Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Geraldo Alckmin e Jair Bolsonaro no clube da Aeronáutica, no Rio - 22/08/2006 - Gustavo Stephan / Globo

Ibope: análise das intenções de voto para presidente em São Paulo

Por Miguel do Rosário

21 de agosto de 2018 : 18h00

O Ibope divulgou há pouco o relatório completo da pesquisa em São Paulo.

Para variar em relação aos posts anteriores, vamos inverter a ordem. Comecemos analisando o cenário com Fernando Haddad no lugar de Lula.

Neste cenário, o líder é Bolsonaro 22%, seguido de Alckmin 15%, Marina 10%, Ciro 8% e Hadadd 5%.

O que me chama atenção, de início, é o desempenho medíocre de Haddad em seu próprio estado, onde exerceu o cargo de prefeito da capital.

A melhor pontuação de Haddad é na capital, onde tem 7%. Na periferia, Haddad cai para 5% e no interior, 4%.

Outro fato que chama atenção é a debilidade de Geraldo Alckmin no estado que governava até semanas atrás.

O tucano tem 15% na média do estado; na capital, porém, tem 12%.

Ciro Gomes obtém sua melhor pontuação na capital, 12%, empatado com Alckmin e à frente de Marina, com 8%.

Ciro dobrou sua votação na capital, pois tinha 6% na pesquisa Ibope divulgada no início de agosto, mas a queda na periferia, de 8% para 4% fez com que sua média permanecesse a mesma.

 

Na estratificação por renda, o destaque vai para Bolsonaro, que tem uma concentração grande de seu eleitorado entre os que ganham renda familiar acima de 5 salários. O capitão tem 32% nesse segmento, contra 12% de Alckmin, 8% de Ciro, e 5% de Marina.

Entre os eleitores mais pobres, que ganham até 1 salário, o mais forte é Geraldo Alckmin, que tem 17%, contra 14% de Marina,  11% de Bolsonaro, 8% de Ciro e 6% de Haddad.

 

Na estratificação por escolaridade, os candidatos que foram melhores entre os eleitores mais instruídos, com ensino superior foram, por ordem, Bolsonaro 27%, Alckmin 12%, Ciro 10%, Marina 7% e Haddad 5%.

 

****

Agora passemos ao cenário com Lula.

O ex-presidente tem um desempenho impressionante entre a população de baixa renda do estado. Entre eleitores com renda familiar até 1 salário, Lula tem 38%, um número que abafa completamente todos os outros candidatos: neste mesmo segmento, Alckmin tem 13%, Bolsonaro 10%, Marina 7% e Ciro 3%.

Mesmo entre eleitores com renda acima de 5 salários, segmento onde tem seu pior desempenho, Lula pontua 15%, acima de Geraldo Alckmin, que tem aí 14%, mas fica muito atrás de Jair Bolsonaro, que atinge 31% entre os eleitores mais abonados.

Considerando apenas o eleitorado feminino, a liderança de Lula em São Paulo é absoluta: 27%, contra 13% de Bolsonaro e 11% de Geraldo Alckmin.

Na estratificação por raça, ou cor de pele, a pesquisa Ibope mostra que Lula é o candidato dos pretos/pardos, segmento onde ele lidera isoladamente com 32%, contra 18% de Bolsonaro, 12% de Alckmin e 7% de Marina.

Na capital, Lula tem 26%, contra 19% de Bolsonaro, 10% de Alckmin, 8% de Ciro e 6% de Marina.

O único segmento onde Boulos escapa do monótono 1% é na periferia, onde tem 2%.

Observação: São Paulo é um estado rico, em relação ao país. Os mais pobres, que ganham até 1 salário de renda familiar, representam apenas 14% da população, ao passo que os eleitores com renda acima de 5 salários correspondem a 21%.

 

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

16 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Carlos Roberto Honorio da Silva

13 de outubro de 2018 às 07h08

Impressiona-me a performance de Lula no estado mais hostil ao PT. Isso mostra que se o candidato fosse LULA, seria eleito no primeiro turno. Por sinal Haddad ganhou a prefeitura em São Paulo graças ao prestígio de Lula.

Responder

Alan Cepile

22 de agosto de 2018 às 10h18

Reparem na impressionante transferência de votos no cenário sem Lula.

Só que não pro Haddad, é pra BOLSONARO… 10% para 31%

A “hegemonia” não consegue controlar sequer o próprio eleitor….

Responder

    Carlos Roberto Honorio da Silva

    13 de outubro de 2018 às 07h10

    Se soubessem como irão se decepcionar!!!!!

    Responder

Leonardo Torres

22 de agosto de 2018 às 08h25

Porque se preocupar com pesquisa para presidente só no estado de são paulo, se para presidente é nacional. Daqui a pouco vaõ divulgar a pesquisa
em sp por rua.

Responder

    Alan Cepile

    22 de agosto de 2018 às 10h22

    Maior colégio eleitoral do país, mais que o dobro de eleitores do segundo, MG.

    Responder

Stalingrado Lula da Silva

22 de agosto de 2018 às 06h44

http://www.tijolaco.com.br/blog/simpatia-pelo-pt-e-do-povao-vai-a-29-e-nao-vai-transferir-para-haddad/
#HaddadNoGovernoLulaNoPoder

Responder

    André Romero

    22 de agosto de 2018 às 11h58

    Exercício de futurologia e Chutologia de um jornalista cujo blog trabalha exclusivamente para o PT. Simples assim.

    Responder

Stalingrado Lula da Silva

21 de agosto de 2018 às 20h59

Estranho mesmo é Alckmin , governador do estado de São Paulo há vários mandatos num Estado governado pelo PSDB desde o milênio passado, ter 15% de votos contra 22% de Bolsonaro.
Além do mais, Alckmin tem 100% de apoio da Globo, FSP e Estadão.
Haddad ter 5% não espanta neste cenário.
O esforço de Miguel para defender Ciro é hilário.
#HaddadNoGovernoLulaNoPoder

Responder

    Ulisses

    21 de agosto de 2018 às 21h40

    Rapaz deixe de ser lunático. O Miguel basicamente colocou apenas dados nesse post

    Responder

    Jorge Juca

    21 de agosto de 2018 às 22h31

    Aliás, desculpe te perguntar um troço: o que raio é que Stalingrado tem a ver com o Lula? Você acha que no Exército Vermelho colocariam o Henrique Meirelles ou o Joaquim Levy para comandar um grupo de divisões? Você acha que no Exército Vermelho entregariam o controle da logística ao Eduardo Cunha, ou o controle da indústria de guerra ao Michel Temer? Você acha que no Exército Vermelho entregariam centenas de bilhões de lucro aos banqueiros, enquanto o povo ainda passa fome no Brasil? Ou você acha que algum marechal do Exército Vermelho recebeu triplex na praia de presente dos norte-americanos ou dos alemães?

    Que Bosta é que Stalingrado tem a ver com Lula???

    Responder

      Maria alice

      11 de setembro de 2018 às 14h17

      Muito bem perguntado. Parabéns!

      Responder

    André Romero

    21 de agosto de 2018 às 22h36

    O que é hilário é ver um teleguiado como você nem saber interpretar uma pesquisa.
    Mais hilário ainda do que seu comentário é ver o ridículo índice de Haddad no seu próprio Estado e na cidade que governou, saindo escorraçado no 1o turno para um embuste chamado Doria. E que está com um índice bem abaixo de Ciro, que jamais exerceu qualquer cargo em São Paulo.
    E é esse camarada que o PT escolheu para dividir as esquerdas em nome do seu monopólio, que não pode ser contestado. E que se dane os eleitores.
    Pensando bem, isso não é hilário. É trágico.

    Responder

    Alan Cepile

    22 de agosto de 2018 às 10h24

    O sonho desses lulistas xiitas é ver O Cafezinho virar 247…

    Responder

      Carlos Roberto Honorio da Silva

      13 de outubro de 2018 às 07h13

      Não é preciso. Deixe o cafézinho como está. Nós temos GGN, Pragmatismo político, Viomundo, Click política, Midia Ninja, Filosofiaetecnologia, e muuuuuiiiito mais. O PT tem cultura para oferecer.

      Responder

Guimarães Roberto

21 de agosto de 2018 às 20h44

A classe mais favorecida financeiramente que apoia Bolso, o faz achando que, se eleito, permitirá o extermínio dos menos favorecidos, e à bala de preferência. É o ódio de classe falando mais alto.

Responder

CezarR

21 de agosto de 2018 às 18h54

Putaquepariu o Haddad cai na periferia? Infelizmente o Hadadd se alinha ao que o Jessé de Souza define como “esquerda Estocolmo”

Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?