Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Resistir é Preciso: Documentário em série conta a história da imprensa alternativa na Ditadura Militar

Por Redação

26 de março de 2016 : 03h24

História da imprensa brasileira na ditadura militar é resgatada no documentário Resistir é Preciso, co-produção da TV Brasil com TC Filmes, TVM, e o Instituto Vladimir Herzog

por Carlos Eduardo, editor-assistente do Cafezinho

Está em cartaz no History Channel 2 (ou H2, como é chamado) um documentário em série sobre a imprensa alternativa na ditadura militar: Resistir é Preciso.

Dividido em dez episódios, o documentário é uma produção da TV Brasil, em parceria com a TC Filmes, TVM, e com apoio do Instituto Vladimir Herzog.

Engraçado que só fui saber do documentário assistindo ao H2 e não na TV Brasil, outro canal que assisto regularmente. Provavelmente eles compraram os direitos da série devido a recente lei de TV a Cabo, aquela que obriga os canais estrangeiros a cumprirem uma cota de conteúdo nacional no horário nobre.

Neste aspecto fico feliz em saber que um documentário destes não ficou restrito apenas à TV Brasil. Como a TV Brasil ainda não tem sinal HD, sem dúvida o H2 tem mais audiência e maior alcance.

Fazendo um paralelo com o momento político atual, recomendo a todos este documentário. Hoje vivemos uma ditadura midiática e os blogs progressistas vêm exercendo o mesmo papel que os jornais alternativos desempenharam no passado, durante a ditadura militar, de apresentar outro ponto de vista a opinião pública.

Narrada e apresentada pelo ator Othon Bastos, a série traz depoimentos e material historiográfico de jornalistas que atuaram em três frentes de combate à ditadura militar: a imprensa alternativa, a clandestina e a que atuava no exílio.

PifPaf, Pasquim, Movimento e Opinião são alguns dos jornais alternativos apresentados na série.

Para relembrar e construir essas histórias, Resistir é Preciso conta com depoimentos de grandes nomes do jornalismo da época como: Raimundo Pereira, Juca Kfouri, Laerte, Ziraldo, Audálio Dantas, Paulo Moreira Leite, José Hamilton Ribeiro, Bernardo Kucinsky, Tonico Ferreira, Antonio Candido e tantos outros.

Através deles conhecemos as dificuldades de produção da época, as perseguições da censura militar e a manobras para manter os jornais em circulação.

O primeiro episódio começa em 21 de maio de 1964, somente 51 dias após o golpe militar de 1º de abril, quando o jornalista Millôr Fernandes colocava nas bancas do Rio de Janeiro a revista PifPaf, com colaboradores que formavam a nata carioca dos jornalistas, escritores, intelectuais e cartunistas da época: Sérgio Porto, Rubem Braga, Antônio Maria, Ziraldo, Claudius, Fortuna, Jaguar, etc.

Nos dez episódios da série são citadas quase 100 publicações; desde as mais importantes, como os jornais Pasquim, Opinião e Movimento; passando pelos jornais estudantis, de comunidades e sindicatos; até o Acre, Minas Gerais, Pernambuco e Rio Grande Sul, destacando o papel importante que a imprensa regional e independente desempenhou durante a ditadura militar. Papel este pouco conhecido. Há ainda mais de 50 entrevistas com os protagonistas desta história.

Um documentário imperdível para quem ama jornalismo.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

B.M.

04 de outubro de 2019 às 18h41

Só pelos comentários já percebo como é difícil levar informação às pessoas, elas preferem acreditar apenas no que uma única pessoa diz sobre o Regime Ditatorial do que pegar vários materiais que contam os acontecimentos reais desse período. É maravilhosa essa matéria, cheia de sensibilidade e fato!

Responder

Anônimo

29 de março de 2017 às 01h17

São tudo comunistas, querem distorcer a história. Os militares estavam apenas lutando contra o comunismo no Brasi. Péssimo documentário….

Responder

Dinjo

28 de março de 2017 às 18h52

Bando de nojentos…
Ficam contando vantagens, golpezinhos, rindo, todos espertalhões.

Responder

Betao Oliveira

11 de agosto de 2016 às 18h15

Cambada de comuna !! Viva os militares que salvaram o Brasil dessa raça !! Esses comunas torturaram também !! Na URSS o povo lá não foi torturado ?? E aqui não torturaram ninguém ??? Eram todos bonzinhos ???

Responder

Tesla Alset

27 de junho de 2016 às 19h09

Lamentável essa merda, continuam distorcendo, sorte que tem pessoas que não caem nessas falácias, meias verdades. Coitadinhos deles, bando de safados.

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina