Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

A OAB na contramão da história

Por Miguel do Rosário

29 de janeiro de 2016 : 17h34

Por Francisco Celso Calmon*

“Um Poder Judiciário forte e independente.”

Pelo menos desde 2011 ouço e leio essa assertiva.

Na maioria das posses de presidentes dos Tribunais de Justiça e de alguns ministros do STF, como a de Joaquim Barbosa, encontramos essa proclamação, que, pela constância, virou mantra. E de mantra ao ativismo judicial.

Não é estranho, pelo contrário, esse desejo dos membros do Judiciário, pois há interesses corporativistas, mormente relativos à pecúnia.

O que é estranho é quando parte de um presidente seccional da OAB, como Homero Mafra do ES.

Por que associar o adjetivo forte ao Poder Judiciário?

Se os Poderes são independentes e harmônicos entre si, não cabe adjetivar um. Nem adjetivar todos, pois significaria que não o são, que carecem de força.

Compete ao Poder Judiciário o controle da constitucionalidade e legalidade das leis e dos atos administrativos, oriundos respectivamente do Legislativo e do Executivo, e ainda o eventual papel moderador. É um Poder muito forte, não precisa de adjetivos, seus substantivos já o qualificam. É um Poder forte e não democratizado.

O Brasil não necessita de Poderes mais fortes. A democracia brasileira precisa é do fortalecimento da sociedade civil organizada; carece é de empoderamento popular, ou seja: de mecanismos que permitam que a base da pirâmide social, através de suas organizações, participe ativamente da vida nacional.

A história demonstra o estreito vínculo entre crises econômicas agudas e prolongadas e soluções de força, isto é, regimes totalitários.

O Brasil padece de uma cultura autoritária, a árvore podre da ditadura não teve seus frutos venenosos extirpados e ainda não foi alcançado um modo de ser democrático entre Estado e sociedade.

Numa conjuntura sinistra como a que vivemos, na qual a PF age sem controle, juízes subvertem o devido processo legal, fazendo o papel de acusador e ativismo político, aliadas às lideranças políticas que trabalham para o quanto pior, é assustador fazer apologia da força.

Realizar a posse de seu terceiro mandato, no dia 22 deste, na entidade máxima da elite econômica capixaba, Findes, foi uma escolha infeliz do presidente Homero Mafra, ou uma opção simbólica por uma classe protagonista da precarização dos direitos do trabalho e da juventude?

Recentemente, dia 14 de janeiro, o advogado Marcus Vinicius Furtado Coêlho, como presidente da OAB, enviou uma carta à presidenta Dilma, solicitando providência quanto à criminalidade no país, propondo a federalização da segurança e a criação de um Ministério específico; em seguida, dia 19, lança um Manifesto acusando a falta de legitimidade da presidenta Dilma para aumentar impostos, mais especificamente à criação da CPMF. O manifesto é assinado em nome do Conselho Federal e subscrito pelas: Confederação Nacional da Indústria (CNI), Confederação Nacional do Transporte (CNT), Confederação Nacional da Saúde (CNS) e Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL).

Cabe uma pergunta quanto ao teor da carta e do Manifesto: qual a legitimidade do presidente da Ordem em manifestar opiniões que não foram debatidas pelo corpo de inscritos da entidade?

Durante a ditadura, da qual fui prisioneiro nos anos 1969/70, seus agentes nos prendiam, sem mandato, e desde os primeiros minutos nos torturavam para saber locais de encontro (ponto), de reuniões e estadia de militantes (aparelhos), e nomes de companheiros, ou seja: nos sequestravam já sentenciados. Competia, por meio da sevicia, obter a delação e posteriormente provas para a acusação. Não obedeciam a nenhum prazo ou dispositivo legal. Só obedeciam a uma ideologia fascista e aos seus instintos de perversidade.

Foram muitos anos combatendo a ditadura, muitos tombaram sob tortura, desses, muitos para não delatar, muitas foram as sequelas no corpo, na alma e na história da nação, mas, por fim, conquistamos uma democracia, originalmente frágil. Com o tempo foi-se fortalecendo. No presente corre risco de graves retrocessos.

A OAB que enfrentou à subversão do devido processo legal durante a ditadura, não deveria no presente ficar à margem do que veem passando advogados criminalistas nestes novos tempos de agressão aos direitos humanos. Não deveria ficar silente quando uma charge no jornal O Globo ofende a dignidade da nossa categoria.

A OAB, cujo símbolo daquele período de barbárie e tirania é a sua eterna secretária, Lyda Monteira da Silva, não merece que turvem a sua história.

* Francisco Celso Calmon Ferreira da Silva é advogado (OAB de origem RJ e em 2015 ES), administrador e analista de sistemas. É membro da Rede Brasil – Memória, Verdade e Justiça e ex-prisioneiro da ditadura.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Anônimo

31 de janeiro de 2016 às 22h38

muito bom.

Responder

André Calmon

31 de janeiro de 2016 às 21h58

No alvo. Mas a verdade é que os 3 Poderes estão viciados.

Responder

Enio

30 de janeiro de 2016 às 13h34

A elite criminosa tem MEEEEDO do povo brasileiro com Lula 2018.

Responder

jose carlos lima

29 de janeiro de 2016 às 19h42

O DPI explica:

o Direito Penal do Inimigo, em que o réu é transformado em coisa, em não cidadão e, como tal, destituido de direitos como defesa e presunção da inocência

Sobre Direito Penal do Inimigo publicamos aqui alguns textos

http://www.jornalggn.com.br/resultados?g=direito%20penal%20do%20inimigo

Responder

Irene Alexandria

29 de janeiro de 2016 às 20h54

Belo texto

Responder

Marisia Gomes Figueiredo

29 de janeiro de 2016 às 20h14

Infelizmente o judiciário Está uma vergonha.

Responder

Kakânia

29 de janeiro de 2016 às 19h49

Excelente artigo que nos leva muito a pensar no passado, no presente inseguro e no futuro incerto. Cabe lembrar que antes o Brasil contou com homens brilhantes e justos, verdadeiramente democráticos como um Raimundo Faoro que faz falta hoje, sem correspondente à altura no judiciário brasileiro. Pena.

Responder

Paulo ETV

29 de janeiro de 2016 às 17h40

os poderes são interdependentes e complementares!!!!!!!!!!!!!!!!!!

um poder forte dentre outros desequilibra e cria impasses e desmandos,como estamos assistindo,não sei até quando…

Responder

Deixe um comentário