Bahia: Refinaria privatizada provoca desabastecimento de Gás de Cozinha

Funcionários do BNDES lançam manifesto contra o arbítrio judicial

Por Miguel do Rosário

16 de maio de 2017 : 14h31

(Foto: Wilton Junior/Estadão)

No Jornal GGN

O manifesto dos funcionários do BNDES contra o juiz Ricardo Leite

SEG, 15/05/2017 – 22:34
ATUALIZADO EM 16/05/2017 – 13:55

Carta Aberta à Diretoria do BNDES

Na sexta passada, 12/05/2017, 37 funcionários do BNDES, incluindo uma colega grávida de 39 semanas, foram vítimas de conduções coercitivas e tiveram seus domicílios devassados pela Policia Federal, no âmbito de investigação sobre operações do BNDES com o Grupo JBS.

A Associação de Funcionários do BNDES manifesta plena solidariedade e se coloca à disposição dos colegas que sofreram essas arbitrariedades – levados de forma ilegal e violenta, e, expostos em rede nacional com danos às suas imagens e reputações. Testemunhamos serem profissionais honestos e competentes que sempre cumpriram rigorosamente suas obrigações pensando no interesse público e no desenvolvimento econômico e social do País.

Cabe ressaltar que não houve prévia intimação aos funcionários do BNDES, os quais sempre estiveram e continuam dispostos a prestar todos os esclarecimentos perante as autoridades. E, também, que nenhum dos funcionários do BNDES esteve ou está recalcitrante a elucidar os fatos e instruir o processo acerca dos critérios técnicos e demais circunstâncias para a operação de participação acionária investigada ou qualquer outra operação realizada pelo Banco.

Tendo em vista que o Código de Processo Penal (CPP) prevê a possibilidade de uso da condução coercitiva apenas se o acusado ou a testemunha não atender à intimação para o interrogatório, entendemos que as conduções coercitivas sofridas pelos funcionários do BNDES no dia 12 de maio de 2017, aplicadas ainda na fase de investigação, configuraram violação da lei, ferem preceitos fundamentais garantidos pela Constituição Federal e devem ser submetidas ao controle judicial.

Consideramos absurdas as tentativas de criminalização das atividades do BNDES, como Banco de Desenvolvimento, e a responsabilização pessoal dos funcionários, que realizaram e realizam suas funções dentro da legalidade, de acordo com suas atribuições, respeitando normas, ritos, processos de análise sempre validados por instâncias colegiadas e orientados pelos valores do BNDES: ética, espírito público, compromisso com o desenvolvimento e excelência.

É a primeira vez nos 65 anos de existência do BNDES que isso ocorre! Os funcionários estão naturalmente inseguros em realizar seu trabalho profissionalmente. Essa situação se não for revertida poderá trazer graves prejuízos à economia brasileira, pois, caso não contem com adequadas garantias e salvaguardas ao exercício de seu trabalho os empregados poderão paralisar suas atividades.

Há três anos o BNDES é alvo de diversas investigações, em que se propagam acusações pouco especificadas e inconsistentes. Uma Comissão Parlamentar de Inquérito foi conduzida sem que nada de irregular fosse encontrado na atuação do BNDES. A cada dia que passa fica mais patente que os órgãos de controle desconhecem completamente os mecanismos de funcionamento do BNDES e do mercado de capitais. As imprecisas, e incorretas, considerações feitas pelo Tribunal de Contas da União sobre operação da BNDESPAR com o Grupo JBS são divulgadas com estardalhaço pela mídia, o que contribui para distorcer a verdade e para agravar as injustiças cometidas, com profissionais competentes e dedicados.

A AFBNDES reafirma seu repúdio à corrupção. Nossa crítica não é a essa investigação, ou a qualquer outra que se faça. A atuação do BNDES é transparente e a entidade presta contas à sociedade permanentemente. O que se critica é a inexistência de razões para incriminar a instituição e seus servidores, e a mentirosa veiculação dos fatos e a arbitrária condução coercitiva de dezenas de servidores do BNDES.

Diante da injustiça, a indignação tomou conta dos funcionários que, em resposta a arbitrariedade sofrida, desceram ao térreo, espontaneamente, em solidariedade e apoio aos colegas desrespeitados pela violência que lhes foi perpetrada e para manifestar o orgulho em ser benedense e defender a instituição em que trabalham.

Por essas razões, cobramos a necessidade de uma posição firme, decidida e contundente da Presidente do BNDES, da Diretoria e do Conselho de Administração pela correção dos procedimentos de investigação e em defesa dos funcionários e da instituição.

Em primeiro lugar, o posicionamento firme e decidido da Diretoria é imprescindível para dissuadir da possibilidade de que conduções coercitivas e devassas domiciliares contra funcionários do BNDES venham a se repetir de forma desnecessária, injustificada e arbitrária.

Em segundo lugar, é fundamental o esclarecimento e a correção das informações equivocadas sobre a atuação do BNDES que circulam na imprensa e na mídia, repetidas a exaustão até se tornarem verdades para a população. Como sugestão, a Diretoria do Banco pode solicitar ao grupo JBS a abertura de sigilo destas operações e realizar seminários técnicos abertos à mídia e a população em geral no Auditório Arino Ramos.

E que fique claro, o repúdio a condutas ilegais e arbitrárias – e a busca firme e sem concessões da verdade e da fidelidade aos fatos – não é afronta; é dever de todo e qualquer cidadão consciente e responsável.

Também cobramos do Governo Federal iniciativas em defesa de nossas instituições públicas e dos procedimentos legais e democráticos. É assim que podemos colaborar para o engrandecimento de nosso País.

Essa colaboração, porém, também deve estar integrada à ação das autoridades e dos órgãos competentes de investigação. São todos, como o BNDES, instituições com agentes públicos que devem proceder com correção em suas atividades e no estrito cumprimento das leis brasileiras.

No dia 12 de maio de 2017, que consideramos um marco em nossa história, reagimos com indignação e manifestamos nossa união e nosso orgulho em trabalhar pelo desenvolvimento econômico de nosso País.

A mobilização precisa continuar. Estamos em estado de Assembleia Permanente, em vigília, para observar as ações e os desdobramentos do episódio da última sexta-feira, até que nossas legitimas preocupações sejam encaminhadas e resolvidas satisfatoriamente.

AFBNDES

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

30 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Ailton

23 de julho de 2017 às 23h30

Mas por quê nenhum funcionário jamais fez denúncia, mesmo que anonimamente, da corrupção que rola no BNDES?
Vai me dizer que nenhum deles sabia?

Responder

Jose Manoel Martins

17 de maio de 2017 às 15h52

E quanto destes funcionários apoiaram o impedimento de Dilma? Quantos destes aplaudiram os vazamentos seletivos das delações contra Lula? Quantos destes querem ver o PT pela costas? Me desculpem, mas provaram o próprio veneno

Responder

Eduardo De Melo Machado

17 de maio de 2017 às 17h47

O que foi? Os petralhas estão com medo do que vem aí do BNDES?

Responder

Maria Aparecida Fernandes Da Silva Kato

17 de maio de 2017 às 14h42

E bem o retrato da sociedade, e do que estamos vivendo hoje ! Só vão pra eu ando

Responder

Luis Girard

17 de maio de 2017 às 05h31

Choraram as negas mas não vão processar o juiz?

Responder

Eliza M. Saraiva Crato

17 de maio de 2017 às 03h09

Queremos Lula presidente

Responder

Vera Prates

17 de maio de 2017 às 01h45

Aposto que quando era só com Lula a maioria estava aplaudindo.
E que sirva de exemplo para quem ainda curte as arbitrariedades contra Lula!

Responder

Luiz Henrique Zaidan

17 de maio de 2017 às 01h03

Foda-se

Responder

Emmanuel Andrade

17 de maio de 2017 às 00h17

Solidariedade a todos os perseguidos por juízes e polícia fascistas!

Responder

Flavio Carvalho

17 de maio de 2017 às 00h07

INTERTEXTO

Primeiro levaram os negros
Mas não me importei com isso
Eu não era negro

Em seguida levaram alguns operários
Mas não me importei com isso
Eu também não era operário

Depois prenderam os miseráveis
Mas não me importei com isso
Porque eu não sou miserável

Depois agarraram uns desempregados
Mas como tenho meu emprego
Também não me importei

Agora estão me levando
Mas já é tarde.
Como eu não me importei com ninguém
Ninguém se importa comigo.

Bertolt Brecht

Responder

Laercio Ferreira

16 de maio de 2017 às 23h33

OS DEMENTES DA PF (PRATO FEITO) , COORDENADO PELO PSICÓTICO DO GOVERNO FEDERAL ,ATACAM OS SERVIDORES PÚBLICOS DO BNDES BANCO ESTATAL EM VIA PRIVATIZAÇÃO COM UMAS CONDUÇÃO COERCITIVA COLETIVA DE CAMBURÃO,ATÉ A DELEGACIAS , E OS PARLAMENTARES ACUSADOS DE CORRUPÇÃO DA LISTA DO FASCI/JANOT , CONTINUAM SOLTOS, NA EMPRESA TRANSNACIONAL DO CONGRESSO ? SEM TEREM CONDUÇÃO COERCITIVA DE A CAMBURÃO , POIS TEM IMUNIDADE E FORO ESPECIAIS?/

Responder

Mariuza Bezerra

16 de maio de 2017 às 23h27

ABUSOS ??? Cadê a lei contra abusos?

Responder

Mario Oliveira

16 de maio de 2017 às 23h17

Aposto que muitos deles bateram panela contra o governo legítimamente eleito.

Responder

Monica Marques

16 de maio de 2017 às 23h09

Não adianta chorar!!
Vão “m” no ventilador!!
Aguarde!

Responder

Tania Nunes

16 de maio de 2017 às 23h06

Dia 24/05/ 17… Brasília vai parar !!!
#OcupaBrasília

Responder

Tiago Braga Cavalcanti

16 de maio de 2017 às 22h28

São todos comunistas vagabundos.

Responder

Ausônia Schelini

16 de maio de 2017 às 22h27

Petistas apavorados com a devassa no BNDES, kkk

Responder

    Jânia R Cabral

    16 de maio de 2017 às 23h17

    Meu Deus! Vc ainda não entendeu o q está acontecendo?

    Responder

    Jânia R Cabral

    16 de maio de 2017 às 23h18

    Estude. Informe-se.

    Responder

    Jânia R Cabral

    16 de maio de 2017 às 23h18

    Vc não sabe o q essas pessoas estão perdendo?

    Responder

    Gerson Pompeu

    17 de maio de 2017 às 01h20

    O BNDES nunca lucrou tanto quanto na gestão do PT.

    Responder

    Suzana Vaz

    17 de maio de 2017 às 01h52

    Esses burros só pensa no PT! Aff

    Responder

    Dantis Wal

    17 de maio de 2017 às 02h24

    A mensagem que o PT tem que passar pra sociedade em todos discursos seria esse ,..
    A lava jato caiu do cavalo, foi criada pra destruir o P´T, depois de 3 anos de caçada ,não encontrou propinas em contas de NENHUM PETISTA,, diferentemente dos “!MANOS”, com contas em paraisos fiscais, A operação tenta jogar pra platéia que o PT é a ORCRIM,como não tem cerebros caem como patinhos na lavagem cerebral.
    EMILIO ODEBRECHT já disse que operavam assim a 30 anos,. Ou o doutor vai ter a cara de pau de condenar por TESES E CONVICÇÕES,??
    ???????

    Responder

    Ausônia Schelini

    17 de maio de 2017 às 03h05

    Topa um desafio? Veremos quem não estudou e precisa se informar! ???

    Responder

    Ausônia Schelini

    17 de maio de 2017 às 03h08

    Se operavam assim antes, a obrigação do PT ao chegar ao poder era MUDAR!!! Tiveram 13 anos para fazer isso!!! Entendeu ou quer que eu desenhe?

    Responder

Deixe um comentário