Haddad no Ceará, ao vivo

Foto: CEBC

FGV firma parceria com Conselho Empresarial Brasil-China

Por Redação

07 de fevereiro de 2019 : 19h46

No site da FGV

Núcleo de Estudos Brasil-China da FGV Direito Rio e CEBC firmam Acordo de Cooperação Científica e Acadêmica

No último dia 30, o Núcleo de Estudos Brasil-China da FGV Direito Rio e o Conselho Empresarial Brasil-China (CEBC) firmaram um Acordo de Cooperação Científica e Acadêmica com o objetivo de desenvolver estudos e análises sobre a China e sobre a relação entre os dois países. A assinatura do acordo foi realizada na presença do Vice-Diretor da Escola, Antonio Maristrello Porto, o Coordenador do Núcleo de Estudos Brasil-China, Evandro Menezes de Carvalho, o Presidente do CEBC, Embaixador Luiz Augusto de Castro Neves, e o Diretor Roberto Fendt.

O acordo tem como ênfase o estudo das questões jurídicas da China e da relação Brasil-China, compreendendo a dimensão das empresas e das instituições estatais e do partido. “Esta parceria nasce a partir da compreensão da relevância que as questões jurídicas passaram a ter na relação sino-brasileira dado o volume de negócios entre os dois países e, também, em razão da evolução do Estado de Direito na China assumida pelo governo chinês como política primordial para o desenvolvimento econômico do país”, explica o professor Evandro.

A parceria FGV-CEBC visa, dentre outras atividades, organizar grupos de trabalho para análise das controvérsias jurídicas decorrentes das relações Brasil-China e o estudo do sistema jurídico e da cultura jurídica chinesa, além da publicação de livros, artigos ou relatórios conjuntos, bem como a realização de seminários ou palestras.

Foto: CEBC

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Wei

08 de fevereiro de 2019 às 08h06

Nenhum dos dois ai é chinês.

Responder

Tânia Mendes

07 de fevereiro de 2019 às 23h29

Caramba, a juíza nem leu a sentença que assinou. Já veio pronta de algum lugar. Deve ter sido o estagiário que fez.
Esse é o Brazil. Ela não se deu nem ao trabalho de ler.

Responder

carlos

07 de fevereiro de 2019 às 20h57

A China tem muita coisa para ensinar ao Brasil ao moro, só um exemplo como pode os políticos se elegem hoje em um partido amanhã já estão em outro partido uma semana depois já estão em outro, se não existe a fidelidade partidária e o mandato é do candidato porque se gasta bilhões com fundo partidário qual a função do partido?

Responder

Deixe uma resposta