PARIS CAFÉ: Lula volta ao jogo e polariza com Bolsonaro. Quais os novos desafios?

Nomeação de Queiroga abala relação de Bolsonaro com Centrão

Por Redação

16 de março de 2021 : 15h38

A escolha de Jair Bolsonaro sobre o novo titular do Ministério da Saúde trouxe histeria por parte da bancada do Centrão. Após nomear o médico Marcelo Queiroga para substituir Eduardo Pazuello na pasta, o senador Ciro Nogueira (PP-PI) foi chamado as pressas por Bolsonaro.

No encontro que aconteceu na manhã desta terça-feira, 16, o líder pepista ouviu de Bolsonaro que escolheu Queiroga por questões pessoais e técnicas. O médico é próximo do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ).

Parlamentares do Centrão esperavam que o presidente aceitasse a indicação do grupo, o deputado federal Luiz Antonio Teixeira (PP-RJ) conhecido como Dr. Luizinho, mas não foi chamado para conversar com Bolsonaro.

Outro nome bastante falado nos bastidores foi do deputado federal Ricardo Barros (PP-PR) que foi ministro da Saúde no governo Temer (MDB).

O deputado Fausto Pinato (PP-SP) também demonstrou insatisfação com a atitude de Bolsonaro.

“Não adianta trocar o ministro se o presidente continuar sabotando a implementação das práticas de combate ao coronavírus que são adotadas pelo mundo inteiro”, disse na Folha.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Sebastião

17 de março de 2021 às 09h30

Tem uma entrevista de Kassab, que joga uma pá de cal, nas expectativas da candidatura do centrão ou terceira via. Kassab, diz: “Eu acredito muito que cada partido tem de ter o seu caminho. É evidente que, se puder estar junto no primeiro turno, pode até ser positivo. Mas estar juntos artificialmente não leva a lugar nenhum”. Ele fala que com Lula no páreo, a tendência é polarizar Lula x Bolsonaro. Até porque, centrão não tem votos. Será Direita x Esquerda. Buscam-se um nome conhecido pra enfrentar ambos, mas é só lembrar de Alckmin e Marina. Tiveram números muitos superiores a Ciro, e depois foram enxotados do segundo turno.

Responder

Paulo

16 de março de 2021 às 19h12

A compensação virá ao melhor estilo do velho “toma lá dá cá”…

Responder

Deixe uma resposta