Live do Cafezinho: o caso Samuel Borelli, quando a esquerda produz fake news

No Pânico, Ciro Gomes propõe um Projeto Nacional em oposição a Bolsonaro

Por Redação

30 de setembro de 2020 : 20h56

Nesta terça-feira, 29, o vice-presidente Nacional do PDT, Ciro Gomes, concedeu entrevista ao programa Pânico na Jovem Pan.

Durante a conversa, o pedetista defendeu a implementação de um Projeto Nacional de Desenvolvimento como saída para a crise econômica e a falência nas contas públicas.

Assista a entrevista completa!

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

25 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Miramar

03 de outubro de 2020 às 12h08

Adriles: sem ressentimentos. Também desejo o melhor para você. Se porventura alguém estiver lendo essa conversa é fácil encontrar os índices comparativos dos diferentes sistemas tributários do mundo.

Jandir: o Zé da Mercearia e o João da Oficina Mecânica não são patrões e sim trabalhadores desempregados. E de fato pagam muito mais impostos e possuem menos acesso ao crédito do que deveriam. Já o Lehmann e o Safra…

Responder

    João da Silva

    05 de outubro de 2020 às 20h38

    O q seria d vcs sem a retórica, neh. Não, meu caro, eles nao sao trabalhadores desempregados. São os donos do negócio. São empregadores. São os q meteram a mão no bolso e arriscaram investir. São heróis. Quase malucos.

    Responder

adriles

01 de outubro de 2020 às 20h02

Pegue as empresas listadas no S&P500. Todas elas existem por planejamento estatal, né? Sem mais…

Responder

    Miramar

    02 de outubro de 2020 às 00h58

    Exatamente, Adriles!
    Só existem por planejamento estatal. Seja de forma direta ou indireta. Afinal, não podemos esquecer que dos dez maiores bancos do mundo, cinco são bancos estatais chineses. Não, eu não me identifico com o regime político chinês. E é sempre bom lembrar que o tamanho de uma empresa nem sempre tem relação direta com o desenvolvimento social de uma.nação.
    E essa S&P 500 só serve pra servir de auto ajuda pra acionista privado. Gente que não está interessada na industrialização de um país como o Brasil.

    Responder

      adriles

      02 de outubro de 2020 às 19h58

      Faz-me rir. Surgiram pq alguem se sentiu confortável em pegar dinheiro poupado ou emprestar de terceiros para tentar ganhar mais dinheiro. E continuam existindo pq são exitosos nisso. Simples assim. Aqui isso é beeem mais difícil pq o Estado atrapalha demais.

      Responder

        Miramar

        03 de outubro de 2020 às 01h19

        Você é incapaz de citar um único exemplo do que cita. Nunca ninguém ficou rico na história da humanidade sem a presença do estado. Sem exceção. Até a Internet que você está utilizando teve presença determinante do Exército estadunidense desde o seu início. Exército estadunidense que, bem, é uma Instituição de estado.

        Deixo claro que meu interesse de compreensão sempre foi muito mais dos países do que das empresas. De qualquer forma as empresas que você admira surgiram em países que possuem planejamento estatal da exploração dos recursos naturais, protecionismo, atuação forte do estado na economia, tributação dos lucros.

        Se você acredita que um rico paga mais impostos no Brasil que nos Estados Unidos você está tremendamente mal informado. Não existe um único país do mundo com uma carga tributária mais regressiva que o Brasil. Nenhum.

        Responder

          adriles

          03 de outubro de 2020 às 10h52

          Eu nao vou perder meu tempo precioso caçando links pra te esfregar na cara. Até pq não tenho interesse em pregar pra convertido. Quem ler isso aqui e tiver interesse pode procurar a vontade no Google e confirmar o q digo. Passar bem.

      jandir

      02 de outubro de 2020 às 20h25

      Se lá fora o Estado planejou algo foi não atrapalhar a livre iniciativa e o ambiente de negócios. Não foram poucas as vezes que ouvi gente falando q no Brasil é melhor ser empregado do q patrão. O problema é q isso é uma inversão de valores. Tá errado! Empregado não dá emprego! Que dá emprego é o empresário, é o patrão. Levando ao extremo, se acabarem os empresários acabam-se tbm os empregos. Já o contrário não é verdadeiro.

      Responder

        Miramar

        03 de outubro de 2020 às 01h02

        Não existe “lá fora”. Existem exemplos concretos e você não deu nenhum. O Brasil é um dos dois únicos países do mundo que tributa lucros e dividendos.
        Existem países do mundo em que a carga tributária chega a quase metade dos salários e, bem, não são países comunistas. A Alemmanha possui a folha de pagamento mais onerosa do mundo e é a economia mais competitiva da Europa.

        A ideia de que patrões conseguem sobreviver sem empregados é risível. Certamente mantém seu a empregados por espírito caritativo, quem sabe?

        Quanto a ideia de que é melhor ser empregado do que ser patrão e isso é uma inversão de valores, além descer fruto de uma mentalidade infantilmente ressentida é um problema fácil de resolver: se você for um patrão feche sua empresa e vá viver como empregado. Tenho certeza que o Joseph Safra e o Jorge Paulo Lehmann irão te acompanhar. É essa aliás a grande necessidade do estado: não permitir que mentalidades como a sua prosperam.

        Responder

          jandir

          03 de outubro de 2020 às 10h48

          Outro grande erro seu (esperado): generalizar a exceção. Lehman e Safra?? Fala sério. Tou falando do Zé da mercearia ou do João da oficina mecânica.

gilmar sussegadão

30 de setembro de 2020 às 22h34

Conversa fiada. Projeto nacional cada um vai ter o seu.
Tem q é diminuir o estado, acabar com os ralos e privilégios dos políticos e tratar de fazer o dinheiro ficar no bolso das pessoas.

Responder

    Miramar

    30 de setembro de 2020 às 23h55

    Prezado Gilmar:
    Suas ideias nunca tiveram êxito em lugar algum do mundo.

    Responder

      gilmar sussegadão

      01 de outubro de 2020 às 15h26

      Ah não?? Já ouviu falar dos Estados Unidos?? E a Europa ocidental inteira?? Alemanha?? Japão?? Nova Zelândia? Austrália? Letônia, Estônia, Lituânia e Finlândia?? Até mesmo o Chile e o Uruguai a partir do presidente Lacalle Pou poderiam entrar nessa lista.
      Engraçado que os países mais centralizados e autoritários, com menos liberdades individuais e com grandes castas políticas são sempre aonde se encontram os piores índices de pobreza.
      Não há mistério: livre mercado com diminuição do Estado faz as pessoas enriquecerem! Só não pode mais ficar esperando esmolinha do governo.
      Governo grande, centralizador de tudo e concentrador de poder é a pior coisa que existe. Políticos não são solução, são problema.

      Responder

        Miramar

        01 de outubro de 2020 às 18h43

        Por partes:
        Os Estados Unidos são um dos melhores exemplos de planejamento estatal da economia na história da humanidade.

        O Japão e a Alemanha nunca praticaram o liberalismo econômico em nenhum momento da história.

        Adoraria ver o modelo político e econômico da Nova Zelândia e da Finlândia se espalhar para todas as nações do planeta.

        Lituânia e Letônia cobram impostos sobre grandes fortunas, diferente da Estônia que é o único país do mundo, ao lado do Brasil que não o faz. Mas até lá isso já está sendo discutido.

        Em alguns aspectos, o Brasil possui melhores serviços sociais que o Chile, o campeão mundial de suicídios de idosos. Não é o caso da educação pública, que é totalmente pública da pré-escola ao fim do ensino fundamental.

        O Uruguai é um excelente exemplo de presença ativa do estado na economia e nos serviços públicos. Lacalle Pou é um presidente que tem uma visão de mundo oposta a minha, mas está longe de se parecer com a direitinha chinfrim do Brasil. Mas até aí o Uruguay também possui uma esquerda infinitamente melhor que a nossa.

        Você parece fazer uma confusão danada entre estado forte e ativo no planejamento da economia, regra durante a maior parte da história recente da humanidade ( incluindo aí a Europa Ocidental inteira) e a ideia de que isso significa o asfixiamento ou mesmo a extinção da livre circulação de mercadorias (geralmente é isso que em liberalês se designa por “mercado”). A verdade é que isso não acontece nem sequer na maior parte das economias planificadas.
        Que diga-se de passagem não fazem parte das minhas referências ideológicas.

        Em tempo:os países onde se vigora Estado de bem estar social são pioneiros em avanço significativos relativos as liberdades individuais. Que para mim são a coisa mais importante da vida.

        Quanto a ideia da associação entre enriquecimento pessoal e liberdade, lamento, mas você parece ser uma vítima da debate estreito e raso que vigora nos facebooks e zaps da vida. Recomendo que você amplie suas leituras.

        Responder

          adriles

          01 de outubro de 2020 às 20h06

          Pegue as empresas listadas no S&P500. Todas elas existem por planejamento estatal, né? Sem mais…
          Estado bom é Estado q não atrapalha!

          Paula

          03 de outubro de 2020 às 23h11

          Miramar, obrigada pela paciência em responder a estas pessoas.. ótimas respostas, bem completas, coerentes e, super importante, com argumentos verdadeiros, mas servem apenas para quem está interessado em dialogar e ouvir argumentos, o que, infelizmente, não é o caso.. =(

Jerson7

30 de setembro de 2020 às 21h49

É pra rir…?

Coloquem as instruções no final das matérias para que ninguém fique na dúvida…..kkkk

Responder

Arthur Fonzarelli

30 de setembro de 2020 às 21h14

Depois do Hilux para um moleque do MBL esse maluco acabou de ter mais um carro e um imóvel (499 mil reais) penhorado por Collor.

No total chega perto de 500 mil reais perdidos pelas asneiras que fala, é sem dúvida um ótimo exemplo de administração…vai ser retardado pra lá !!! kkkkkkkkkk

Responder

    Arthur Fonzarelli

    30 de setembro de 2020 às 21h15

    (400 mil)

    Responder

      Miramar

      02 de outubro de 2020 às 01h09

      Se eu tivesse 500 mil reais eu abriria mão fácil em nome do direito de xingar racista e playboy safado. Estou me lixando pra dinheiro.
      Quanto às qualidades administrativas do Ciro, seu prêmio na ONU pelo combate a mortalidade infantil, seu empenho na reforma educacional do Ceará que começa a dar frutos agora ( Sobral possui a melhor educação pública do país há alguns anos e Fortaleza está chegando perto) sem falar das suas realizações nos Ministérios da Fazenda e da Integração Nacional. Sem falar que ele é o único político brasileiro a possuir um Projeto Nacional de Desemvolvimento, mas você não está preparado para essa conversa.

      Responder

        Arthur Fonzarelli

        02 de outubro de 2020 às 18h56

        “Se eu tivesse 500 mil reais eu abriria mão fácil em nome do direito de xingar racista e playboy safado”

        Cada um de nòs se orgulha do melhor que consegue na vida….kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

        Responder

          Miramar

          03 de outubro de 2020 às 00h47

          Se o que você possui de melhor para se orgulhar é seu dinheiro seu horizonte é muito limitado.

        Jerson7

        02 de outubro de 2020 às 19h03

        E’ cada asneira…kkkkkkk

        Responder

          Miramar

          03 de outubro de 2020 às 01h23

          Já possuo todo o essencial para minha sobrevivência pessoal, o que me proporciona o luxo de não estar nem aí pra dinheiro. Lamento se isso te decepciona.

        Maxsiminio

        02 de outubro de 2020 às 23h11

        Fico feliz por saber e viver, em um pais aonde existe pessoas ainda que pensam e se preocupam com outras pessoas.

        Responder

Deixe uma resposta