Live do Cafezinho: bate papo com o cineasta cearense Wolney Oliveira

Irritado com a debandada, Guedes espera maior compromisso de Bolsonaro com a agenda liberal

Por Gabriel Barbosa

12 de agosto de 2020 : 15h24

Depois de acumular baixas como a de Salim Mattar (Desestatização), Paulo Uebel (Desburocratização), Rubem Novaes (Banco do Brasil) e Mansueto Almeida (Secretaria do Tesouro Nacional), o ministro da Economia Paulo Guedes disse a interlocutores que o presidente Jair Bolsonaro precisa ter maior compromisso com a agenda liberal.

Guedes não cogita deixar o cargo, mas também não deixará de comunicar sua insatisfação e irritação com o Planalto que têm procurado brechas para fugir do teto de gastos, medida considerada intocável pela equipe econômica.

Apesar de Bolsonaro ter dito nas redes sociais que não abandonou as privatizações e o “estado mínimo”, alguns técnicos da equipe de Guedes temem que o presidente deixe de lado o ajuste fiscal e o mantra liberal da campanha para aumentar os gastos da União em prol da reeleição.

Gabriel Barbosa

Jornalista com passagens pelo Grupo de Comunicação O POVO (Ceará), RedeTV! e Band News FM.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Justiceiro

12 de agosto de 2020 às 22h30

Esse governo tá desesperado, não sabe mais o que fazer, a agenda pseudo liberal naufragou lindamente e os ativos do Brasil não estão valendo mais nada.

Esse governo já morreu, só esqueceu de cair.

Responder

Paulo

12 de agosto de 2020 às 18h07

“Agenda Liberal”: o que seria isso? Acordos com o “Centrão”? R$ 1,4 trilhão aos banqueiros (mais que a suposta economia com a Reforma da Previdência)? Fraudes em Fundos de Pensão? Empréstimos privilegiados no BNDES?

Responder

Kleiton

12 de agosto de 2020 às 16h00

Não é fácil desinfetar um estado aparelhado e parasitados por décadas por bandidos camuflados de políticos.

Os tempos da política também são bíblicos e isso não ajuda em nada.

Responder

Deixe uma resposta