Live do Cafezinho: bate papo com o cineasta cearense Wolney Oliveira

Startup catarinense desenvolve carro elétrico 100% nacional

Por Redação

16 de janeiro de 2020 : 10h05

Na Startupi

Quinta-feira, 4 de outubro de 2018

O Startupi desembarcou ontem em Florianópolis, a convite da Autodesk e da Mobilis, para conhecer o carro completamente elétrico. Batizado de Li – por causa do elemento químico lítio -, o veículo foi desenvolvido e produzido em território nacional.

O veículo foi totalmente criado dentro do software CAD da Autodesk, empresa parceira do projeto. “Precisávamos de um CAD (computer aided design) que fosse robusto, porque precisávamos realizar tudo dentro do software, mas ele não podia pesar demais no nosso orçamento. O software Autodesk Fusion foi a opção mais viável para nós no momento, desde a ideação do produto até o final”, explica Mahatma Marostica, fundador da Mobilis.

De acordo com ele, foram aportados cerca de R$600 mil no desenvolvimento do veículo, entre investimentos dos sócios e de investidores-anjo. Hoje, há três carros montados pela startup em funcionamento e mais oito encomendas para entrega nos próximos meses.

Por enquanto, a startup está entregando apenas as versões “de vizinhança” do veículo, como são chamados os carros mais simples, de dois lugares e sem portas, utilizados especificamente para manutenção e segurança de condomínios e construções. Para 2019, o objetivo é colocar à venda a versão urbana do veículo, que conta com mais potência, ar-condicionado e a capacidade de transformar a parte traseira em mais dois assentos. Na versão reduzida, há apenas espaço para motorista e passageiro.

O veículo pode ser carregado em uma tomada comum, 110v ou 220v, chassi de alumínio, head up display, partida por login (cartão de acesso) e IoT embarcado. É também livre de rodízio e IPVA em alguns estados brasileiros. A versão urbana do veículo custará cerca de R$65 mil e atingirá até 100 quilômetros por hora, e as recargas de bateria variam de uma hora e meia até cinco horas. A versão compacta chega a até 60 quilômetros por hora, custa por volta de R$54 mil e é mais leve que os veículos elétricos comercializados hoje no país.

Mercado
“A idealização deste veículo começou porque vimos uma oportunidade no mercado de veículos elétricos no mundo. Este tipo de tecnologia demora a chegar ao Brasil, mas acreditamos que tenha aderência”, explica Mahatma.

No mundo, a frota de veículos elétricos superou 2 milhões em 2017, e a previsão é de que haja 13 milhões em 2020 e 140 milhões até 2030, o que representará 10% da frota global. O potencial brasileiro, de acordo com a startup, é de 150 mil veículos elétricos por ano, e uma frota de 5 milhões até 2030. Em 2017, foram vendidos mais de 3 mil carros híbridos e elétricos no Brasil.

Para as entregas do próximo ano, Matahma garante que já há mais de 400 interessados, na fila de espera, para adquirir a versão de passeio do veículo da startup. Para saber mais sobre os veículos acesse aqui.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Josione

03 de julho de 2020 às 03h48

Eu venho desenvolvendo um projeto motriz já uns 10 anos, e como a finalidade é aplicação mobilidade elétrica, e certamente para materializa-lo terei que abrir uma startup, muito me interessei pela Mobilis, ainda mais que o seu veículo muito se assimila aos meus modelos conceituais, e de certa forma cada história de brasileiros que se aventuram nesse segmento é inspiradora, e desejo sorte a todos estes, que lutam para deixar nosso pais menos dependente do progresso de estrangeiros.

Responder

Sergio Araujo

16 de janeiro de 2020 às 12h31

Bozolândia destruindo o projeto em 3, 2, 1….

Responder

Elizeu

16 de janeiro de 2020 às 10h50

Anota ai , mais uma empresa que fechara as portas em pouco tempo.

Responder

    Vilmar Nelson Appel

    12 de abril de 2020 às 00h05

    Será? O sucesso pertence aqueles que arriscam

    Responder

Deixe uma resposta