Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Divulgação

Os governadores do Nordeste e a reforma da Previdência

Por Redação

07 de junho de 2019 : 18h39

No blog do Jamildo

Paulo Câmara assina carta em defesa da reforma da Previdência

Publicado por Douglas Fernandes em Notícias às 8:10

Por Juliana Sampaio, editora de Política do Jornal do Commercio

Uma carta divulgada pelo governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), na manhã dessa quinta-feira (6), se desdobrou em outras duas ao longo do dia, após mal-estar entre os governadores. A primeira, assinada por 13 gestores, faz críticas ao Congresso e diz que obrigar Estados e municípios a mudar regras de aposentadoria por meio de leis aprovadas em assembleias e câmaras representa um atraso.

Após fortes críticas, no período da tarde, Rocha modificou o texto, que passou a ser uma carta de apoio à reforma, com 25 assinaturas. À noite, um novo documento foi divulgado, mas agora apenas assinado pelos nove governadores do Nordeste. Nele, eles defendem a manutenção dos Estados na reforma e fazem uma forte sinalização de apoio às mudanças previdenciárias, desde que sejam suprimidas da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) as mudanças no Benefício de Prestação Continuada (BPC) e aposentadoria rural.

A Carta do Nordeste é assinada por todos os governadores da região: de Alagoas, Renan Filho (MDB); da Bahia, Rui Costa (PT); do Ceará, Camilo Santana (PT); do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB); da Paraíba, João Azevêdo (PSB); de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB); do Piauí, Wellington Dias (PT); do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT); e de Sergipe, Belivaldo Chagas (PSD).

“Todos reconhecem a necessidade das reformas da Previdência, tributária, política, e também da revisão do pacto federativo. As energias devem ser canalizadas para o escrutínio das divergências e o aperfeiçoamento das ações, de modo que todos sejam beneficiados, evitando-se a armadilha do divisionismo que tem acirrado os ânimos e paralisado a nação”, diz trecho do documento.

Desde o início da tramitação da PEC, os governadores do Nordeste se mantinham contrários às mudanças previdenciárias, sobretudo no que tange o BPC – pago a idosos carentes – e as aposentadorias rurais. Eles também argumentam que as mudanças no BPC e na aposentadoria rural, especialmente no Nordeste, precisam de maior atenção e proteção do setor público. Segundo o IBGE, 3,4% dos 62,9 milhões de domicílios do País recebem recursos do programa.

No Nordeste, essa proporção sobe para 5,4%. Daí a resistência dos nordestinos. Em outro trecho da carta, eles afirmam que retirar os Estados da reforma é abandonar a Previdência à própria sorte. “Entendemos, além disso, que a retirada dos Estados da reforma e tratamentos diferenciados para outras categorias profissionais representam o abandono da questão previdenciária à própria sorte, como se o problema não fosse de todo o Brasil e de todos os brasileiros”.

Os gestores do NE encerram a carta afirmando que há consenso em outros tópicos e dizem acreditar “na intenção, amplamente compartilhada, de se encontrar o melhor caminho”. E dizem: “Estamos dispostos a cooperar, a trabalhar pelo bem e pelo progresso do nosso País, que não aguenta mais os venenos da recessão ou do crescimento pífio”.

A bancada federal do Nordeste vinha resistente em votar a PEC com os Estados e municípios, pois não queriam assumir o ônus eleitoral de votar uma questão impopular, enquanto os governadores se beneficiariam com o discurso de oposição.

Procurados, os governos do Maranhão e do Piauí confirmaram ao JC, que se houver a retirada do BPC e da aposentadoria rural da PEC, os governadores do Nordeste apoiarão a reforma e a permanência dos Estados na proposta. A assessoria de imprensa do Palácio do Campo das Princesas disse que “[A carta] apresenta bem o que os governadores defendem”.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), principal articulador da reforma, já declarou que os dois pontos serão retirados. “BPC vai sair, aposentadoria rural vai sair”, disse em recente entrevista.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

11 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Fábio maia

09 de junho de 2019 às 08h28

Burrice dos governadores. Deveriam dobrar a aposta. Tirar a seguridade do pacto federativo e enfraquecer a federação. Só um débil mental como o bozo põe na mesa algo que futuramente só tende a enfraquecer a união.

Responder

    Carlos Eduardo

    09 de junho de 2019 às 10h06

    E desde quando o golden shower se preocupa com a união??

    Responder

Ernesto

08 de junho de 2019 às 18h28

Um terço dos argentinos abaixo da linha de pobreza. FMI admite estar subestimando a situação argentina;

Responder

Justiceiro

08 de junho de 2019 às 12h47

Bolsonaro deveria mudar a proposta da reforma, suprimindo mudanças no BPC e na aposentadoria rural Ai eu ia querer ver a cara dos governadores petistas, que sabem que a reforma tem que abranger os Estados., pra ver se ele não iam miar.

Queria ver a Fátima é gópi Bezerra, implorando que seu estado, quebrado, entre na reforma.

Responder

Alan C

08 de junho de 2019 às 10h42

Os governadores parecem que ainda não se ligaram que a PEC tem muito mais inconsistências do que apenas a BPC e da aposentadoria rural.

Das dua, uma, ou são inocentes, ou se beneficiarão de forma pessoal.

Responder

Viviane

07 de junho de 2019 às 23h57

Que bom. Até os governadores do NE estão acordando para a necessidade de aprovar a reforma. Só falta o legislativo trabalhar e aprovar logo.

Responder

Paulo

07 de junho de 2019 às 20h09

Quer dizer que o famigerado BPC e a aposentadoria rural viraram o boi de piranha do Guedes para passar a boiada incólume, agora com a participação ativa do PT?

Responder

Marcos

07 de junho de 2019 às 19h16

O Nordeste, sempre o atrasado , miserável e corrupto nordeste contra o Brasil. Por que não se separam ??

Responder

Marcio

07 de junho de 2019 às 19h11

Conheço varias pessoas com 40 atè 50 anos de idade aposentadas no NE.

Responder

    Luis Camoinas

    08 de junho de 2019 às 15h07

    Eu conheço um presidente com bem menos que isso. E olha que não é pouco não. Com 33 ele conseguia valores que ng do regime geral ganha.

    Responder

      Onofre Junqueira

      08 de junho de 2019 às 15h49

      Eu conheço um ex-presidente que roubou o equivalente à aposentadoria de milhares de milhares de beneficiários do regime geral. E o cara de pau ainda ganha um bolsa-ditadura ! kkkk

      Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?