Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

O previsível ataque à Dilma

Por Miguel do Rosário

04 de junho de 2016 : 19h21

[s2If !current_user_can(access_s2member_level1) OR current_user_can(access_s2member_level1)]

(Cartum publicado originalmente na página Cartunistas contra o golpe).

Análise Diária de Conjuntura – 04/06/2016

Diante do crescimento das manifestações contra o golpe e em favor do retorno de Dilma Rousseff à presidência, além das denúncias constantes na imprensa internacional, era previsível que o próximo passo do golpe seria centrar fogo em Dilma. [/s2If]

[s2If !current_user_can(access_s2member_level1)]

***

Para continuar a ler, você precisa fazer seu login como assinante: clique aqui).

Confira aqui como assinar o blog O Cafezinho. Qualquer dúvida, entre em contato com a Thamyres, no assineocafezinho@gmail.com. [/s2If]

[s2If current_user_can(access_s2member_level1)]

Afinal, este é o principal ponto fraco do golpe: enquanto o grupo que assaltou o poder tem problemas graves de imagem, incluindo aí o usurpador Michel Temer, a presidenta mantém a imagem de pessoa íntegra e incorruptível.

Alguns senadores, até então favas contadas em favor do golpe, começaram a dar mostras de que poderiam mudar de lado e voltar contra o impeachment, como Romário e Cristovam Buarque.

Foi o bastante para a grande mídia, núcleo central da inteligência do golpe, se desesperar: daí o manchetão da Globo na capa, inspirado no “furo” de Merval Pereira, sobre o pagamento do cabeleireiro da Dilma com dinheiro da Petrobrás…

Mas não podia faltar, claro, as articulações da Lava Jato, operação que está no centro do golpe. Conforme já escrevi, os políticos que conspiraram para derrubar Dilma agiram como ratos assustados de laboratório, que a Procuradoria Geral da República e a mídia prenderam numa caixa e foram manipulando com chantagens e delações.

A “delação” de Marcelo Odebrecht é mais do mesmo. Chantageado emocionalmente até o limite, Marcelo parece ter cedido ao mesmo jogo sujo ao qual já se renderam outros empreiteiros. Na falta de provas contra Dilma, e contra a campanha dela em 2014, a Lava Jato resolveu criminalizar o caixa 1. O caixa 1 só do PT, claro.

O jogo então é simples: os empresários que doaram à campanha de Dilma serão “convencidos” a dizerem que as doações foram propina. Só as doações para o PT, evidentemente.

9ad20171-3ee1-4f6b-94b1-5541325308ec

Ao cabo, o que importa é como as informações serão veiculadas na mídia. As gravações vazadas de Sergio Machado, assim como as que Sergio Moro vazou de Lula, provam que a Lava Jato conseguiu, de uma forma ou de outra, grampear a comunidade política e o STF.

O tratamento que a mídia, e os próprios vazamentos da PGR, deram, por exemplo, a Marcelo Navarro Ribeiro Dantas, ministro do Superior Tribunal de Justiça, único a ser crítico aos arbítrios da Lava Jato, deixam bem claro que qualquer crítica à operação será criminalizada.

A tentativa de um delegado federal de criar uma investigação, dentro da Lava Jato, para a Lei Rouanet, mostra que a operação enlouqueceu de vez. Qualquer coisa pode ser investigada, desde que isso tenha utilidade política para intimidar críticos ao golpe, como setores da classe artística. Entretanto, como rapidamente ficou patente que os 100 maiores captadores da Rouanet são tucanos ou pró-tucanos, o juiz Sergio Moro desautorizou a iniciativa, embora tenha deixado no ar que a investigação poderá sim ocorrer, mas em processo paralelo.

Para mim, é muito provável que a iniciativa do delegado seja uma pirraça do delegado contra artistas como Gregório Duvivier, que produziu um vídeo zombando dos processos de “delação premiada” da Lava Jato, em que apenas delações contra Lula, PT e Dilma são levadas adiante.

Isso é um fato, porém.

Mesmo nas delações importantes, como a de Sergio Machado, há uma orientação nítida no processo para atingir apenas um lado do campo político. A seletividade é quádrupla: acontece no interrogatório, na transcrição do depoimento, nos vazamentos à imprensa, e na cobertura da imprensa.

Os setores organizados da esquerda identificam os arbítrios combinados de Lava jato e mídia, mas talvez não percebam que a mídia não se importa mais com os protestos do campo progressista: ela age provavelmente com base em pesquisas qualitativas, com objetivo de provocar estragos na imagem pública de Dilma Rousseff principalmente junto às classes menos instruídos, além da classe média raivosa de sempre.

As respostas de Dilma, ainda mais agora que ela não tem mais a estrutura do Planalto, atingem um percentual mínimo da população.

Os erros de comunicação, por sua vez, os mesmos que debilitaram o governo e causaram indiretamente o golpe, persistem: nem Dilma nem o PT estão construindo estratégias para denunciar o golpe no mundo. Um amigo fez uma piada: o Estado Islâmico tem visão estratégia internacional muito superior ao PT, porque possui sites em vários idiomas. O PT, não. Não se sabe ao certo que tipo de público o PT espera atingir com seu site, na medida em que nem o petista entra no site do PT.

O PT deveria, há tempos, ter montado programas ao vivo de TV, com Lula, Dilma, personalidades, com legendas em vários idiomas. Um programa sem carregar muito no símbolo do PT, um programa aberto a outros partidos e outros países, e que se sentisse livre para veicular críticas ao partido e ao próprio governo.

[/s2If]

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

9 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Carlos Alberto Zani

06 de junho de 2016 às 19h07

Assinei o cafezinho no dia 19/05/2016, com periodicidade anual e via Paypal.Na hora de fazer o registro, o sistema estava indisponível. Tentei acessar via login do facebook, mas este emitiu mensagem de que o sistema não estava pronto para esse tipo de login. Já enviei e-mail, tentei o número disponibilizado para Whatsapp, mas não recebi resposta. Quando tento usar o link enviado por e-mail, o sistema informa que esse link está vencido. O que fazer para efetivar minha assinatura e ter acesso ao conteúdo exclusivo? Grato.

Responder

    migueldorosario

    07 de junho de 2016 às 15h11

    Carlos, vou encaminhar seu comentário para o email da Thamyres, no assineocafezinho@gmail.com.

    Responder

      Carlos Alberto Zani

      07 de junho de 2016 às 16h09

      Agradeço, Miguel, mas a Thamyres já resolveu o problema. Abraço!

      Responder

marcos morcerf

05 de junho de 2016 às 02h22

eu tb não consigo acessar, ja logado.

Responder

    migueldorosario

    05 de junho de 2016 às 09h49

    corrigi o teu caso, marcos. Desculpe o transtorno.

    Responder

Linda Maria Antoniazzi

05 de junho de 2016 às 00h02

Uma afronta, um CRIME, contra os meus direitos….como cidadã..!!

Responder

Luís CPPrudente

04 de junho de 2016 às 22h42

Estou logado como assinante, mas não consegui ter acesso à análise de conjuntura do dia 04 de junho, sobre o possível ataque à Dilma.

Responder

Deixe um comentário