PARIS CAFÉ: Lula volta ao jogo e polariza com Bolsonaro. Quais os novos desafios?

Bruno Araújo (PSDB) não descarta aliança com PDT em 2022

Por Redação

17 de março de 2021 : 17h25

O presidente Nacional do PSDB, Bruno Araújo, afirmou nesta quarta, 17, que o partido ampliou o diálogo com o PDT visando 2022 e não descartou aliança com os trabalhistas.

“Objetivamente, o PDT está no radar de todos nós. A candidatura de Lula leva todos nós a exercitarmos o diálogo mais amplo”, disse na Folha de Pernambuco.

Araújo ponderou a necessidade de apresentar uma alternativa a polarização entre PT e Bolsonaro.

“Se não houver exercício de desprendimento no campo do centro, a polarização se consolidará entre Lula e Bolsonaro”

“Não pode ter prato pronto! Temos que desarmar um pouco as pretensões pessoais nesse momento para construir alternativas de diálogo”, completa.

Além dos tucanos, o PDT também deseja atrair o DEM, PV e o Cidadania. No Maranhão, já existe uma aliança informal entre PDT e PSDB.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Mike Shimada

18 de março de 2021 às 04h56

Ciro nunca foi de centro e ele morreu com a chegada do Lula. Ponto. Até um estúpido consegue ler o cenário político.

Responder

Belchior Medeiros

17 de março de 2021 às 20h25

Uma frente de centro esquerda com Ciro na cabeça derruba bolsonaro e lula ao mesmo tempo.

Responder

EdsonLuiz.

17 de março de 2021 às 18h36

O amadurecimento político que o PCdoB apresenta aconselha que o grupo em torno do Ciro não deve perder de vista o PCdoB.

Como é uma força política com maior expressão no nordeste, deve ser discutida em conjunto com o PSB, mas o PCdoB não deve sair do retrovisor de Ciro.

Quando nada, só a maturidade e credibilidade de um quadro como Dino já enriquece uma frente. E olha que o PCdoB tem entre seus filiados vários outros quadros políticos iguais e até melhores que o governador Dino. O PCdoB é um celeiro de operadores políticos que por anos está limitado por muita proximidade com o PT é seu hegemonismo. A consequência é que essa proximidade com o PT estancou o PCdoB eleitoralmente. Seu arejamento pode ser em uma frente mais democrática e sem a hegemonia de um grupo.

Responder

Deixe uma resposta