O Cafezinho

quinta-feira

4

janeiro 2018

25

COMENTÁRIOS

Exclusivo! América Latina absorve quase 70% das exportações norte-americanas de óleo diesel

Escrito por , Postado em Redação

(Na imagem, Jane Harman, presidente do Wilson Center, agradece a presença de Sergio Moro no instituto. Harman é membro destacada da comunidade de inteligência dos EUA. É apreciada, em especial, por seus serviços prestados à CIA. )

A minha tese é muito simples.

Os Estados Unidos gastaram alguns trilhões de dólares no oriente médio, destruindo países e operando golpes, para ampliar o seu controle sobre a oferta mundial de petróleo.

Conseguiram.

Com a oferta garantida, era o momento de assegurar a demanda.

Ao mesmo tempo que controlava o oriente médio, o Tio Sam incrementava a sua própria produção, através de seus campos no golfo do México, no Alasca e no Texas, onde iniciou a extração do chamado petróleo de xisto, de alto custo econômico e ambiental.

Mas aí surgiram alguns problemas para a multibilionária indústria do petróleo:

  1. Há estagnação do consumo de derivados de petróleo nos EUA, e não apenas por causa da crise econômica de 2008,  mas porque os americanos não tem mais como elevar a sua demanda, por já ser alta demais.
  2. Queda das cotações internacionais do petróleo. A queda foi articulada, possivelmente, por uma operação especulativa casada entre Casa Branca, Wall Street e Arábia Saudita, para debilitar a Opep, a Rússia, a Venezuela, o Irã. Ou seja, todos os inimigos do império. De quebra, a queda nas cotações ajudaria a descapitalizar a Petrobrás justamente no momento em que ela precisava de recursos para investir em refinarias. As petroleiras privadas internacionais, caso tivessem acesso à informação privilegiada de uma operação desse porte, resistiriam aos preços baixos com relativa tranquilidade, através de hedges nas bolsas. Aliás, essas petroleiras já pertencem, em boa parte, a fundos internacionais. De qualquer forma, o preço baixo do petróleo, com hedge ou não, representa um problema para o setor.
  3. Um problema real enfrentado pelas refinarias norte-americanas era a decisão, do Brasil, de construir suas próprias refinarias, sinalizando que o país iria reduzir drasticamente suas importações de derivados e, possivelmente, vir a se tornar um exportador importante de produtos derivados de petróleo.

As soluções não tardaram a aparecer.

No Brasil, a Lava Jato, liderada por operadores inteiramente submetidos, e nem importa se eles tem ou não consciência disso, aos interesses das multinacionais, surge como uma oportunidade brilhante para a indústria norte-americana de petróleo. O Wilson Center, think tank vinculado à comunidade de inteligência norte-americana, imediatamente começou a organizar eventos em Washington nos quais entoava louvores à operação comandada por Sergio Moro. E toda a máquina do soft power financiado pelo Departamento de Estado e corporações de petróleo entrou em ação: os prêmios internacionais à Lava Jato vem todos daí.

Afinal, o que está em jogo são centenas e centenas de bilhões de dólares em exportações de derivados de petróleo, e o Brasil é maior mercado da América Latina.

A estratégia deu certo. As importações brasileiras de óleo diesel quase dobraram, em valor, em 2017, atingindo quase US$ 6 bilhões. E quase tudo agora está vindo de refinarias situadas em território americano, como aquelas pertencentes aos Irmãos Koch.

Deu certo no Brasil e em toda a América Latina, cuja participação nas exportações norte-americanas de derivados, que sempre foi grande, em torno em torno de 50% a 60%, cresceu para quase 70% em 2016.

Em agosto de 2015, numa das dezenas de palestras que dava em toda a parte (não se sabe como tinha tempo para trabalhar), Sergio Moro falava, com ódio, sobre a construção da refinaria Abreu e Lima, um dos poucos projetos da Petrobrás que tiveram sorte de escapar da fúria lavajateira – daí a razão de seu rancor.

Moro dizia que um dos “colaboradores” da operação (um pobre coitado dedo-duro preso em suas masmorras) lhe tinha dito que “dizia-se” nos corredores da Petrobrás que a refinaria “não se pagava”. Moro faz um movimento com as mãos no ar, como um filósofo imerso em pensamentos importantes, e se pergunta se a decisão de construir refinarias no Brasil não seria motivada para gerar propinas. Em seguida, ele admite que a Lava Jato poderia causar transtornos à economia, mas que, ao final, todos seriam beneficiados.

No acumulado de quase quatro anos de 2014 até outubro de 2017, segundo fontes oficiais do governo americano, os Estados Unidos exportaram um total de 309 bilhões de dólares em derivados de petróleo, o que daria quase 1 trilhão de reais.

Para efeito de comparação, a exportação brasileira de minério de ferro, nosso principal produto de exportação, gerou cerca de US$ 20 bilhões em 2017.

O Brasil é o maior exportador mundial de ferro.

A mídia brasileira e seu exército de idiotas tinham feito uma enorme campanha de difamação contra a Petrobras e a sua decisão de adquirir a refinaria de Pasadena, sem jamais oferecer ao público as informações mais elementares: a de que a principal dependência do Brasil em termos de comércio exterior são derivados de petróleo, ou seja, justamente os produtos que poderiam ser fabricados em refinarias como Pasadena, no exterior, ou em nossas próprias refinarias, como aquelas que a Petrobrás vinha construindo, antes da estratégia ser abortada pela Lava Jato.

Hoje, a imprensa brasileira, à serviço de lobistas internacionais, tenta vender à opinião pública que os R$ 10 bilhões que a Petrobras irá pagar para investidores norte-americanos, num processo inteiramente fraudulento, sendo que apenas o escritório de advocacia que moveu a ação, sozinho, irá ganhar mais de R$ 2 bilhões, é um “bom negócio”, e que a estatal teve “sorte”.

Doar R$ 10 bilhões para fundos abutres, não tem problema. Adquirir uma importante refinaria em Pasadena, no núcleo nervoso da trilionária indústria de petróleo? Absurdo!

Para isso serve a Petrobras em mãos dos entreguistas: para gastar milhões com publicidade inútil na Globo e demais órgãos da mídia nativa, para enriquecer escritórios estrangeiros e seus clientes, e não mais para financiar pesquisas em ciência e tecnologia, como fazia no tempo de Sergio Gabrielli.

Mesmo com o aumento da participação do petróleo cru na exportação norte-americana, a presença do produto refinado ainda é hegemônica.

Em 2017, até outubro, os EUA haviam exportado um total de US$ 110 bilhões em petróleo e produtos, sendo que 57% foram vendidos na forma de derivados. Em anos anteriores, a média da participação dos derivados na exportação americana de petróleo tinha sido ainda maior, entre 65% e 70%.

Já o Brasil pós-golpe está apostando na exportação apenas do produto cru, sem refino.

Com o pré-sal e o aumento da produção brasileira, a exportação do petróleo cru vem crescendo nos últimos anos, ao passo que tanto a produção como a exportação de seus derivados permanecem estagnadas.

Enquanto a exportação brasileira de petróleo cru aumentou 65% em 2017, sobre o ano anterior, a venda de gasolina ao exterior caiu 20%.

A exportação de óleo diesel até que cresceu, 34%, sobre o ano anterior, mas ainda representa 1,1% do total das exportações brasileiras de petróleo, e gerou apenas US$ 207 milhões.

Ocorre que, em 2017, como já dissemos acima, o Brasil importou US$ 5,6 bilhões em óleo diesel, aumento de 94% sobre o ano anterior!

Com o aumento das cotações internacionais do petróleo e seus derivados, a estratégia da gestão golpista da Petrobrás, de paralisar a produção de suas próprias refinarias, e de não mais construir unidades de refino, irá pesar cada vez mais em nossa balança comercial, e ao invés de importar serviços de tecnologia e máquinas modernas, para atualizar o nosso parque industrial, gastaremos cada vez mais divisas comprando oleo diesel e gasolina de refinarias do Texas.

 

 

 

 

 

 

 

 

quinta-feira

4

janeiro 2018

25

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

25 COMENTÁRIOS

  1. Luciana
    • Luciana
      • Pedro Cândido Aguarrara
  2. gonçalves
    • gonçalves
  3. Marcos
    • leonardo-pe
  4. reed
  5. Regina Maria de Souza
  6. Cláudio
  7. Cláudio
  8. Cláudio
  9. Pedro Cândido Aguarrara
  10. Hejon
  11. Jane
  12. Layz
  13. Claudio da Silva
  14. Rudmar Luiz Pereira dos Santos
  15. Ferreti
Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com