Jornal da Forum: Lula quer reindustrializar o Brasil!

Pesquisa XP: 35% ainda culpam governos Lula e Dilma por situação econômica atual, contra 19% que a atribuem a Bolsonaro

Por Redação

20 de julho de 2020 : 18h41

Pesquisa XP 20 de Julho: Aprovação de Bolsonaro mantém tendência de alta

A pesquisa é a primeira desde a divulgação do vídeo da reunião ministerial de 22 abril, no âmbito do inquérito que investiga se houve tentativa de interferência de Jair Bolsonaro na Polícia Federal.

20/07/2020 às 14:18:00

Conteudos XPI — A rodada de julho da pesquisa XP/Ipespe traz uma série de indicadores de melhora na percepção da população sobre o governo Jair Bolsonaro. No principal deles, a aprovação manteve tendência de alta, indo a 30%, dois pontos a mais que em junho, e a reprovação voltou a oscilar negativamente, indo a 45%, três pontos a menos que no mês anterior.

Também manteve tendência de alta a avaliação positiva da atuação do presidente na crise do coronavírus, movimento observado desde maio, além de ter sido registrada melhora na percepção de que a economia está no caminho certo, que passou de 29% para 33%.

Com os movimentos, os indicadores se aproximam dos observados antes da saída do ministro Sergio Moro do governo, que provocou deterioração de indicadores de imagem do presidente.

Foram realizadas 1.000 entrevistas de abrangência nacional, nos dias 13, 14 e 15 de julho. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais.

A pesquisa é a primeira da série que acontece depois da prisão de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro. Entre os entrevistados, 77% dizem ter conhecimento das investigações e 54% dizem que ela afetará pouco ou nada o governo Bolsonaro.

Em relação à fase “paz e amor” de Bolsonaro, cerca de metade dos entrevistados diz não ver alteração na atuação de Bolsonaro e sustenta que ele está “com o mesmo comportamento de sempre”. Outros 28% dizem que ele está mais tolerante e aberto ao diálogo, enquanto 9% o veem menos tolerante.

Veja na íntegra aqui.

PS Cafezinho: confira abaixo as tabelas estratificadas. Ela mostra que a aprovação de Bolsonaro melhorou essencialmente nas periferias e entre as famílias com renda abaixo de 5 mil, e no Norte e Nordeste.

Sua rejeição nas capitais não se alterou, e está em 56% de ruim e péssimo, assim como entre pessoas com ensino superior e renda acima de 5 mil.

Entre eleitores homens, Bolsonaro tem 36% de ótimo e bom, e 40% de ruim e péssimo; entre mulheres, tem 24% de aprovação e 50% de rejeição.

Outro ponto na pesquisa que ajudou Bolsonaro é que aumentou o percentual de eleitores que culpa “outros fatores” pela situação econömica atual.

Segundo a pesquisa, 25% culpam “outros fatores”, outros 35% culpam Lula e Dilma, e apenas 19% culpam Bolsonaro.

Chama atenção o peso de Lula: 24% culpam seu governo pela situação, contra apenas 11% que culpam a administração de sua sucessora, Dilma Rousseff.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Alexandre Neres

21 de julho de 2020 às 01h23

Em análise sucinta e óbvia, esse percentual ressaltado naturalmente pel’O Cafezinho, mostra tão somente que, para o gado, o inimigo a ser batido pelo boçal-ignaro continua a ser Lula. Para vencer essa batalha, o mito conta, desde Paris, com o apoio indefectível de Ciro Gomes, que está todo dia nas rádios, jornais, blogues, lives, descendo a ripa em Lula e no PT, o que lhe propicia inúmeros convites para parlapatar no dia seguinte, exercendo seu legítimo direito de ser um quinta-coluna.

Responder

Rodolfo Matos

20 de julho de 2020 às 21h35

“Chama atenção o peso de Lula: 24% culpam seu governo pela situação, contra apenas 11% que culpam a administração de sua sucessora, Dilma Rousseff.”

Aparentemente a maioria deles é do mesmo espectro que apoia incondicionalmente o governo atual e continuará sendo assim enquanto houver bolsonarismo. Não deveria surpreender e tampouco servir como pretexto pra forçar a esquerda a dialogar com o espectro antagonista e é por isso que a esquerda em geral deveria focar suas campanhas para o povo que irá às urnas pela primeira vez.

Responder

    Batista

    21 de julho de 2020 às 11h22

    “Não deveria surpreender e tampouco servir como pretexto pra forçar a esquerda a dialogar com o espectro antagonista…”

    Ô Rodolfo…
    Não surpreende-os, mas serve sim de pretexto para tentarem fazer o que a classe dominante não conseguiu, em 42 anos, e de forma mais exagerada a partir de 2014 com a lava-jato e tudo mais que possível fosse, destruir o PT, e no caso dessa ‘esquerda’, através de risíveis alianças, transações heterodoxas e divulgações de informações como essa, disponibilizada por banqueiros, para inacreditavelmente terem o caminho desimpedido para construírem algo semelhante ao que, como força auxiliar dissimulada da classe dominante, tentam ora destruir ao invés de integrar-se, contra o que pensa-se até então, ser o inimigo comum.

    Quem sabe, daqui a 42 anos, como se possível fosse, essa gente ‘bem intencionada e com visão nenhum pouco egoísta’, consiga o que jamais antes conseguiu-se, nessa amplitude e profundidade, no Brasil, conforme atesta a nossa história, factualmente.

    Força auxiliar da classe dominante, só faltava essa…

    Responder

Jerson7

20 de julho de 2020 às 19h17

Esse ano de 2020 prometia ser bom para a economia, infelizmente essa porcaria de virus estragou tudo.

Responder

Hilux12

20 de julho de 2020 às 19h16

Os brasileiros culpam Lula porque sabem que a Dilma é uma retardada completa e por tanto nao pode ser responsabilizada de nada pelo que diz e faz.

Responder

Jerson7

20 de julho de 2020 às 19h12

Assim que passar a pandemia Bolsonaro volta ao patamar pre pandemia ou perto e pelo que parece pretende marcar presencia e avançar no NE…certamente atè 2022 ganharà uma cota de votos que em 2018 foram para esquerda por là.

Responder

Paulo

20 de julho de 2020 às 19h05

O que um Auxílio-Emergencial não faz…Porém, se formos imaginar uma relação de causa e efeito, em que o PT é a causa e o Capetão o efeito, a culpa maior é de quem – por ação e omissão – deu causa a que um celerado assumisse a presidência da República…

Responder

    Rodolfo Matos

    21 de julho de 2020 às 08h27

    Isso é chamado desonestidade intelectual. É equivalente, por exemplo, a culpar uma vítima de estupro pela ocorrência desse estupro.

    Responder

Deixe um comentário

O 2021 de Bolsonaro O 2021 de Ciro Gomes O 2021 de Lula Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade