Ato público pela valorização do serviço público

Flickr do Ministério da Economia

Brasil terá “Centro Afiliado para 4ª Revolução Industrial”

Por Redação

22 de janeiro de 2020 : 19h01

O Consórcio de governadores do Nordeste deveriam pensar na possibilidade instalarem algo parecida na região.

***

No Ministério da Economia

Governo anuncia, em Davos, primeiro Centro Afiliado para 4ª Revolução Industrial no Brasil

Centro será instalado em São Paulo, em maio, com o objetivo de preparar as empresas para a quarta revolução industrial

Publicado: 22/01/2020 18h02
Última modificação: 22/01/2020 21h03

O secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia (Sepec/ME), Carlos Da Costa, anunciou nesta quarta-feira (22/1), em Davos, na Suíça, a instalação do primeiro centro afiliado ao Fórum Econômico Mundial focado na indústria 4.0 (C4IR) no Brasil.

“O lançamento deste Centro é um passo importante para garantir que o país se beneficie da quarta revolução industrial, alavancando investimentos em tecnologias emergentes para aumentar a produtividade, a competitividade e o desenvolvimento social”, afirmou Da Costa.

O Centro entrará em operação em São Paulo ainda no primeiro semestre deste ano. A previsão é de que a inauguração seja feita em maio, durante o Fórum Econômico Mundial para a América Latina que será realizado em São Paulo. O governo espera com o novo Centro estimular a adoção de novas tecnologias e melhorar a inserção do Brasil nas cadeias globais de valor, ampliando a competitividade e a produtividade das empresas brasileiras.

Esta é uma iniciativa conjunta do governo federal (Ministério da Economia/Sepec), do governo do estado de São Paulo (Secretaria de Desenvolvimento Econômico) e do Fórum Econômico Mundial, que visa acelerar e escalar a adoção de tecnologias emergentes, como Internet das Coisas e Inteligência Artificial, abordando os principais desafios econômicos, sociais e de desenvolvimento.

“Estamos entusiasmados com o fato de o Brasil se juntar à rede do Centro da Quarta Revolução Industrial. Como a maior economia da América Latina, o Brasil é visto como um modelo para a região. Estamos ansiosos para acelerar e escalar o impacto das tecnologias da Quarta Revolução Industrial para que muitos possam se beneficiar”, ressaltou o diretor do Centro da 4ª Revolução Industrial do Fórum Econômico Mundial, Murat Sönmez.

C4IR Brasil

O Centro será uma parceria público-privada, concebida pelo Ministério da Economia e pelo governo do estado de São Paulo e apoiada por empresas de atuação global, como AstraZeneca e Bracell.

O C4IR Brasil vai funcionar em São Paulo/SP, no campus do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT). Com isso, o Brasil se insere na rede dedicada à governança global de tecnologia junto com China, Japão, Índia, Colômbia, Israel e Emirados Árabes. Como parte da rede global do Fórum Econômico Mundial, as equipes trocarão conhecimento e irão acelerar o processo global de adoção de tecnologia.

Inicialmente, o Centro da 4ª Revolução Industrial no Brasil atuará com marcos regulatórios e políticas públicas que acelerem a implementação, no território nacional e no mundo, de políticas de dados, Internet das Coisas, cidades inteligentes, robótica, Inteligência artificial e blockchain.

De acordo com Carlos Da Costa, o Brasil ainda está longe da maturidade na indústria 4.0. “Somente 7,5% das empresas usam Indústria 4.0 com excelência, e só 2% das empresas brasileiras estão no estágio mais avançado de indústria 4.0, o que dá a dimensão da importância dessa parceria”, afirmou.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Alan C

22 de janeiro de 2020 às 20h50

Falando em bozolês: É uma imprecionante bobageirada!!

Golpearam a indústria nacional desde 2016 e agora vem com esse blablabla que só deve enganar bolsominion cérebro de camundongo!

Responder

Paulo

22 de janeiro de 2020 às 19h34

Enfim uma medida sensata e urgente. Vamos ver se funcionará com efetividade!

Responder

Abdel Romenia

22 de janeiro de 2020 às 19h17

De zero jà pularam para a quarta….? Kkkkkk

Responder

Deixe uma resposta