Live do Cafezinho: balanço dos partidos de esquerda

Unidade da esquerda para reconquistar o Rio de Janeiro

Por Redação

27 de outubro de 2020 : 11h26

Por Rodrigo Weisz e Theófilo Rodrigues

Cidade cosmopolita, espaço da diversidade e de experiências políticas inovadoras como os Conselhos Governo-Comunidade na gestão de Saturnino Braga e Jó Rezende, o Rio de Janeiro se tornou nos últimos anos a capital do conservadorismo brasileiro. Com Marcelo Crivella (PRB) na prefeitura da cidade, Wilson Witzel (PSC) no governo do estado, Rodrigo Maia (DEM) na presidência da Câmara dos Deputados e Jair Bolsonaro (PSL) na presidência da República, o Rio é hoje o berço das ideias atrasadas que tomaram conta de todo o Brasil.

O que a eleição municipal de 2020 nos oferece é a possibilidade concreta de virar esse jogo. Não obstante as pesquisas de opinião indiquem que o atual prefeito Crivella e o ex-prefeito Eduardo Paes (DEM) estejam na liderança da corrida eleitoral, as mesmas pesquisas também apresentam as fortes chances das candidatas do campo popular democrático de chegarem ao segundo turno e até mesmo vencer as eleições. Benedita da Silva (PT-PCdoB) e Martha Rocha (PDT-PSB) praticamente empatam com Crivella e podem com algum esforço ultrapassar o atual prefeito nas próximas duas semanas.

Infelizmente, por diversas razões que não cabem ser esmiuçadas, a unidade eleitoral entre os partidos de esquerda não foi possível no Rio de Janeiro. Nós, do PCdoB, envidamos todas as energias possíveis nessa direção. Sempre dissemos, em documentos, resoluções, e intervenções públicas, que o melhor para a cidade seria uma Frente Ampla de todos esses partidos, com a inclusão de até mesmo outros mais ao centro do espectro político, no embate contra as forças conservadoras representadas na chapa Crivella-Bolsonaro. Não obtivemos sucesso e nosso campo começou a eleição em setembro com três candidaturas legítimas: Benedita, Martha e Renata Souza (PSOL).

A unidade eleitoral, como dissemos, não foi construída. Mas isso não significa dizer que uma unidade política entre essas três candidaturas não possa existir. No entanto, não é isso o que temos assistido. Nas ruas e nas redes, lideranças políticas dos partidos das três candidatas se atacam mutuamente. Como se, para chegar ao segundo turno, fosse necessário atacar a companheira que pertence ao nosso mesmo campo. Nessa luta interna fratricida do campo progressista, quem sorri e festeja é a entourage de Crivella.

O chamado que nós, do PCdoB, fazemos aos companheiros do PT, do PDT, do PSB e do PSOL é para que cessem os ataques mútuos entre nossas candidaturas. Se somarmos nossas forças e priorizarmos a denúncia contra o desgoverno reacionário de Crivella, ele certamente estará fora do segundo turno. Nós, do PCdoB, estamos na campanha de Benedita da Silva e batalhamos para que ela vá ao segundo turno e vença a eleição. Mas, se por acaso outra candidatura progressista lá estiver, como Renata ou Martha, também contará com nosso mesmo entusiástico apoio.

Não tenhamos dúvida de que nossa vitória é possível. Ela depende apenas da nossa construção coletiva, generosa e fraterna. Em 2020, vamos reconquistar o Rio de Janeiro para em 2022 reconquistar o Brasil.

 Rodrigo Weisz é presidente municipal do PCdoB no Rio de Janeiro 

Theófilo Rodrigues é dirigente do PCdoB no Rio de Janeiro

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Valeriana

28 de outubro de 2020 às 09h14

A ultima véz que a esquerda féz campanha no Rio foi para eleger o Cabral…

Responder

José de Souza

27 de outubro de 2020 às 15h31

Muito bem colocado. Se a unidade da oposição democrática não foi possível, por razões diversas nem sempre o é, que ao menos cessem os ataques mútuos. O eleitorado progressista geralmente tende a convergir para uma das candidaturas. Para a unidade no segundo turno é importante não criar rusgas inúteis. Desde Saturnino – que foi covardemente boicotado – o Rio não tem um prefeito que preste. O desafio é grande.

Responder

Mateus Nogueira

27 de outubro de 2020 às 14h29

podemos resumir o texto com uma palavra: Lucidez

Responder

NeoTupi

27 de outubro de 2020 às 13h45

Um avanço esse post por não distribuir coices no PSol e no PT, se os querem como aliados em um possível 2o. turno.

Responder

Marco Vitis

27 de outubro de 2020 às 13h10

A direção do PCdoB sabe muito bem a origem dos ataques e as razões inconfessáveis. Parece que os dirigentes do Rio desconhecem as críticas produzidas por Ricardo Cappelli, do mesmo partido.
Quais são os sites que estão caluniando a Delegada Martha ? Até eu sei quem são…

Responder

Alan C

27 de outubro de 2020 às 12h18

Que texto contraditório, meu Deus….
Rodrigo e Theófilo, né? Vcs até começam bem, falam em união e blablabla, dizem lamentar não ter havido acordo e etc, para no final dizerem que estão com Benedita e que, pasmem:
“se por acaso outra candidatura progressista lá estiver, como Renata ou Martha, também contará com nosso mesmo entusiástico apoio”.
Mas o que houve com o “isso não significa dizer que uma unidade política entre essas três candidaturas não possa existir”?????????
Vai existir quando? No segundo turno quando só haverá uma ou nenhuma???
Faça um favor a todos PCdoB, continue se apequenando, servindo de linha auxiliar do lulopetismo e deixe os outros em paz.

Responder

Deixe uma resposta