Live do Cafezinho: bate papo com o cineasta cearense Wolney Oliveira

O que é a política dos Comuns para as eleições de 2020?

Por Redação

21 de janeiro de 2020 : 10h09

Por Theófilo Rodrigues

Uma nova aventura política parece emergir nesse início do século XXI: a política dos Comuns. Movimentos sociais em todo o mundo reivindicam plataformas, programas e práticas que colocam aquilo que chamam de “Comum” no centro do tabuleiro político. Do mundo da sociedade civil para o mundo da sociedade política, esse movimento tem logrado sucesso, inclusive com vitórias eleitorais nas prefeituras de Paris e Barcelona, entre outras. Agora, em 2020, chegou a vez do Brasil. Mas o que significa essa política dos Comuns?

Barcelona talvez tenha sido a primeira entrada em cena do movimento dos Comuns na política internacional nesse início do século. Em 2015, a coligação “Barcelona em Comum” uniu Podemos e a Izquierda Unida – coligação que conta com os comunistas do PCE – para eleger Ada Colau como prefeita da cidade. Essa vitória também foi possível graças ao apoio do Partido Socialista. O sucesso da “Barcelona em Comum” fez Colau ser reeleita em 2019. Em seu primeiro mandato, a prioridade da prefeita foi uma forte política de habitação social para combater o processo de gentrificação tão recorrente em grandes centros urbanos.

Em França, no atual processo para as próximas eleições municipais que ocorrerão em março, o Comum também se tornou um movimento com amplas chances de vitória. Sob a bandeira da coalizão “Paris em Comum”, a atual prefeita Anne Hidalgo busca sua reeleição com o apoio do seu Partido Socialista (PS), do Partido Comunista Francês (PFC) de Ian Brossat e do Génération.S (G.S) de Benoit Hamon. Com forte ênfase no desenvolvimento sustentável, Hidalgo pretende transformar Paris na capital das ciclovias, com a proibição de carros no centro da cidade.

No Brasil, um dos primeiros ensaios desse tipo de movimento social e político ocorreu na eleição municipal do Rio de Janeiro, em 2016, com a coligação “Rio em Comum”, liderada por Jandira Feghali (PCdoB) e com Edson Santos (PT) de vice. Com uma campanha de comunicação que contou com membros do coletivo Mídia Ninja e de outras mídias alternativas da cidade, a “Rio em Comum” trouxe o tema do direito à cidade, da pluralidade e da diversidade para a centralidade do debate político no Rio de Janeiro. A chapa formada por uma mulher comunista e um negro petista enfrentou quase uma dezena de outros candidatos brancos, a maior parte de partidos conservadores. Contudo, a ideia de construir uma chapa unificada do campo progressista não teve sucesso. Além da “Rio em Comum”, o PSOL e a REDE lançaram candidatos próprios e o PSB e o PDT apoiaram candidatos de partidos conservadores. Marcelo Freixo, do PSOL, que também opera uma política dos Comuns, foi ao segundo turno naquela eleição, porém perdeu para o conservador Marcelo Crivella (PRB).

Mas agora, quatro anos depois daquele ensaio local, a lição sobre a importância da unidade entre os Comuns talvez tenha sido aprendida. Liderado pela comunista e feminista Manuela D´Ávila, o Movimento Comuns ressurge com uma capilaridade nacional ainda não vista no Brasil. Com a credibilidade de ter sido a candidata à vice-presidência da República que foi ao segundo turno de 2018 no enfrentamento contra Jair Bolsonaro, Manuela agora se dispõe a percorrer todo o país em favor da articulação da plataforma dos Comuns.

A preocupação de Manuela é real. Hoje o dinheiro é uma barreira que torna a política representativa um espaço de poucos e que afasta muitos jovens da participação. O movimento dos Comuns tem por objetivo criar ferramentas coletivas para a superação desses obstáculos impostos pelo capital. O primeiro grande teste dessa ação será nas eleições municipais de 2020.

O movimento dos Comuns no Brasil está alicerçado em cinco grandes eixos temáticos: a defesa dos direitos humanos; a inovação tecnológica como ferramenta para a participação, deliberação e transparência; o desenvolvimento sustentável; a democracia; e a resistência ao governo autoritário de Jair Bolsonaro. Sob uma linguagem que também está presente nos escritos de Ernesto Laclau, Chantal Mouffe e Nancy Fraser, os Comuns buscam a radicalização da democracia, ou seja, a construção de um projeto de cidade e de país que case as lutas por reconhecimento com as lutas por redistribuição. Dito de outro modo, trata-se de um movimento anticapitalista, antissexista, antirracista e em defesa do desenvolvimento sustentável.

Um dos grandes desafios dos Comuns é a costura da unidade na diversidade. Diga-se de passagem, esse não é um problema apenas brasileiro. Em França, como já foi dito, Anne Hidalgo é a líder da coalizão “Paris em Comum”. Mas outra candidata da esquerda, Danielle Simonnet, do movimento “França Insubmissa” de Jean-Luc Mélenchon, também pretendia disputar a eleição de Paris com uma coalizão denominada “Paris em Comum”. Simonnet perdeu o nome da chapa, mas não abriu mão de ser a candidata da “França Insubmissa” contra Hidalgo. Na Espanha, um dos principais nomes do Podemos, Ínigo Errejón, rompeu com o líder do partido, Pablo Iglesias, e organizou o Más País, ao lado da prefeita de Madri, Manuela Carmena. Hoje, Más País e Podemos disputam os rumos dos Comuns na Espanha. No Brasil, uma aliança que pudesse reunir amplos movimentos sociais com os partidos de esquerda como PCdoB, PSOL, PT, PDT e PSB nunca foi vista. Esse é um desafio para o movimento dos Comuns que vai exigir virtude e habilidade política de Manuela D´Ávila.

Para além da práxis política propriamente dita, a ideia do Comum também tem animado a teoria política nesse início do século XXI. Provavelmente Antonio Negri e Michael Hardt foram os que primeiro internacionalizaram essa problemática. Com a trilogia “Império”, “Multidão” e “Bem-Estar Comum”, publicados em 2000, 2004 e 2009, respectivamente, os autores apresentaram o que seria a soberania nos novos tempos (o Império), o novo ator político dessa nova soberania (a Multidão) e a alternativa pós-capitalista possível (o Bem-Estar Comum). Mas Negri e Hardt falharam decisivamente ao apontar como seria constituído esse novo ator político, como seria organizada essa Multidão. A Multidão surge do nada, como um raio em dia de céu azul, como parecem sugerir Hardt e Negri? Não, dizem os Comuns, ela precisa ser organizada.

Animados pelo debate proposto por Negri e Hardt, dois pensadores franceses, Pierre Dardot e Christian Laval, lançaram em 2014 o livro “Comum: ensaio sobre a revolução no século XXI”. No entanto, os dois também falharam ao descrever o “Comum” como uma prática política oposta ao do comunismo do século XX. Dardot e Laval parecem exibir uma desnecessária vontade de demarcação de campo, ao afastarem o projeto do “Comum” no século XXI das experiências socialistas do século XX. Por óbvio, as experiências políticas se diferenciam ao longo do tempo, mas romper com elas ou tornar as velhas experiências em adversárias das novas não contribui para a prática do “Comum” que o século XXI exige. Nesse sentido, Dardot e Laval parecem ser antidialéticos. Distante de todos esses autores, o movimento dos Comuns busca construir sua própria teoria política.

O movimento dos Comuns no século XXI precisa ser um movimento generoso. Generoso com as experiências passadas da história, mas também generoso com as milhares de mãos que constroem um mundo mais socialmente justo no presente. O movimento dos Comuns de hoje sabe que não há uma única força política ou um único ator político detentor da razão e que não há saída individual para problemas coletivos. Os Comuns são muitos e nisso reside sua força e sabedoria.

Theófilo Rodrigues é pesquisador de Pós-Doutorado no Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da UERJ.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

10 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo

21 de janeiro de 2020 às 17h05

“O movimento dos Comuns no Brasil está alicerçado em cinco grandes eixos temáticos: a defesa dos direitos humanos; a inovação tecnológica como ferramenta para a participação, deliberação e transparência; o desenvolvimento sustentável; a democracia; e a resistência ao governo autoritário de Jair Bolsonaro”.

Por partes:

Direitos humanos = direito ao aborto?
Inovação tecnológica(…) e transparência = assembleísmo high tech?
Desenvolvimento sustentável = mensalão e petrolão?
Democracia = democracia em transe?
Resistência ao Governo Bolsonaro = consolidação da bipolaridade que conduzirá este Governo à reeleição?

Responder

Francisco

21 de janeiro de 2020 às 16h14

Redação, o que o Cafezinho acha do MPF denunciar Glenn Greenwald sobre hackeamento de celulares e se pretendem divulgar o fato ou apenas leva-lo em banho maria, pois não vem ao caso, conforme a agenda?

Responder

Volin Rabáh

21 de janeiro de 2020 às 14h18

Essa comunista gostosa de Iphone não ganha nada, vai tomar uma surra nas próximas eleições que vai até pena desta comunistazinha de araque….

Responder

Alan C

21 de janeiro de 2020 às 13h12

Texto muito interessante, a política dos comuns já é uma realidade na Europa, que passa por uma crise social interminável.

Só tenho duas críticas, a primeira é que com o PT não tem conversa, este partido não vai abrir mão de nada, é da sua natureza, nada que não coloque o PT como principal e único vai ser abraçado por ele. Aliás, não basta apenas ele ser o chefe, os outros tem que ser submissos às suas vontades, entenda-se a vontade de Lula.

A segunda é que não simpatizei com alguns dos eixos temáticos do movimento dos Comuns no Brasil, direitos humanos já é uma coisa universal, consta em todos os tratados internacionais que o Brasil e 95% do mundo são signatários, é política comum que deve sim ser sempre enfatizada, porém, colocar isso como eixo temático me pareceu chover no molhado e fica parecendo uma provocação à direita, pq onde ela governa no mundo os direitos humanos são, majoritariamente, respeitados.
A bozolândia é um caso (ridículo) à parte, se falar pra Angela Merkel que o palhaço bozo é de direita assim como ela, vai ter briga…

Outro eixo que achei desnecessário, “deliberação e transparência”, ora, isso é caráter e tb deveria ser algo universal, não é algo exclusivo de uma corrente política, pelo menos não deveria ser… O eixo “democracia” tb se encaixa nisso.

Por último, “resistência ao governo autoritário do bozo” achei pequeno demais, deveria ser apenas resistência à governos autoritários, todos eles, seja qual governo for.

No mais a Manuela D’Ávila é uma liderança e vai ser eleita para a prefeitura de Porto Alegre, e é por aí que se começa um grande movimento, governando e mostrando resultados para o povo.

Responder

21 de janeiro de 2020 às 11h07

No primeiro ano do governo Lula todos os partidos citados estavam representados. Mas Lula escolheu o ajuste fiscal e a reforma da previdência como centrais naquele momento. Deu tempo e meios para que a Globo se recuperasse

Responder

Wellington

21 de janeiro de 2020 às 10h17

E’ pra rir de graça mesmo uma palhaçada dessa ou tem de pagar algo…?

Responder

    Artfux

    21 de janeiro de 2020 às 11h02

    Ou, “demagogia 2.0”

    O nada teórico recheado de oportunismo.

    E ainda vão perder a eleição!

    É tanta esperteza que até doí!

    Responder

    Batista

    21 de janeiro de 2020 às 11h19

    Não se deve rir daquele que lê e não entende e, pior, pensa que entende, de tal forma convicto, como Moro, quer pelo filtro do cinismo, caso do premiado ‘ministro da justiça’, quer pela falta do filtro da modéstia, caso do medíocre comentarista em questão.
    IMPRECIONANTE, diria o sinistro da ‘educassão’ se soubesse ao menos ler a Caminho Suave.

    Responder

      Wellington

      21 de janeiro de 2020 às 11h28

      Era pra rir mesmo entào, vamos rir….Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Responder

    Volin Rabáh

    21 de janeiro de 2020 às 14h14

    kkkkk verdade….. só rindo desta esquerda mesmo,

    Responder

Deixe uma resposta