Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Fui agredido pelo repórter do Estado de S. Paulo

Por Redação

21 de janeiro de 2016 : 14h45

por Ravi Novaes

Ontem após trabalhar o dia inteiro (sou professor), fui para o cruzamento da Rebouças com a Faria Lima participar da manifestação contra o aumento da tarifa de ônibus e metrô. Cheguei atrasado pois o ônibus demorou, mas consegui somar-me ao Ato. A manifestação seguiu para o centro e extendeu-se até aproximadamente 21h30, quando se iniciou a dispersão em frente à prefeitura.

Ao sair da manifestação marquei de tomar cerveja com um casal de amigos que mora no Centro, escolhemos parar na lanchonete Esquina da 7, no encontro da rua 7 de abril com a Dom José de Barros. Por volta das 22h ocupamos uma mesa e pedimos um balde com quatro cervejas.

Abrimos a primeira e pedi um lanche, quando destampamos a segunda, e meu sanduíche estava chegando, vi que algumas pessoas que tentaram pegar metrô na República voltavam: a estação estava fechada e havia muitos policiais no local. Minutos depois ouvimos o que pareceu ser o estouro de uma bomba (não ocorreu em nosso campo de visão), em seguida algumas pessoas chegaram e atearam fogo em sacos de lixo localizados próximos ao nosso local, o que nos fez levantar da mesa na calçada e sentar no degrau de entrada do estabelecimento; alguns clientes entraram na lanchonete apreensivos, mas nós estávamos tranquilos assistindo ao que se passava no cruzamento.

Quando abrimos a terceira garrafa as pessoas que atearam o fogo já haviam saído, mas o lixo continuava a queimar. Alguns clientes foram, aos poucos, voltando para suas mesas, outros permaneceram no interior do prédio. Nós optamos por continuar sentados no degrau, de frente para a fogueira.

Nesse momento, aproximadamente 23hs, chegaram, com diferença de instantes, muitos fotógrafos, para registrar o lixo queimando, e vários policiais. Um sujeito branco, de porte médio, barba clara e aparada veio falar conosco. Tinha nas mãos um bloco de notas e uma caneta. Perguntou se toparíamos dar-lhe uma entrevista para dizer como aquilo começou, ficamos em dúvida até que minha amiga resolveu o dilema perguntando para qual veículo de comunicação era a entrevista. Ao dizer: o Estado de São Paulo decidimos: não daríamos entrevista.

O repórter indignado, perguntou: “só pelo jornal no qual eu trabalho?! “Dissemos que sim, era por isso mesmo. Não satisfeito ele insistiu, então nós e outras pessoas do bar demos qualquer resposta para que ele parasse de nos importunar: “quando vimos já estava pegando fogo”, “foi combustão espontânea, igual no cerrado” alguem disse.

O repórter, furioso, demonstrou (quase) toda sua falta de profissionalismo e nos gritou: “VÃO TOMAR NO CU!” virando então as costas enquanto guardava seu bloco e caneta. Eu, que era o que de nós três estava mais próximo dele (fiquei durante todo o incidente sentado na escada) considerando a entonação, não o conteúdo do grito, uma ofensa, rindo retribui os votos: “vá você tambêm que pode ser bom!”. Então, nessa hora, o repórter do Estado, que depois identificamos ser Bruno Ribeiro, fez meia volta e avançou para me dar um soco no rosto, de cima para baixo (ele estava em pé e eu sentado). Por um resquício de bom senso, que o jornalista até então não havia demonstrado, Bruno Ribeiro, repórter do Estado, parou sua mão a poucos centímetros do meu nariz. Fiquei tão surpreso quanto os demais clientes e funcionários da lanchonete.

Nessa pausa ele se virou rápido e foi embora pisando duro. Ainda tive tempo de parabenizá-lo pela falta de profissionalismo, digna da pior imprensa marrom que há. Quando finalmente me levantei da escada e perguntei pelo repórter, clientes e funcionários do local disseram que ele havia “fugido”.

Abrimos a quarta cerveja e a terminamos enquanto tentávamos entender o quê havia acontecido. Então partimos. Hoje pela manhã (20/01) eu e alguns amigos fomos atrás de identificar o agressor. Conversamos sobre quais as medidas cabíveis que poderíamos tomar; uma de minhas decisões foi escrever este depoimento para expor o ocorrido.

Considerações

Tenho o direito, assim como qualquer cidadão, a recusar entrevista para um veículo de comunicação. Nesse caso eu não queria meu depoimento legitimando a linha editorial, historicamente enviesada, do Estadão na cobertura das manifestações contra os aumentos da tarifa.

Identificamos o repórter agressor, trata-se de Bruno Ribeiro, jornalista do Estado de São Paulo que cobriu o 4º ato contra o aumento “ao vivo”. Sua atitude traz uma postura comum aos detentores de privilégio, que acreditam poder impor suas vontades a base de força física e intimidação. Em meus 12 anos de militância junto a movimentos sociais não me lembro de presenciar ao vivo uma atitude tão arrogante por parte de um jornalista (embora acredite que como Bruno Ribeiro existam vários). O desfecho dos acontecimentos (a intimidação e o soco) apenas reafirmaram o acerto de nossa primeira decisão, de recusar entrevista.

Por fim, dedico este depoimento aos bons jornalistas, tive o prazer de conhecer muitos nesses últimos anos, e aguardo do repórter Bruno Ribeiro e do Estado de São Paulo retratação pública sobre o ocorrido.

Peço a todos que divulguem este depoimento para que fique conhecido o jornalista que protagonizou essa cena patética e assim mais mais pessoas possam precaver-se quanto à conduta infantil, autoritária e anti-profissional que Bruno Ribeiro demonstrou praticar.

Ravi Novaes é Professor formado em Artes Visuais pela USP

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

16 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Elizeu Colonheis

25 de janeiro de 2016 às 20h04

Os baderneiros convocados pelos Ptralhas

Responder

Diogo Lammah

22 de janeiro de 2016 às 18h05

Só acho que já passou da hora desse pessoal começar a pagar pelos seus atos hostis. Que recaia sobre eles uma chuva de processos na mesma proporção de tal atos e que a justiça os faça perceber o que é democracia, respeito, educação e direitos e deveres de um cidadão !!!

Responder

Daniel

22 de janeiro de 2016 às 11h57

Eu teria surrado o “repórter” até ele ter que ser mandado para o hospital de ambulância… É a única forma de “dialogar” com esse tipo de esgoto.

Responder

Lon Martin Wagner

22 de janeiro de 2016 às 08h16

É preciso muito cuidado como os BLACK BOSTAS, contratados por esse pseudo movimento ,

Responder

Marcos Souza

21 de janeiro de 2016 às 23h06

Você é outro bundão tal qual ao petista que depois de quase levar um soco no focinho, demora meia hora para tomar coragem e ir atrás “agressor” e cuja ” medida cabível ” adotada foi juntar amigos para identificar o “agressor” ( ele não teve coragem de ir sozinho) e enviar uma chorosa correspondência aos bloguinhos dos fracassados petistas . Vocês, bundões petistas, são uns comédias, uns calças frouxas ! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Responder

    Daniel

    22 de janeiro de 2016 às 11h58

    Quando alguém pendurar a sua cabeça em uma estaca, você vai chamamá-lo de “frouxo” também? Posso fazer isso com um sorriso no rosto se você quiser. ;-)

    Responder

      avida como ele é

      22 de janeiro de 2016 às 12h12

      ui, que meda, tô chocado!

      Responder

Carlos Valério

21 de janeiro de 2016 às 21h00

Há casa grande baba de ódio #naovaihavergolpe

Responder

Thiago Fernandes

21 de janeiro de 2016 às 20h48

Obrigado.

Responder

Enio

21 de janeiro de 2016 às 17h13

Eleitor coxinha:
http://www.r2cpress.com.br/v1/wp-content/uploads/073.jpg

Responder

walker botelho

21 de janeiro de 2016 às 16h38

Ainda bem que não foi da polícia…. Quem saí para protestar quebrando Banco, ônibus, banca de jornal, metrô e , ainda, jogando pedras e com armas, Vai querer o quê? flores, rosas, cantoria???

Responder

Raimundo Freitas Freitas

21 de janeiro de 2016 às 18h03

Que pena!!!!!!

Responder

Panino Manino

21 de janeiro de 2016 às 15h45

Me expliquem essa agressão que o próprio agredido narra que não aconteceu.

Responder

Maria Albuquerque

21 de janeiro de 2016 às 17h37

É que no ultimo instante de cometer à agressão, ele pensou, vou ser responsabilizado criminalmente e ainda vou perder o emprego, pois o meu patrão não está nem aí.

Responder

    Marcos Souza

    21 de janeiro de 2016 às 23h09

    E o frouxo petista pensou , não vou atrás dele agora não; vou esperar ele sumir , irei atrás dele e como não o encontrarei, vou dizer que ele fugiu ! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder

Ronaldo Junior

21 de janeiro de 2016 às 16h59

A vergonha deles esta subindo p/ cabeça, não vai ter golpe é pior que chamar o pai de careca e a mãe de cabeluda.

Responder

Deixe um comentário