07.04 Coletiva com ministro da Saúde (ao vivo)

Equipe de "Democracia em vertigem" faz protesto em cerimônia do Oscar Foto: Reprodução Twitter

Luiz Moreira: não aprendemos nada com Sartre?

Por Redação

12 de fevereiro de 2020 : 18h15

“Democracia em vertigem”

Por Luiz Moreira

​​​​​​​Claro que se trata de sucesso da indústria cinematográfica, coroado com a indicação ao Oscar. A discussão sobre se o filme é ou não peça do sistema deveria se encerrar com essa indicação: é do sistema.

Vi o filme e tenho muitas reservas à sua narrativa, como as diversas cenas em que os protagonistas se deixavam filmar, especialmente em três ocasiões: (1) as que ocorreram em veículos oficiais; (2) as que transcorreram, no que parece ser um hotel, após o resultado da votação na Câmara dos Deputados; e (3) as que sugerem que as obras de restauração no Palácio do Alvorada decorreram, em Collor e em Lula, de esquema de corrupção.

Explico.

Não julgo apropriado que autoridades da República posem para a indústria cultural, como se se tratasse de depoimento ou de documento oficial. Fosse isso haveria dever/obrigação dessas autoridades de revelar, após as cenas de recebimento do processo de impeachment, quem os teria traído e o porquê. Trata-se de ficção ou de documentário?

Não me agrada que a indústria cultural de Hollywood seja tratada como porta-voz da política progressista na América Latina, como se atores e diretores fossem meros expectadores neutros do que ocorre nas chamadas “repúblicas de bananas”.

A propósito: também não me agrada que o líder da igreja católica seja tratado como alguém de vanguarda, elevado, pelas hostes progressistas, à condição de mediador dos conflitos mundanos. Fosse isso aceitável, a condição de líder religioso deveria ser compartilhada com líderes de outras religiões, inclusive às de matriz nacional, como os evangélicos e os umbandistas.

Voltando à “vertigem”: não discuto as qualidades inerentes à sua produção, mas a forma ingênua que intelectuais de esquerda recepcionaram o filme. Ante essa adesão acrítica recordo postura oposta de Jean-Paul Sartre, que, em 1964, recusou o Nobel de literatura e seu estratosférico prêmio em dólares.

Os progressistas não aprendemos nem com Sartre?

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Cláudio

16 de fevereiro de 2020 às 06h21

Vou no popular: Direitistas, vão tomar nos cus, idiotas!!!!!

Responder

Robert

13 de fevereiro de 2020 às 14h28

Tsc, tsc, tsc.

Responder

Paulo

12 de fevereiro de 2020 às 19h02

“A propósito: também não me agrada que o líder da igreja católica seja tratado como alguém de vanguarda, elevado, pelas hostes progressistas, à condição de mediador dos conflitos mundanos”.

Não nos agrada. A mim, porque o Sumo Pontífice está sendo enganado, ainda que não fale, ao tratar de assuntos seculares, “ex cathedra”. Ao articulista, porque o Papa estaria sendo elevado a uma dignidade que não possui para falar sobre o assunto. É desonestidade intelectual da esquerda, somente isso.

“Fosse isso aceitável, a condição de líder religioso deveria ser compartilhada com líderes de outras religiões, inclusive às de matriz nacional, como os evangélicos e os umbandistas”.

E quem disse que os evangélicos são de “matriz nacional”?

Responder

Andressa

12 de fevereiro de 2020 às 18h21

Alguem viu as troupes dos filmes de outros Paises fazendo essas palhaçadas de terçeiro mundo com esses cartazes idiotas….?

E’ possivèl que o brasileiro seja obrigado a transformar tudo que fàz em uma palhaçada ridicula ?

Responder

    Alan C

    12 de fevereiro de 2020 às 19h22

    Sim, vimos.

    Responder

Deixe uma resposta