Haddad na Caravana Lulalivre na Amazônia

Produção de bens de capital para indústria cai 9,5% em janeiro

Por Redação

14 de março de 2019 : 15h28

Os números da indústria nacional continuam muitos ruins. Esse é o ponto nevrálgico da tragédia brasileira. Repare que o índice da produção de bens de capital para a indústria, o supra-sumo do supra-sumo, sofreu a maior queda de todas: 9,5% em janeiro. A vitória de Bolsonaro, tão festejada no mercado financeiro, não trouxe nenhum alento à economia real do país. Muito pelo contrário, pelo jeito.

Abaixo, texto e gráficos publicados no site do IBGE.

***

Em janeiro, produção industrial cai 0,8%

Em janeiro de 2019, a produção industrial nacional caiu 0,8% frente a dezembro de 2018 (série com ajuste sazonal),eliminando, assim, a variação positiva de 0,2% observada no mês anterior. Em relação a janeiro de 2018 (série sem ajuste sazonal), a indústria caiu 2,6%, após recuar também em novembro (-1,0%) e dezembro de 2018 (-3,6%).

***

Documentos

***

O acumulado nos últimos 12 meses ficou em 0,5%, mantendo a perda de ritmo iniciada em julho de 2018 (3,4%). A publicação completa da Pesquisa Industrial Mensal (PIM) pode ser acessada à direita.

13 dos 26 ramos industriais caíram

No recuo de 0,8% da indústria na passagem de dezembro de 2018 para janeiro de 2019, três das quatro grandes categorias econômicas e 13 dos 26 ramos pesquisados tiveram quedas na produção. Entre as atividades, a influência negativa mais significativa foi de produtos farmoquímicos e farmacêuticos (-10,3%), revertendo, dessa forma, o crescimento de 7,8% acumulado em novembro e dezembro de 2018. Vale destacar os resultados negativos de indústrias extrativas (-1,0%), máquinas e equipamentos (-2,9%), celulose, papel e produtos de papel (-2,6%), coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-0,8%), outros equipamentos de transporte (-5,1%), couro, artigos para viagem e calçados (-3,2%) e veículos automotores, reboques e carrocerias (-0,5%).

Por outro lado, entre os 13 ramos que cresceram, os desempenhos de maior relevância vieram de: produtos alimentícios (1,5%), que, com o resultado de janeiro de 2018, acumulou 9,2% em três meses consecutivos de avanço na produção, devolvendo, assim, parte da perda de 10,4% acumulada no período julho-outubro de 2018; bebidas (6,1%), que intensificou o crescimento verificado no mês anterior (1,2%); e outros produtos químicos (3,6%), que eliminou parte da queda de 4,5% registrada nos dois últimos meses de 2018.

Outros impactos positivos importantes foram observados nos setores de produtos do fumo (23,4%), de produtos de metal (3,2%), de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (3,7%) e de produtos têxteis (4,0%).

Entre as grandes categorias econômicas, ainda em relação a dezembro de 2018, bens de capital (-3,0%) teve a queda mais acentuada em janeiro, seu terceiro resultado negativo consecutivo, acumulando redução de 10,2% no período. Bens de consumo semi e não-duráveis (-0,4%) e bens intermediários (-0,1%) também recuaram no mês, com o primeiro revertendo o avanço de 0,4% de dezembro de 2018, quando interrompeu a série de quedas iniciada em julho de 2018 (-3,9%); e o segundo interrompendo dois meses consecutivos de alta, período em que acumulou ganho de 1,3%. Por outro lado, bens de consumo duráveis (0,5%) teve a única taxa positiva, eliminando parte da perda de 5,2% acumulada nos dois últimos meses de 2018.

Média Móvel Trimestral varia -0,2%

Ainda na série com ajuste sazonal, a média móvel trimestral para a indústria variou -0,2% no trimestre encerrado em janeiro de 2019 frente ao nível do mês anterior, após variar 0,1% em dezembro de 2018, quando interrompeu a trajetória descendente iniciada em agosto de 2018.

Entre as grandes categorias econômicas, ainda nessa comparação, bens de capital (-3,5%) teve a queda mais intensa em janeiro de 2019, que se junta às perdas observadas em novembro (-1,9%) e dezembro de 2018 (-2,4%). Bens de consumo duráveis (-1,6%) e bens de consumo semi e não-duráveis (-0,3%) também recuaram, ambos no seu quinto mês seguido de queda e acumulando no período redução de 8,1% e 3,0%, respectivamente. Por outro lado, bens intermediários (0,4%) registrou a única expansão em janeiro de 2019, o segundo avanço consecutivo nessa comparação, acumulando 0,6% nesse período.

Indústria cai 2,6% em relação a janeiro de 2018

Na comparação com janeiro de 2018, a indústria recuou 2,6% em janeiro de 2019, com quedas nas quatro grandes categorias econômicas, 18 dos 26 ramos, 50 dos 79 grupos e 58,5% dos 805 produtos pesquisados. Vale citar que janeiro de 2019 (22 dias) teve o mesmo número de dias úteis que igual mês do ano anterior (22).

Entre as atividades, produtos alimentícios (-4,0%), produtos farmoquímicos e farmacêuticos (-22,5%) e máquinas e equipamentos (-10,3%) exerceram as maiores influências negativas, pressionadas, em grande medida, pela menor fabricação dos itens tortas, bagaços, farelos e outros resíduos da extração do óleo de soja, açúcar cristal, VHP e refinado de cana-de-açúcar, sucos concentrados de laranja, óleo de soja em bruto, balas e pastilhas, rações e carnes e miudezas de aves frescas ou refrigeradas, na primeira; medicamentos, na segunda; e máquinas para o setor de celulose, rolamentos de esferas, agulhas, cilindros ou roletes para equipamentos industriais, máquinas para colheita e suas partes e peças, aparelhos de ar-condicionado de paredes e de janelas (inclusive os do tipo split system), tratores agrícolas, motoniveladores, máquinas para extração ou preparação de óleo, turbinas e rodas hidráulicas, máquinas para o setor de material plástico, máquinas portáteis para furar, serrar, cortar ou aparafusar, partes e peças de motores para máquinas industriais e refrigeradores, vitrinas, câmaras frigoríficas e semelhantes para uso industrial ou comercial, na última.

Outras contribuições negativas relevantes vieram de: veículos automotores, reboques e carrocerias (-3,7%), equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (-10,2%), manutenção, reparação e instalação de máquinas e equipamentos (-14,2%), metalurgia
(-2,7%), celulose, papel e produtos de papel (-3,9%), produtos de madeira (-8,2%), outros equipamentos de transporte (-8,7%) e produtos de borracha e de material plástico (-2,6%).

Ainda no confronto com igual mês de 2018, bens de capital (-7,7%) e bens de consumo duráveis (-5,5%) apresentaram, em janeiro de 2019, as reduções mais acentuadas entre as grandes categorias econômicas. Bens de consumo semi e não-duráveis (-2,9%) também registrou queda mais elevada do que a média nacional (-2,6%), enquanto o segmento de bens intermediários (-1,3%) teve a taxa negativa menos intensa.

Bens de capital (-7,7%) registrou em janeiro de 2019 a segunda queda seguida, a mais intensa desde outubro de 2016 (-8,2%). Na formação do índice desse mês, o segmento foi influenciado, em grande medida, pela queda no grupamento de bens de capital para equipamentos de transporte (-6,9%), pressionado, principalmente, pela menor fabricação de veículos para transporte de mercadorias, caminhão-trator para reboques e semirreboques, aviões e vagões de passageiros e para transporte de mercadorias. As demais quedas foram registradas por bens de capital para fins industriais (-9,5%), agrícolas (-6,9%), para construção (-3,9%), para energia elétrica (-0,9%) e de uso misto (-2,3%).

O segmento de bens de consumo duráveis recuou 5,5% em janeiro de 2019 frente a igual período do ano anterior, marcando, dessa forma, a terceira taxa negativa consecutiva nessa comparação, mas com queda menos acentuada do que a do mês anterior (-13,6%). Nesse mês, o setor foi particularmente pressionado pela redução na fabricação de automóveis
(-3,8%) e de eletrodomésticos da “linha marrom” (-13,6%). Vale citar também os recuos assinalados por móveis (-5,1%) e outros eletrodomésticos (-9,6%). Já os principais impactos positivos foram em eletrodomésticos da “linha branca” (1,1%) e motocicletas (3,6%).

Ainda nessa comparação, bens de consumo semi e não-duráveis recuou 2,9% em janeiro de 2019, terceira taxa negativa consecutiva e a mais intensa dessa sequência. O desempenho nesse mês deve-se principalmente à queda verificada em não-duráveis (-9,2%), pressionado, em grande parte, pela menor fabricação de medicamentos. Vale citar também os resultados negativos nos subsetores de carburantes (-8,1%) e de semiduráveis (-2,8%), influenciados, sobretudo, pelos recuos registrados nos itens gasolina automotiva e álcool etílico, no primeiro; e calçados de plástico moldado, calçados de material sintético feminino, cds, calças, bermudas, jardineiras, shorts e semelhantes de malha de uso feminino, tapetes e outros revestimentos para pavimentos, dvds, vestuário e seus acessórios de malha para bebês, roupas de banho de tecidos de algodão, calças compridas e garrafas térmicas, no segundo.

Por outro lado, o grupamento de alimentos e bebidas elaborados para consumo doméstico (1,0%) apresentou a única taxa positiva nessa categoria, impulsionado, principalmente, pela expansão na produção de cervejas, chope, sorvetes e picolés, refrigerantes, carnes de bovinos congeladas e bombons e chocolates em barras.

Já bens intermediários caiu 1,3% em janeiro de 2019 frente a janeiro de 2018, mantendo o comportamento negativo dos últimos quatro meses de 2018: setembro (-2,8%), outubro
(-0,6%), novembro (-1,4%) e dezembro (-2,7%). O resultado desse mês foi explicado, principalmente, pelos recuos nos produtos associados às atividades de produtos alimentícios (-10,5%), de máquinas e equipamentos (-12,7%), de metalurgia (-2,7%), de celulose, papel e produtos de papel (-4,5%), de produtos de borracha e de material plástico (-1,8%), de produtos têxteis (-3,6%) e de veículos automotores, reboques e carrocerias (-0,2%), enquanto as pressões positivas foram registradas por coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (4,0%), produtos de metal (5,5%), indústrias extrativas (1,0%), outros produtos químicos (0,4%) e produtos de minerais não-metálicos (0,2%).

Ainda nessa categoria econômica, vale citar também os resultados assinalados pelos grupamentos de insumos típicos para construção civil (-0,3%), que registrou a terceira queda seguida, mas a menos intensa dessa sequência; e de embalagens (2,3%), que voltou a crescer após recuar 2,6% no mês anterior, quando interrompeu seis meses de taxas positivas consecutivas nesse tipo de comparação.

Texto e tabelas publicados na Agência IBGE Notícias

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Sebastião

16 de março de 2019 às 18h05

Para quem não lembra, recordar o que foi o Brasil.
Governos Lula de 2003 a 2010, segundo a televisão, vale apenas ver de novo e comparar.
https://www.youtube.com/watch?v=WF7pz0NKscg

Responder

LUPE

14 de março de 2019 às 17h46

Caros leitores
Quem sabe um pouquinho de macroeconomia sabe que
TODOS os projetos,
TODAS as medidas,
TODAS as proposições de leis
e outras iniciativas tomadas ou a serem tomadas
pela gangue que foi levada ao Poder
com a MISSÃO
de DESTRUIR o Brasil,
vão levar este país rapidinho a uma virtual FALÊNCIA.
E aí os empresários
que com as cabeças violentamente envenenadas com antipetismo
pela Grande Mídia na Lava Jato
vão ver o buraco que nossos inimigos os meteram,
quando falências lhes baterem às portas…………..
SORRY………………………………..

Responder

Deixe uma resposta

x
WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com