Randolfe Rodrigues no Jornal da Gazeta

Metalúrgicos ensinam partidos a fazer política

Por Redação

15 de janeiro de 2019 : 14h13

Aí sim.

Essa é uma ação política. Entrar na justiça para perder não adianta nada. Ao contrário, talvez até atrapalhe, porque expulsa a política do debate, o que interessa à direita, hoje amplamente identificada com este falso tecnicismo da burocracia jurídica.

***

Na Rede Brasil Atual

Metalúrgicos buscam conversa com governo para barrar venda da Embraer

De acordo com professor de Economia da Unicamp, o negócio envolvendo as duas fabricantes é um exemplo de falta de visão de futuro e de projeto para o país

por Redação RBA
publicado 15/01/2019 14h04

São Paulo – Para o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos (SP), a operação envolvendo a Embraer e a Boeing é um crime de lesa-pátria. Nessa segunda-feira (14), funcionários da fabricante brasileira de aviões estiveram em Brasília e participaram de audiências com representantes da governo. O objetivo é tentar convencê-los a não realizar a venda.

O acordo, defendido pelo presidente Jair Bolsonaro, implica na criação de uma joint venture, que consiste na criação de uma nova empresa a partir das duas companhias.

Segundo as normas do acordo, a Boeing passaria a controlar 80% do novo negócio, deixando a empresa brasileira com 20%. Após os dez anos de duração da joint venture, a companhia americana teria direito à compra dos 20% da Embraer.

O presidente do sindicato, Weller Gonçalves, afirma que não se trata de fusão, mas de “entrega de patrimônio nacional”. “O próprio presidente da Embraer disse que a empresa tem condições de sobreviver sem a fusão. Nos últimos três meses, eles venderam mais de 100 aeronaves”, afirma ao repórter Cosmo Silva, da Rádio Brasil Atual.

De acordo com o professor de Economia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) Guilherme Mello, o negócio envolvendo as duas fabricantes é um exemplo de falta de visão de futuro e de projeto para o país. Ele lembra que a Embraer ganhou destaque na última década como uma empresa de sucesso no cenário internacional da aviação civil.

“Se não queremos ser um país de pesquisa e que compete internacionalmente, vamos ser um exportador de carne e soja? Isso basta para uma nação pequena, mas para nós, não. Isso mostra a falta de ambição, desde o governo Temer para cá. Venderam os ativos da Petrobras, agora a Embraer”, critica.

Weller Gonçalves reiterou que a categoria está mobilizada em defesa da Embraer e pela suspensão do negócio. “Somos os representantes legítimos dos trabalhadores, que os elegeram, então eles devem nos reconhecer”, afirma.

Em ação civil pública, os trabalhadores argumentaram que a transação entre a Boeing e a Embraer fere a Lei das Sociedades Anônimas e que o negócio entre as empresas não se trata de uma joint venture, mas da venda do braço mais rentável da fabricante brasileira.

Ouça a reportagem da Rádio Brasil Atual:

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Samuel

16 de janeiro de 2019 às 23h37

Tremenda perda de riqueza e soberania nacional, dificultando ainda mais a possibilidade de uma independência tecnológica do Brasil. Perda esta iniciada, diga-se, pelo vice da Dilma, apontado pelo sapo barbudo!

Responder

Sindicalista Sangue-suga

15 de janeiro de 2019 às 23h42

A empresa já é privada e não cabe ao estado interferir nos seus negócios. Alem do mais, ela nao terá força para fazer frente à Bombardier, uma vez que esta uniu-se à gigante Airbus. A joint venture com a Boeing irá alavancar suas vendas e dar-lhe força para enfrentar os concorrentes asiáticos. O que os sindicalistas temem mesmo é perder as boquinhas.

Responder

    Berimbau

    16 de janeiro de 2019 às 14h49

    Deixa de ser idiota !

    Responder

    Samuel

    16 de janeiro de 2019 às 23h45

    Sobre ela ser privada… justamente por isso que criaram a Golden Share, a fim de proteger o interesse público embutido na empresa! Quanto à concorrência, acho sua visão pessimista. A Embraer é a 3 maior fabricante do mundo, com aviões de médio porte mais competitivos e avançados que as concorrentes. Além disso temos o kc90 e o grippen. Essa venda fere o nosso interesse nacional de forma flagrante.

    Responder

Deixe uma resposta

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com