Análise da reunião ministerial de Bolsonaro

Codinome Clemente: o melhor documentário de 2019 perde seu protagonista

Por Theo Rodrigues

30 de junho de 2019 : 13h08

Por Theófilo Rodrigues

Faleceu ontem, sem qualquer menção nos meios de comunicação, o último comandante da Ação Libertadora Nacional (ALN), Carlos Eugênio da Paz, o Clemente. Com uma biografia histórica, esse herói de dois nomes – assim são os verdadeiros heróis – ainda é pouco conhecido do grande público. Mas isso irá mudar com o lançamento no fim ano do documentário sobre sua vida, Codinome Clemente, da diretora Isa Albuquerque.

Clemente nasceu em Maceió, em 1950, mas foi no Rio de Janeiro que se formou como militante político. Ainda adolescente, estudante secundarista no tradicional Colégio Pedro II, Clemente percebeu que deveria lutar contra a ditadura militar. A partir dali conheceu Carlos Marighella, entrou para a ALN e se tornou comandante da principal organização de guerrilha urbana no Brasil. Tudo isso antes de completar 22 anos de idade.

Ontem, logo após receber consternado a notícia de sua morte, fui presenteado em primeira mão com o documentário que a diretora Isa Albuquerque fez sobre a vida de Clemente. E fiquei sem palavras: o filme é simplesmente uma declaração de amor de um homem para uma causa; um ensinamento de como devemos agir em tempos de autoritarismo. Tempos que, infelizmente, o Brasil se aproxima mais uma vez.  

O filme tem o mérito de contar a história da ditadura brasileira pelos olhos de quem a viveu. Ali, vemos como o jovem estudante secundarista do Pedro II conheceu Marighella num banco no Aterro do Flamengo. Sem arrependimentos, o guerrilheiro recorda todas as suas ações, inclusive as execuções que participou. Um desses momentos mais emblemáticos – e que está retratado em outro documentário, o excelente Cidadão Boilesen – é a execução do empresário Henning Albert Boilsen, presidente do grupo Ultragaz. Boilesen não apenas era o empresário responsável por arrecadar as finanças para sustentar a tortura no período da ditadura, como ele próprio assistia essas sessões. Assim que foi descoberto, a ALN decidiu por sua execução. E Clemente, com apenas 20 anos de idade, foi o responsável pelo tiro fatal.

Outro mérito do filme é a presença de comentários de antigos militantes que hoje não estão mais no campo político da esquerda como o tucano Aloysio Nunes Ferreira e o peemedebista Carlos Alberto Muniz.

Clemente viveu muito bem com todas as suas decisões. Como diz no filme, não há razões para autocrítica. Fez o que tinha que ser feito em tempos de guerra. Contudo, apesar desse sentimento de dever cumprido, fica claro em determinado momento que uma ação em particular o comoveu: a execução do companheiro Marcio Toledo, suspeito de ter passado para o lado da ditadura. Para quem conhece a história da esquerda brasileira, a cena lembra a difícil decisão de Luiz Carlos Prestes de executar a jovem militante Elza no fim da década de 30.

Sem dúvida alguma não houve arrependimentos. Mas o filme também deixa a clara sensação de que Clemente lamentava um evento daqueles tempos. O tiro que desferiu contra o famoso torturador, delegado Sergio Fleury, mas que acertou de raspão no nariz. “Era para ser no olho”, lamenta Clemente.

Codinome Clemente será lançado em novembro, junto com outro filme que retrata o mesmo período histórico, Marighella, de Wagner Moura. Ainda não assisti ao filme de Moura, mas provavelmente gostarei. Se sobre o segundo filme ainda tenho dúvidas, sobre o primeiro tenho certezas: trata-se do melhor documentário de 2019, uma aula de história para as novas gerações. Clemente, presente!

Theófilo Rodrigues é cientista político.

Theo Rodrigues

Theo Rodrigues é sociólogo e cientista político.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

35 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Walter

31 de julho de 2019 às 08h06

O cara é réu confesso de um assassinato planejado ardilmente, e é chamado de herói? Dá licença. Não sou fã do cidadão, longe disso, mas sob o mesmo argumento, Hitler, Mao Tsé Tung, Pinochet, também seriam heróiis. Para mim, nenhum deles, inclusive Clemente, pode ser herói. São fascínoras, e Clemente é um terrorista. Apenas isso.

Responder

Luis Csmpinas

01 de julho de 2019 às 14h58

Clemente presente!

Responder

Alexandre Neres

01 de julho de 2019 às 10h51

Prezado Theo Rodrigues, muito obrigado por problematizar questoes que importam. Obvio que tem gente que não se conforma, pois estufa o peito e se orgulha de ser gado.

Por sua vez, permita-me discordar de um ponto. O grande documentario do ano é outro. Sabe disso quem ja tinha visto e se deixado cativar por Elena. A arte, sua delicadeza e suas sutilezas envolve a gente. Sem falsas imparcialidades, que nem a dupla de justiceiros formada por batman de voz fina e robin pego de calças curtas, e sim como uma reportagem da Eliane Brum que vai até a medula.

Por mais que venham com criticas adrede escolhidas por proselitismo politico, Democracia em Vertigem pede passagem. Capta o Zeitgeist de forma pungente, expondo as nossas grandes mazelas, quais sejam, a escravidão, a (s) ditadura (s) militar (es) e seus correlatos assassinatos. Pena que para tanto, como bons vira-latas, precisamos do respaldo do New York Times para o reconhecimento desta bela obra.

Responder

Alécio

01 de julho de 2019 às 07h39

Cuidado com esses políticos que dizem querer “Libertar o povo” mas sao ao mesmo tempo contra capitalismo.

Eles nao querem te dar liberdade, eles querem é ser seus donos.

Responder

Jorge

01 de julho de 2019 às 07h35

Queriam trocar a ditadura por uma outra pior. Esses caras nao tinham nada de libertadores, pelo contrário. Os livros de história estao ai para confirmar.

Responder

    NeoTupi

    01 de julho de 2019 às 11h30

    Tenho dúvidas se seria pior. O ex-secretário de estado dos EUA Herry Kissinger uma vez falou que se o Brasil tivesse virado um país comunista, seria uma China. Quem dera tivéssemos hoje o desenvolvimento que a China atingiu, a ponto de obrigar os EUA a declararem “guerra comercial” a um concorrente de peso.
    Eu pessoalmente não gosto de viver sob nenhuma ditadura (e vivemos em parte em uma ditadura do mercado financeiro e das grandes corporaçoes, pois elas ditam e impõe grande parte do modo de vida a que somos obrigados a seguir). Mas será que uma ditadura do proletáriado (em tese os governantes seriam apenas servidores públicos dos trabalhadores) seria pior para a grande maioria do povo brasileiro, se tivesse sido implantada lá pelos anos 50 ou início dos anos 60? A renda média do trabalhador chinês já é maior do que a do brasileiro.

    Responder

      Paulo

      01 de julho de 2019 às 11h52

      Deve ser por isso que os cidadãos de Hong Kong não querem nem ouvir falar em serem extraditados para a China…e olha que são o mesmo povo! Nada paga a liberdade! Nem mesmo esse comentário trivial que você fez aqui poderia ser feito livremente na China…

      Responder

      Walter

      31 de julho de 2019 às 08h11

      Amigo, vc não ia querer morar na China. Lá não há vida. O regime é de escravidão, suas comunicações são totalmente vigiadas, vc não acesso a qualquer matéria da internet que tenha sido permitida pelo governo. O crescimento do país è conseguido à custa do sacrifício permanente do povo. São todos pobres, a não ser que vc seja membro do partido comunista, e o partido te beneficie com 51% de uma sociedade de uma empresa que irá se instalar lá. Mas reafirmo: com toda a certeza, vc não gostaria de morar na China.Mas se quiser tentar, boa sorte.

      Responder

Jorge

01 de julho de 2019 às 03h38

esses caras queriam trocar uma ditadura por outra pior, onde eles enriqueceriam as custas do povo…. só isso

Responder

    Luis Campinas

    01 de julho de 2019 às 15h01

    Vc acredita mesmo nisso ou isso é fruto de muito filme?

    Responder

      Edivaldo de Sousa Araújo

      01 de julho de 2019 às 20h47

      Vide venezuelanos…

      Responder

gh0sst

30 de junho de 2019 às 22h21

teste

Responder

LuisCPPrudente

30 de junho de 2019 às 21h38

Clemente, presente!

Responder

Marcio

30 de junho de 2019 às 21h01

Gente fina…

Responder

Paulo

30 de junho de 2019 às 19h59

A louvação a um assassino frio só demonstra a podridão moral que atinge parcela da esquerda, no mundo todo. Fleury e Henning (esse não sei) podiam ser torturadores ou financiadores da tortura, mas, e o assassinato, através de carro bomba, do jovem soldado Mário Kozel Filho, vigia no quartel-general do II Exército? E o do gerente de banco Osíris Motta Marcondes, que tentou impedir um assalto a banco perpetrado pelos terroristas? Que dizer, ainda, da execução, após tortura, do fazendeiro José Gonçalves Conceição (Zé Dico), pelo terrorista Edmur Péricles de Camargo (vinculado ao grupo de Marighella), que ainda baleou nas costas o filho do fazendeiro, que tentou defender o pai?

Por essas atitudes, como a do articulista, é que eu digo e advirto para que jamais acreditem em esquerdistas radicais! A gente sabe como é difícil sair de um regime ditatorial de esquerda (os de direita costuma ser mais fácil e rápido, além de indolor, geralmente). Vide Cuba, Coreia do Norte, e, ao que parece, a Venezuela, países acuados pela fome e pela desesperança. Deus, pátria e liberdade!

Responder

    NeoTupi

    01 de julho de 2019 às 12h40

    Eu defendo a paz e solução dos conflitos de interesses na sociedade pela via política, sempre com consulta popular e defendo até que grandes temas de interesse popular sejam resolvidos por plebiscito. É a melhor forma de quem discorda acatar as leis, pois foi voto vencido mas foi ouvido. O poder popular deve ser soberano. Mas é errado comparar mortes em combate decorrente de guerra (guerrilha é uma forma de guerra) com crimes comuns. Eu não condenaria soldados das FFAA que mataram guerrilheiros em combate (diferente de tortura e desaparecimento sob custódia do estado), nem o inverso. Pelo que li e por depoimentos de amigos de direita dele em documentário, Henning era um dos comandantes do que hoje se chamaria de milícia, uma milícia para combater guerrilheiros. Eram policiais agindo sob comando de grandes empresários e recebendo dinheiro deles. Só depois o estado ditatorial criou estruturas oficiais de combate à guerrilha, como os DOI-CODI.
    De onde você tirou que Cuba passa fome? É o único país da América Latina onde não há subnutição. A centenária fundação Save de Children (UK) acaba de publicar relatório onde Cuba é o país mais seguro da América Latina e Caribe para crianças e adolescentes crescerem saudáveis. Cuba também é o país mais seguro para turistas.
    Vietnam e China também são comunistas (que praticam o que chamam de socialismo de mercado na economia) e tem crescimento econômico e desenvolvimento social pujante.
    Acredito que países onde as demandas populares sejam atendidas sem eleição direta sejam mais democráticos de fato do que países onde o povo vota e não é atendido em suas demandas, onde os governantes se elegem e, em vez de cumprir o que prometeram em campanha, governam para as grandes corporações que dominam o poder econômico.

    Responder

      Paulo

      02 de julho de 2019 às 19h04

      Osíris e Zé Dico, que eu citei acima, eram combatentes? Não adianta querer passar pano, NeoTupi! Eu também sou radicalmente contra a tortura. Só psicopatas se comprazem em fazer sofrer outro ser humano que nem conhecem, e de forma covarde, sem que ele possa oferecer resistência. Mas havia psicopatas de ambos os lados. “Um erro, a luta armada, no Brasil”, como ouvi em sala de aula do Prof Francisco Wefort, fundador do PT. E Cuba vive uma crise gravíssima de escassez de alimentos. Vi há 4 ou 5 dias, na web, inclusive com fotos de filas e guardas batendo em e ameaçando quem tira selfies e fotos…

      Responder

    Marcio

    01 de julho de 2019 às 18h51

    Nào existe esquerdista nào radical.

    Responder

      Paulo

      01 de julho de 2019 às 22h22

      Depende do ponto de vista acerca do que é, exatamente, um esquerdista. Você, por exemplo, considera a social-democracia de esquerda?

      Responder

Onofre Junqueira

30 de junho de 2019 às 19h31

“sem qualquer menção nos meios de comunicação, “. Ué, e por os meios de comunicação deveriam mencionar a morte de um desconhecido ??

Responder

Sonny mendonça

30 de junho de 2019 às 16h55

ESTES LIXOS DA MESMA LAIA DOS QUE QUEBRARAM E ROUBARAM O BRASIL JA VAI TARDE,,,,PODRIDAO IGUAL SEUS BAJULADORES,,,,

Responder

    Sonny mendonça

    30 de junho de 2019 às 16h58

    EU VIVI OS ANOS 70 E O BRASIL ERA MARAVILHOSO,,,,,OS BANDIDOS ERAM TRATADOS COMO TAL,,,,,VOLTA BENDITA DITADURA MILITAR,,,,,QUERO DE VOLTA MEU PAIS E RESGATAR MINHA INFANCIA QUERIDA NOS SAUDOSOS ANOS 70,,,,,

    Responder

      NeoTupi

      01 de julho de 2019 às 11h12

      É curioso como o Brasil realmente vivia um apartheid social nos anos 70 semelhante à África do Sul. Eu não tenho nenhuma saudade do tempo em que crianças morriam de fome no Nordeste. Eu era criança e morava em pleno interior de SP chamado de “califórnia brasileira” e via colegas de aula de 13 anos de idade saírem da escola para cortar cana. Quem vivia em cidades grandes, via o PIB crescer 14% ao ano no pico e ao mesmo tempo aumentar favelas, uma clara barbeiragem econômica. Foi por ver esse tipo de injustiça, e não por ler pensadores clássicos. que me tornei alguém que nunca conseguiu votar na direita brasileira.

      Responder

        Fabio

        01 de julho de 2019 às 15h31

        Graças a Lula e Dilma isso não existe mais. Não há mais crianças cheirando cola; crianças nos semáforos pedindo dinheiro. Todos têm ótimas casas. Não há mais favelas no sudeste, não há mais palafitas nas áreas alagadas do norte e nordeste ! kkkkkkkkkkkkk

        Responder

          NeoTupi

          01 de julho de 2019 às 21h41

          Graças a Lula e Dilma todos os indicadores sociais e econômicos haviam melhorado muito no Brasil. Caminhávamos em direção a tornarmos uma nação desenvolvida lá pra 2030. Depois do golpe e da operaçao sabota a jato o desemprego explodiu, o Brasil voltou ao mapa da fome, há muito mais população de rua por ter sido despejada, não tem gente com renda para comprar casa popular e tem pouco emprego na construção civil, aumentou crianças e adultos nos semáforos, nos ônibus vendendo coisas e fazendo bicos de camelô. Tem que ser muito alienado para rir e achar graça.

          Edibar

          01 de julho de 2019 às 22h24

          Aonde vc se informa??

          NeoTupi

          02 de julho de 2019 às 01h59

          Sobre qual assunto? Dados econômicos e sociais eu prefiro fontes primárias: IBGE, PNAD, ONU, Secretaria do Tesouro Nacional, Banco Central, Banco Mundial, FMI, Dieese, etc. Tem bons estudos no IPEA, Oxfam, sindicatos de trabalhadores e centrais trazem boas informações sobre nível de emprego e renda. Sindicatos, Federações e Associações patronais sobre produção. Acha-se tudo fácil na internet. População de rua, ambulantes, lojas fechadas, construção paradas é só observar a rua (moro no Rio). Notícias, El país, BBC. Política, blogs progressistas, twitter, agências câmera e senado. Tem assunto que a gente ouve falar que procuro no google até achar, tomando cuidado com a origem.

          Edibar

          01 de julho de 2019 às 22h25

          Aonde vc se informa, NeoTupi??

A Inconformada

30 de junho de 2019 às 16h42

Erros justificando erros. Típico de gente acéfala e sem caráter. A lei não serve para vocês.

Responder

    NeoTupi

    01 de julho de 2019 às 11h57

    Quando a lei é fruto de pactos sociais democráticos com participaçao popular, ainda que indireta, como Constituinte e legislativo eleito pelo voto livre, devemos acatar. Mas quando é imposta por ditadores à revelia da vontade popular como foi o AI-5 e outros atos institucionais da ditadura, o povo tem todo o direito de se rebelar contra. Outro ex: escravos tinham o direito natural de se rebelarem contra leis da escravidão.

    Responder

A Inconformada

30 de junho de 2019 às 15h24

Que coisa, hein? Dar trela para assassino e ainda chamar de herói! A morte do empresário ou e qualquer pessoa por assassinato é lastimável. Não há causa que seja motivo para isso. Nojo e vergonha é o que sinto por ele e, infelizmente, por você, que tem como baluarte um matador. Com causa, ou sem causa.

Responder

    Marola

    30 de junho de 2019 às 16h26

    O empresário assassinado era um patife que se comprazia em assistir tortura. Morte pra ele foi pouco, devia passar pelo mesmo que inflingia nos outros.

    Responder

      Onofre Junqueira

      30 de junho de 2019 às 19h33

      Quando o mesmo for feito com os petistas você não vai reclamar, caro militonto !

      Responder

        Gilmar Tranquilão

        01 de julho de 2019 às 10h08

        A tortura não é pra todos kkkkk burrinho

        Responder

          Gilmar Tranquilão

          01 de julho de 2019 às 15h28

          Torturaram a mim introduzindo um pepino no meu ânus e eu adorei. Nunca mais deixei de ter pepinos em casa kkkkkkkkkkkkkkkk


Deixe uma resposta