estimado da corrupção anual.

Essa magnitude faz com que a sonegação deixe de ser apenas uma questão moral.

O nível de sonegação no Brasil se tornou uma questão gritante de injustiça fiscal. E se junta à discussão sobre o imposto para grandes fortunas.

Se o governo e sua bancada forem inteligentes, podem propor a redução do imposto de renda para classe média e assalariados, e aumento da tributação sobre o patrimônio dos ultrarricos, além do aumento da fiscalização.

Não será difícil, acho eu, formar maiorias parlamentares para aprovar leis de justiça fiscal. A mídia tentará ser contra, mas ficará emparedada por seus próprios leitores de classe média, que ficarão entusiasmados com propostas nessa linha.

O governo poderia também propor redução tributária para pequenos comerciantes, estimulando o setor que mais gera emprego no país.

Outro setor que poderia ser conquistado pelo governo é o de profissionais liberais, sobretudo advogados e médicos, que vivem tentando burlar o fisco. Deveria haver um programa de desoneração progressiva e desburocratização tributária para esse tipo de atividade, de maneira a descriminalizar o trabalho desses profissionais.

*

PF faz operação em Brasília para apurar fraude de até R$ 875 milhões

Operação Patriota investiga gestores do ramo de transporte e turismo.
Agentes cumprem 18 mandados de busca e 11 de condução coercitiva.

Isabella Calzolari e Vianey Bentes
Do G1 DF e da TV Globo, em Brasília

A Polícia Federal realiza na manhã desta sexta-feira (22) em Brasília uma operação para investigar um suposto esquema de fraude fiscal que pode ter chegado a R$ 875 milhões. O grupo empresarial apontado como alvo da operação é dono de ao menos sete empresas ligadas ao transporte, turismo e hotelaria.

A PF não divulgou os nomes dos suspeitos, mas apuração do colunista do G1 Matheus Leitão indica que o alvo da operação é o empresário Wagner Canhedo, que foi dono da empresa aérea Vasp e que chegou a ser preso em regime semiaberto em 2013 em processo por sonegação fiscal.

Segundo o chefe da Delegacia de Combate a Crimes Financeiros da Polícia Federal, João Thiago Oliveira Pinho, o grupo é bastante conhecido na capital federal e algumas das empresas já tiveram falência decretada. Os empresários são suspeitos ainda de lavagem de dinheiro, formação de quadrilha e falsidade ideológica.

O filho do empresário, Wagner Canhedo Filho, estava até as 12h10 na PF, em uma sala onde agentes tomam depoimentos. Ele saiu da Superintendência da PF por volta das 13h e não falou com a imprensa.
Canhedo Filho foi preso em flagrante por posse ilegal de arma. Na casa dele foram encontradas duas armas com registro vencido, uma sem registro e o documento de uma arma que estava no escritório dele. O empresário pagou R$ 38 mil de fiança.

Ao todo, 18 mandados de busca e apreensão e 11 mandados de condução coercitiva foram expedidos, além da prisão em flagrante por posse ilegal de arma. De acordo com Pinho, o grupo usava empresas de fachada em nome de laranjas para desviar o dinheiro que seria recolhido para pagamento de impostos.

“Essas empresas transferiam grande parte do patrimônio para empresas laranjas em nomes de familiares e ex-funcionários e faziam operações de empréstimos que eram de gaveta”, afirmou o delegado. “Estamos investigando o grupo há um ano, mas ele vem há décadas fugindo da execução fiscal e cometendo diversas fraudes.”

Com essa operação, a administração das empresas ficará a cargo de um auditor fiscal indicado pela Receita Federal a pedido da Justiça. Com o afastamento dos gestores e a posterior indicação de um auditor fiscal, a polícia pretende garantir que as empresas continuem funcionado, os empregos dos funcionários do grupo sejam mantidos e os valores devidos ao Fisco voltem a ser recolhidos.

“A grande diferença nesse caso é que vamos substituir a gestão dos empreendimentos. É um caso relativamente inédito de forma que o gestor atual será substituído por um auditor da Justiça”, disse Pinho.

Ao menos dois carros foram apreendidos durante a operação. Segundo a polícia, nem todas as sete empresas do grupo continuam em funcionamento. A PF identificou quatro empresas de fachada.

A operação acontece em parceria com a Procuradoria da Fazenda Nacional. O procurador do órgão Pablo Pedrosa disse acreditar que será difícil a recuperação do dinheiro supostamente desviado.

“Considerando a dívida de R$ 875 milhões, é de difícil recuperação, mas medidas como essa [de um auditor fiscal cuidar das empresas] vão diminuir esse déficit de recuperação e recuperar esse dinheiro que é público, fruto de impostos não pagos”, disse.

Pedrosa contou que o órgão iniciou as investigações em 2014. “Somente a partir de 2014 a gente identificou esse processo de operação e obtivemos decisões judiciais favoráveis no âmbito da execução fiscal que acabaram resultando nessa parceria.”

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

51 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Miguel do Rosário

25 de maio de 2015 às 05h15

O que que tem? A fonte hj pode ser q um. Leia o post direito

Responder

Dulce cabral

24 de maio de 2015 às 19h47

Lendo a matéria completa, o Miguel do Rosário diz algo que é verdade nua e crua. A grande mídia dá a notícia em primeira mão, mas quando percebe que não estão envolvidos petistas não fala mais no assunto e deixa o mesmo em termos de notícia cair. Veja a diferença entre a Lava Jato que todos os dias é noticiada e a Zelotes, HSBC e provavelmente com esta Patriota.

Responder

Asiole Senun

23 de maio de 2015 às 19h23

Trabalhar também!

Responder

Asiole Senun

23 de maio de 2015 às 19h23

Trabalhar também!

Responder

Augustino Michels

23 de maio de 2015 às 18h55

Gostaria de ler umas opiniões sobre o atual ?

Responder

Augustino Michels

23 de maio de 2015 às 18h55

Gostaria de ler umas opiniões sobre o atual ?

Responder

Edna Trugilio Outeiro Pinto

23 de maio de 2015 às 17h59

vocês estã d +++++++++ até que em fim pararam de embarrerarkkkkkk

Responder

Gui Medeiros

23 de maio de 2015 às 15h40

a lei é DA elite, não PRA elite
’empresário’ preso é wishful thinking

Responder

AntiPT

23 de maio de 2015 às 09h18

Oh ignorância…. Meu Deus…. O Carf é um órgão subordinado ao Ministério da Fazenda, controlado, portanto, pelo seu amado partido.
Se alguém pode fazer algo para mudar, não é o PSDB, nem os americanos ou mesmo a CIA rsrsrsrs.

Pelo jeito o tal de Sibá Machado está fazendo escola. Quer dizer que o PSDB faz lobby para os americanos?

Meu Deus….

O mais curioso são os comentários dos petistas acéfalos. Todos acreditam nessa baboseira que vc escreve..

Responder

    Miguel do Rosário

    23 de maio de 2015 às 11h30

    Carf tem metade dos conselheiros indicados pelo setor privado. Quanto a relação do Psdb com os americanos, isso nem se discute

    Responder

      AntiPT

      23 de maio de 2015 às 12h04

      Miguel, pare por favor de falar mentira. Leia o paráGrafo 10 do artigo 25 da lei 11.941/09 e veja quem é o responsável pela escolha dos conselheiros do Carf.

      Para ficar mais fácil e não precisar desenhar, veja a redação do paráGrafo:
      § 10. Os conselheiros serão designados pelo Ministro de Estado da Fazenda para mandato, limitando-se as reconduções, na forma e no prazo estabelecidos no regimento interno.

      Oh ignorância…

      Responder

        Miguel do Rosário

        23 de maio de 2015 às 12h05

        Indicados pelo setor privado.

        Responder

          AntiPT

          23 de maio de 2015 às 12h22

          É, realmente não tem jeito… Vc usa uma estratégia que ficou muito conhecida na Alemanha nazista. “Uma mentira repetida mil vezes vira verdade”.
          Vc devia trocar seu nome para Miguel Gobbels.

          Miguel do Rosário

          23 de maio de 2015 às 12h24

          Essa técnica é sua. Metade dos conselheiros do Carf são indicados pelas entidades patronais

          AntiPT

          23 de maio de 2015 às 12h27

          O parágrafo 11 da mesma lei joga uma pá de cal sobre essa sua conversa fiada:

          § 11. O Ministro de Estado da Fazenda, observado o devido processo legal, decidirá sobre a perda do mandato dos conselheiros que incorrerem em falta grave, definida no regimento interno.” (NR)

          Ou seja, seu ministro pode tanto nomear como retirar o conselheiro.

          E aí?

          Miguel do Rosário

          23 de maio de 2015 às 12h29

          Claro né, mas pra isso tem de investigar, como está sendo feito.

          Miguel do Rosário

          23 de maio de 2015 às 15h37

          Sim, mas o ministro não criou o Carf

          25 de maio de 2015 às 11h25

          Porra, Miguel!!! Responder alguém que assina antipt é perda de tempo.

          Miguel do Rosário

          25 de maio de 2015 às 13h48

          Tem razão.

    Cynthia

    24 de maio de 2015 às 09h20

    Querido, Anti-PT, seu pseudônimo já tira sua credibilidade. Esconder-se atrás dele já te faz um covarde. Evitar a identificação te tira a humanidade e faz de ti um dos robôs do Aecio. Pode escrever o que quiser. Todos os adjetivos que atribui de forma indecente ao jornalista podem ser indicativo de seus próprios atributos. Sit down over there, Claudia!

    Responder

Marcos Freire

23 de maio de 2015 às 02h46

Cachaca tbm xD

Responder

Renata Mirian Alves Alves

23 de maio de 2015 às 01h19

Descobrir os esquemas tem sido “fácil”!Queremos agora é que se puna os responsáveis e restitua aos cofres públicos o “nosso” dinheiro desviado e/ou sonegado!

Responder

Renata Mirian Alves Alves

23 de maio de 2015 às 01h19

Descobrir os esquemas tem sido “fácil”!Queremos agora é que se puna os responsáveis e restitua aos cofres públicos o “nosso” dinheiro desviado e/ou sonegado!

Responder

Lourdes Neves Vieira

22 de maio de 2015 às 23h04

E dai, não vai dar em nada não tem político do PT envolvido.duvido que o jornalismo ético do Jornal Nacional mostre esta matéria em capítulos como a novela Lava Jato.

Responder

Jairo Moraes Junior

22 de maio de 2015 às 21h58

Responder

    Marcos Freire

    23 de maio de 2015 às 02h45

    Quem fez a figurinha ai nao faz a menor ideia do quw sao milhoes e do que sao bilhoes ne?

    Responder

Daulto Bitencourte Garcia

22 de maio de 2015 às 21h38

Ou a inventada?

Responder

Daulto Bitencourte Garcia

22 de maio de 2015 às 21h37

Interessante que soube dessa operação pela grande mídia. Assim como a zelote. Todos os grandes jornais eletrônicos noticiaram, bem como os impressos. Se o controle social proposto for mais um militante no carf a coisa realmente ficaria feia. O que realmente se entende no Brasil como classe média?. Qual classe média deveria ser isentada de impostos. A inventada pelo PT com ganhos de $1 500,00 mensais ou a verdadeira que está sofrendo horrores com planos de saúde, filhos em escola particular por falta de qualidade na pública, com a falta de creche. É a essa que o articulista se refere?

Responder

    Miguel

    22 de maio de 2015 às 20h45

    Não finja que não entendeu. A mídia sempre dá a notícia. Leia o post. Ó que eu questiono é a maneira de fazê-lo. Não propus botar um “militante” no Carf mas melhorar a sua transparência. E não falo da “classe média” do PT, e sim das faixas que ganham até 10 mil reais ou 20 mil e que poderiam ter seu imposto reduzido se houvesse mais tributo dos super ricos, que ganham dezenas de vezes mais que isso por mês.

    Responder

    Marcos Freire

    23 de maio de 2015 às 02h44

    O articulista em questao vive de enganar os pobres alienados que aqui frequentam…nem ele acredita no que escreve….o importante é o povao acreditar..

    Responder

    Geraldo Neumann

    23 de maio de 2015 às 10h03

    Ambas. Estamos no mesmo barco. A única diferença é que uns Remam o barco e outros servem o capitão. Não nos segregue, que é isso que nos tira a força.

    Responder

    Antonio Clair de Freitas

    27 de maio de 2015 às 22h49

    MEU CARO É FÁCIL PAGAR PLANO DE SAUDE E COLEGIO PARTICULAR E FAZER A DECLARAÇÃO NO IMPOSTO DE RENDA E DEPOIS RESTITUIR TUDO, A NÃO SER QUE VOCÊ SONEGA IMPOSTO NÉ.

    Responder

Pedro Americo Maribondo

22 de maio de 2015 às 21h19

Hora do troco.Quem são mesmo os reais inimigos do Brasil.
A lista é longa,e os nomes de todos golpistas estão no meio. ..Kkkkkkk
Perigo de fuga em massa pra miami.
A vida da cada volta.

Responder

mz

22 de maio de 2015 às 17h16

Quantos ajustes fiscais cabem no montante sonegado até agora? Quanto sobraria para a saúde , educação, segurança e para a redução da própria carga tributária?

Responder

Alexandre Maia Batista

22 de maio de 2015 às 20h14

somente dará resultado o dia em que a POlicia Federal conduzir uma investigação contra os juizes do supremo e todos desse clube da liga da justiça que solta as “zelites”…. ai quero ver de onde irão tirar dinheiro pra pagar a própria toga…

Responder

George Ayres

22 de maio de 2015 às 20h05

e a mídia televisiva escondendo propositadamente a operação Zelotes.

Responder

Alder Oliveira E Silva

22 de maio de 2015 às 20h02

Para boa parte dos brasileiros, sonegação fiscal não é crime e dizem isso claramente em comentários .Isso mostra claramente o ethos torto de nossa sociedade.

Responder

Alder Oliveira E Silva

22 de maio de 2015 às 20h02

Para boa parte dos brasileiros, sonegação fiscal não é crime e dizem isso claramente em comentários .Isso mostra claramente o ethos torto de nossa sociedade.

Responder

Moreira Rodrigo

22 de maio de 2015 às 19h43

Tenho mt orgulho de ser brasileiro, mas tenho nojo da mídia “tupiniquins!!”

Responder

Tiago Borges Dos Santos

22 de maio de 2015 às 19h36

Pena que sabemos que, assim como a Zelotes, vai ser esquecido porque trata-se das “Zelites”…

Responder

Philipe Matieli

22 de maio de 2015 às 19h35

Não pude deixar de reparar no cuidado que os jornalistas escreveram a matéria. Usaram as palavras supostos e suspeitos. Teria que ser sempre assim, mas não vou me iludir. E achei muito acertada a atitude de não paralisar todas as atividades que não são ilícitas. Os trabalhadores não tem culpa. A ver como mais essa investigação de valores volumosos de sonegação vai caminhar. Obrigado pelo seu trabalho, Miguel!

Responder

Vera Tonasse Sina

22 de maio de 2015 às 19h32

Ta faltando a Rede Globo!

Responder

Andre Espínola

22 de maio de 2015 às 19h28

Quero saber quando esses valores irão voltar aos cofres públicos

Responder

Vitor

22 de maio de 2015 às 16h12

Os negócios do Canhedo sempre foram pra lá de suspeitos, a compra da Vasp inclusive!
Espero que dessa vez ele pague pelo que fez…

Responder

Eduardo de Paula Barreto

22 de maio de 2015 às 18h57

.

FHC

FHC perdeu a oportunidade
De deixar para a posteridade
A imagem de ex-presidente
Porque assumiu a postura
De trocar o bônus da clausura
Pelo ônus da exposição deprimente.

Hoje o seu grande enfoque
É ser o principal Black Bloc
Das turbas golpistas
Que promovem a destruição
Para vender a reconstrução
Pelo método PSDBista.

Na teoria ele sabe tudo
Mas basta fazer um estudo
E percebe-se que não sabe nada
Porque FHC só fazia besteiras
Quando se sentava na cadeira
Do Palácio da Alvorada.

Era um Presidente subalterno
Que diante do poder externo
Curvava-se com o pires na mão
E quando a esmola era mixaria
Ele por trocados vendia
As maiores empresas da Nação.

Ele ficará para sempre na história
Como o presidente sem memória
Que perdeu para um pau de arara
Que provou para o mundo inteiro
Que o valente povo brasileiro
Se curou do complexo de vira-lata.

Eduardo de Paula Barreto
22/05/2015

.

Responder

Deixe uma resposta