Bahia: Refinaria privatizada provoca desabastecimento de Gás de Cozinha

Deputados lembram mil dias do assassinato da vereadora Marielle Franco

Por Redação

08 de dezembro de 2020 : 18h04

A vice-líder do Psol, deputada Fernanda Melchionna (Psol-RS), foi à tribuna lembrar nesta terça-feira (8) os mil dias passados desde o assassinato da vereadora Marielle Franco e de seu motorista, Anderson Gomes, mortos em uma emboscada no Rio de Janeiro em março de 2018. Vestindo uma camiseta com os dizeres “Quem mandou matar Marielle”, a deputada lembrou que o mandante do crime ainda não foi revelado, assim como os motivos que levaram ao assassinato.

“São mil dias sem a companheira Marielle Franco e sem o Anderson Gomes. São mil dias sem justiça em nosso País, são mil dias de impunidade, sem que Estado brasileiro responda quem mandou matar a nossa companheira, amiga, vereadora, mulher negra, combativa, generosa, dona de um sorriso do tamanho do mundo”, disse Melchionna.

A deputada também criticou as notícias falsas espalhadas contra a vereadora Marielle Franco e cobrou a punição dos culpados. Dois ex-policiais militares suspeitos de executar o crime estão presos, mas ainda não foram julgados. Os acusados são ligados a milícias no Rio de Janeiro.

Melchionna lembrou ainda as ameaças de morte dirigidas recentemente a outras parlamentares como Talíria Petrone e as vereadoras Duda Salabert, de Belo Horizonte, e Carol Dartora, de Curitiba. E destacou que punir os envolvidos no assassinato de Marielle Franco significa salvar a vida de outras vítimas da violência política.

Repercussão

O pronunciamento da deputada repercutiu entre os parlamentares de oposição. O deputado José Guimarães (PT-CE) afirmou que o assassinato da vereadora Marielle é um crime político que está impune. “Estamos irmanados nesta luta para esclarecer e identificar quem são os mandantes deste absurdo crime”, disse

A líder do PCdoB, deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC), também se aliou ao Psol. “Nossa solidariedade a todas as vítimas como Marielle Franco, uma mulher da política vítima exatamente de um assassinato político”, disse.

Para a deputada Érika Kokay (PT-DF), o assassinato de Marielle é uma tentativa de calar as ideias de um grupo. “São mil marielles que nascem todos os dias com ânsia de construirmos uma sociedade mais justa”, afirmou.

O deputado André Figueiredo (PDT-CE) também cobrou o esclarecimento do crime. “Queremos, é claro, que a morte de Marielle Franco possa ser esclarecida, para que a democracia não tenha uma página tão obscura dentro do nosso cenário já de tantas dificuldades”, avaliou.

A deputada Joenia Wapichana (Rede-RR) afirmou que Parlamento agir no combate à violência.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Jivaro

08 de dezembro de 2020 às 22h53

…como é possível que ninguém de quem vivia com ela não saiba onde ela foi mexer e não deveria ter ido ?

Os vereadores andam acompanhados de assessores o tempo todo, a namorada não sabe de nada, essa mulher sempre tinha alguém rodiando ela dia e noite, o trabalho dela era público e ninguém sabe qual foi o calo errado que ela apertou ?

Que o PSOL tenha aval do tráfico para entrar em algumas favelas para recolher votos não é nenhum segredo… será que ela quebrou algum acordo que tinha com essa gente ?

Responder

Renato

08 de dezembro de 2020 às 21h40

Dos mil dias do assassinato do bucha Anderson….que estava no lugar errado, na hora errada….ninguém se lembra.

Responder

Deixe um comentário