Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Adeus, terceira via?

Por Miguel do Rosário

26 de abril de 2021 : 20h15

A jornalista Daniela Lima, da CNN Brasil, postou alguns tweets e, em seguida, trecho de vídeo, em que fala sobre pesquisas qualitativas de “partidos de centro”, segundo as quais a polarização entre Lula e Bolsonaro estaria cristalizada.

Isso significaria, segundo ela, o estrangulamento da “terceira via”.

É preciso tomar cuidado, naturalmente, com “pesquisas” que existem apenas na boca de políticos e jornalistas. Frequentemente elas são divulgadas tendo em vista uma agenda política, sobretudo considerando que políticos de centro podem ser, em tese, aliados de qualquer um. Ou seja, podem ser adeptos de Bolsonaro, de Lula ou da terceira via. Ou dos três ao mesmo tempo, ao sabor dos ventos. 

O valor da informação oferecida pela CNN, no entanto, reside no fato de que ela faz sentido, e tem sido confirmada por diversas pesquisas registradas e abertas ao público.

O Brasil vive hoje um momento de intensa polarização entre Lula e Bolsonaro.

Segundo a jornalista da CNN, os partidos de centro discutem hoje sobretudo três nomes: Mandetta, ex-ministro da Saúde de Bolsonaro, Eduardo Leite, ex-governador de Bolsonaro, e Ciro Gomes, vice-presidente do PDT. Ela faz uma pausa dramática antes de falar o nome de Ciro, e depois explica, com um sorriso enigmático, que o pedetista é o nome mais difícil, por causa da dificuldade de conciliar o seu programa econômico com partidos como o DEM.

Luciano Huck, diz a colunista, já seria carta fora do baralho, por conta de seus interesses profissionais, e também talvez por não enxergar mais lugar para si em 2022.

A falta de espaço para uma terceira via não é consenso entre analistas, sobretudo porque as pesquisas também apontam um percentual em torno de 40% de eleitores que não querem votar nem em Lula nem em Bolsonaro. Caso este percentual se consolide ou se amplie em outras pesquisas, talvez se abra algum espaço para uma alternativa.

O Paraná Pesquisas publicou pesquisa, em março último, sobre o tema. Segundo a pesquisa, 46% não se consideram nem bolsonarista nem lulista. O mais preocupante aqui é que 27,6% se consideravam mais bolsonaristas, contra 22% de lulistas. A pesquisa foi feita entre os dias 15 e 19 de março, mais de uma semana após a decisão do STF que anulou os processos do ex-presidente Lula, restituindo seus direitos políticos. 

A pesquisa da Exame/Ideia, mais recente, também traz uma questão semelhante, onde 41% dos entrevistados responderam que prefeririam que o próximo presidente não fosse Lula nem Bolsonaro:

 

As eleições presidenciais estão marcadas para outubro de 2022, de maneira que, hoje, faltam aproximadamente 17 meses para os eleitores depositarem seu voto nas urnas. 

O cenário hoje, segundo pesquisa Exame/Ideia divulgada há alguns dias, é assim:

A polarização é gigante: 65% dos eleitores votam em Lula ou Bolsonaro. É evidente que uma eventual terceira via apenas se poderá se viabilizar se “roubar” uma parte dos votos de um dos dois pólos que lideram a disputa. 

Em abril de 2017, ou seja, a 17 meses das eleições de 2018, o cenário eleitoral era assim, segundo o Datafolha:

A eleição de 2018 foi sui generis porque, como se pode ver, não havia propriamente uma polarização, mas um líder e dois ou três candidatos disputando o segundo lugar.

Bolsonaro, a esta altura do campeonato (estamos em abril de 2017), tinha 15% das intenções de voto e seu principal adversário era Lula, que seria posto para fora do páreo mais tarde, deixando o caminho livre para sua vitória. 

Repare, por outro lado, que os 15% de Bolsonaro era um fenômeno recente. Poucos meses antes, em agosto de 2016, ele tinha 9% das votos, e ainda um pouco antes, em julho de 2016, 7%.

Conclusão

Há, de fato, uma polarização cristalizada entre Lula X Bolsonaro, muito mais do que vimos em eleições anteriores. Além do mais, os 15% de Bolsonaro em abril de 2017 enganam um pouco, porque ele já tinha 20% entre homens, por exemplo, e superava Lula entre eleitores com ensino superior (entre os quais tinha 21%, contra 17% de Lula) e entre eleitores com renda familiar superior a 5 salários (entre os quais tinha quase 30%).

Ou seja, a 17 meses das eleições de 2018, Bolsonaro já era um fenômeno na classe média.

 

Daniela Lima, a âncora da CNN citada no início do post, diz que as pesquisas dos tais “partidos de centro” indicam que Bolsonaro dificilmente cairia abaixo dos 25%. 

Em suma, embora os números apontem para a existência de um campo “nem-nem” razoavelmente grande para se avançar, os caminhos para se furar a polarização ainda parecem extremamente estreitos.  

Entretanto, como dizia o governador Magalhães Pinto, política é como nuvem, e, paradoxalmente, o próprio bloqueio a uma alternativa tem sido um dos principais motivos para um movimento, ainda incipiente, mas bastante ativo, de rearranjo de forças. 

Se haverá tempo para que esse rearranjo faça alguma diferença até 2022, apenas o tempo dirá!

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

43 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Manoel

28 de abril de 2021 às 07h51

No momento , cabem duas perguntas ; A- Bolsonaro chega ao 2°turno? B-Lula leva no 1°? Terceira via , é algo em torno de máximo de 12% e mínima de 5% , como previsão do tempo.

Responder

Marco Vitis

28 de abril de 2021 às 01h43

Minha intuição política diz que Bolsonaro não passará do primeiro turno.
Lula não será candidato porque sabe que será perdedor mesmo vencendo as eleições. E se perder as eleições, haverá uma degradação em sua imagem histórica.
Pesquisa hoje só serve pra especulação e manifestação de vontades…

Responder

Elves

27 de abril de 2021 às 21h47

Por favor não publique meu comentário pois acredito que em nada contribui para o debate. Desculpe.

Responder

Tiago Silva

27 de abril de 2021 às 21h27

Dentre os candidatos de “Centro”, leia-se Direita Golpista (aliás, não sei por que sites que se dizem progressistas aceitam essas imposições conceituais sem lastro com a realidade… Ou o DEM, PP, PR, PL, MDB, PSDB, etc são o quê??? Centro com base em que régua ou diagrama???)… Com obviedade o candidato a “Novo Collor” seria agora (após balões de ensaio queimados do Dória, Moro, Huck, etc) o Eduardo Leite ou Tasso se apostarem em um pseudo-Biden ou Danilo Gentili se apostarem em maior polarização (e busca de copiar tragédia política após Farsa Jato de lá que fez ascender Berlusconi e Beppe Grillo, sendo que Gentalha busca encenar algo entre eles e talvez seu parente Gentilli que foi ideólogo do Fascismo de Mussolini). Apostaria que a Direita Golpista iria com Eduardo Leite ou Tasso Jereissate, sendo que Eduardo Leite que teria maior potencial.

Lula tem um eleitorado histórico de algo em torno de 25%, Bolsonaro tem um eleitorado que se consolida em algo em torno de 25% (empresários, neopetencostais, Agro, etc) e Ciro eleitorado histórico de algo em torno de 10%… O que inviabiliza outros candidatos para o segundo turno.

Podem surgir fatos novos como impedimentos de Lula ou Bozo que embaralhei tudo ou ainda uma nova fakeada… Porém, as estratégias adotadas por Ciro pode ter inviabilizado a chegar como candidato do pólo da esquerda (hipótese buscada em 2018 quando se convidou Ciro a ser vice de Lula e no provável impedimento a esquerda se unisse na chapa de Ciro e Haddad, mas que Ciro não aceitou essa estratégia eleitoral).

Lula, Bozo, Ciro, Dória, Moro, Marina, Huck tem limites à ascenção pela taxa de rejeição alta que grudaram neles, pois Lula a rejeição decorre de mais de 10 anos de propaganda política da Farsa Jato e PIG que insuflaram o antipetismo pra extinguir partidos de esquerda, Bozo que tem a rejeição dos que divergem de sua psicopatia, Ciro tem rejeição que decorre de ter votado a partir de 2018 um “Biruta de Aeroporto” e perdeu a confiança do eleitorado petista (acho que hoje já seria tarde até para a dinheirama que vão pagar ao João Santana), Dória por já ter a peça de não confiável e ambição sem limites, Moro decorrente da exposição de seus crimes de corrupção, lesa pátria e ganância desmedida (que hj é bem simbólico a representação dele de interesses dos EUA com a Consultoria Marsal e Alvarez, etc)… Marina que foi desmascarada com o programa Neoliberal exposto em propaganda política que ele fica na cantinela de FakeNews (como se a Independência do BC não estivesse em seu programa de governo, além de outras Neoliberaloidices) e Huck tem a pecha de candidato da Globo (como é qualquer um do PSDB como Dória, Moro, etc) e o Plim Plim tem rejeição dos 25% Lulistas e dos 25% Bozistas…

Apenas se espera que o Lula compreenda esse momento e tente ser menos pragmático para observar que deve esmerar na mudança de rumos que Biden busca promover nós EUA (que foi muito decorrente da pressão Bernie Sanders que empurrou para compromissos mais á esquerda e que poderia ser feito com a pressão do PSOL ou de um vice do próprio PT que representasse mais esses pleitos do trabalho como Paulo Paim que seria uma opção mais acertada em 2018 do que Haddad já que seria quase um Obama Brasileiro de forma simbólica – apesar de que o PSOL deveria ter candidato próprio e aconselharia o Gregório Duvivier para rivalizado com o Gentilli e Partido Novo na conquista do voto de classe média jovem).

Se a política é nuvem, há previsão em 2022 para trovoadas… Mas espero com chuva de esperança para tirar o Bozo (e não as contrarevoluções da Elite do Atraso Entreguista que se tornou recorrência histórica por aqui).

Responder

    Tiago Silva

    27 de abril de 2021 às 22h05

    Assim como o PSOL deveria ter chapa própria para a eleição presidencial (Gregório Duvivier e Sônia Guajajara vice), PC do B também deveria ter chapa própria feminina com Djamila Ribeiro e alguma outra mulher que representasse luta também para possibilitar que Boulos e Manuela D’Ávila sejam puxadores de votos para passarem a barreira eleitoral.

    P.S. Miguel, você deveria aceitar com mais tranquilidade o comentário do Paulo César, já que o blog no período recente (2018, 2019 e 2020) teve linha editorial como a narrada por ele. A crítica dele foi em relação a algumas matérias do site que insuflaram o antipetismo que respinga em toda a esquerda. A matéria está bem feita, mas ainda crítico a utilização de conceitos (“centro democrático” para essa busca de reposicionamento de marca do PSDB, DEM e outros Golpistas que implantaram um Parlamentarismo de Fato até recentemente) ou estratégias (“insuflar o antipetismo”) que não favorece à esquerda, mesmo que gerem cliques/engajamento. Daí sempre é bom refletir além do neotrabalhista Ciristas ou Ciromínions que já há muito tempo se perde sendo “Biruta de Aeroporto” (e tomara que o Marketeiros João Santana consiga fazer não perder mais uma janela de oportunidade por seu narcisismo) e buscar na essência das lições de Brizola (e não nas picuinhas que nunca levaram a nada, apenas perdas principalmente ao Trabalhismo e ao Povo Brasileiro).

    Responder

Patrice L

27 de abril de 2021 às 18h01

PARIS CAFÉ: E AGORA, CIRO? DEBATE SOBRE FUTURO DE CIRO APÓS A VOLTA DE LULA AO JOGO

Com 9%, e até mesmo menos em outras pesquisas, a resposta sobre o futuro de Ciro é uma só – e fácil. PARIS!

Responder

ricardo seixas

27 de abril de 2021 às 17h58

Acho que não é hora para desespero. Ciro tem todas as condições sim de alcançar os 12% de sempre.

Responder

jose carlos rodrigues arana

27 de abril de 2021 às 17h52

“É preciso tomar cuidado, naturalmente, com “pesquisas” ….” e posta pesquisa do Paraná (!) Pesquisas. Sei muito sério.

Responder

BAJAGA

27 de abril de 2021 às 15h55

Penso que ainda há tempo de Ciro conseguir furar esta bolha e ser a terceira via. E aqui falo do Ciro sim, pois votarei nele. Acho medonho faltando 17 meses pra eleições, já existir este determinismo, ou 13 ou 17!!! Minha caceta, estou na batalha lutando por um projeto, nao quero Lula, nao quero PT.

Responder

José de Souza

27 de abril de 2021 às 13h33

Terceira via, nesse cenário de hoje, é “wishfull thinking”. Para uma terceiro candidato chegar ao segundo turno teria que tirar do jogo um dos dois: bozo ou Lula. Ainda assim, bozo poderia indicar um dos filhos, o seu poste, que herdaria boa parte de seus votos. Sem Lula, e em condições bem mais adversas, o PT conquistou 29% com Haddad. Então mudar de cenário parece ser bem difícil. Não sabemos o que a direita arrependida (aquela que se acha “centro”) está tramando. Certamente inventará algum casuísmo. Só um fato novo, fabricado ou não, pode mudar esse cenário. Não duvido que a direita provoque um. É nisso que Ciro aposta para tentar mais uma vez realizar a sua ambição pessoal (legítima) de ser presidente.
o fato é que a direita não quer a continuidade do bozo, mas também resiste em ceder aos apelos conciliatórios do Lula. Aliás, é mais fácil ela seguir com o bozo, pra talvez tentar o impeachment no segundo mandato. Por isso não usa ainda nem 10% da munição que usou contra a Dilma. E Lula, favoritíssimo,deve colocar as barbas de molho. Ainda pode ser bombardeado.

Responder

    Batista

    28 de abril de 2021 às 01h54

    “E Lula, favoritíssimo, deve colocar as barbas de molho. AINDA PODE SER BOMBARDEADO”.

    Cara, tu é um tremendo gozador…

    Por onde flutuou nos últimos 18, para não dizer 41 anos?

    Responder

Netho

27 de abril de 2021 às 13h25

Nunca foi tão fácil o caminho da terceira via. A opção preferencial por um Tertius tem uma enorme avenida aberta pela frente. Os antípodas já demarcaram o campo. De um lado, a República das Milícias. De outro lado, a República das Propinas.

Responder

Francisco*

27 de abril de 2021 às 12h51

Sei não, faltam 17 meses até o primeiro turno em 2022 e deve ser considerada a possibilidade da classe dominante tentar desobstruir, ainda em 2021, o entulho que conseguiu, com ajuda dos ditos ‘nossos’ OMISSOS, colocar no próprio caminho ao eleger o tragédia anunciada para desgovernar ainda mais o país, após o golpe dado em 2016, para enfrentar o candidato da esquerda em 2022.

Tocante a Ciro, sabe ser carta fora do baralho, apenas não aceita, desde que Lula e o PT não foram varridos do cenário político nacional conforme planejado, pelo contrário, a cada semana tornam-se mais a melhor solução à reconstrução do país, após o tragédia anunciada botá-lo abaixo.

Não a toa, nem pela conhecida e atávica capacidade de dar tiros nos próprios pés, que Ciro passou os últimos anos golpeando incessantemente o PT e Lula, reforçando as convicções que mantinham Lula preso (Babaca!), coadjuvado pelo irmão e incompreendido por muitos, que não enxergavam a única estratégia possível, dado o considerável componente suicida.

Quanto a classe dominante, que não escolherá Ciro como representante, pois conhecem suficientemente Ciro para não arriscarem um bis sem controle, vai ter que começar a tramar um novo golpe mais à frente, pois ‘o lobo perde o pelo, mas não perde o vício’.

Quanto a Lula, resta escolher como irá consolidar-se na história já eleito como o mais importante líder brasileiro, se novamente na lida ou na sustentação, dos que reconstruirão o país.

Aos reticentes que sonham com o ‘terceira via’ ou com o acostamento, ‘Ciro PND’, ainda intoxicados pelo “PT Nunca Mais”, melhor lerem o artigo, ‘Terceira Via é Miopia’, do sempre sensato Ricardo Semler, hoje, na Folha, lembrando que o Brasil era mais rico com o PT e Lula:

” (…) Agora, com o sapo barbudo afiando a lâmina, a coisa entortou de vez. Ninguém imaginava mais um embate do PT com a direita.

Este país continua rodando no mesmo lugar há décadas. Somos agora o 85º no mundo em renda real per capita —com dólar a quase R$ 6— e éramos o 76º, com dólar a R$ 3, nos tempos do PT. Uma vergonha, tanto lá como cá. Parte dessa culpa é da elite, que sugou renda para si e financiou conservadores para lhes representar desde 1964.

(…) O Brasil só tem uma solução: redistribuição de riqueza enquanto cresce e não depois. Seja por impostos sobre fortunas, seja por pisos mínimos de seguridade social. Este é um país que precisa de caminhos socializantes, no sentido europeu.

(…) Os mais desinformados acham que o PT inventou a corrupção e querem evitar a sua volta. Foi, sim, uma decepção imensa o PT, ou o PSDB, terem sido covardes e persistido na tentacular corrupção que já existia —mas que continuou inalterada desde então, ainda hoje com o Centrão S/A Balcão de Negócios no poder absoluto.

O governo atual vai se beneficiar da recuperação econômica que virá em 2022, polarizando com o PT. Fica a sugestão para colegas de elite: hora de repensar se o antiquado urdimento de uma terceira via ainda é uma estratégia inteligente. Afinal, tem como colocar um candidato modernizante sem se acertar com os partidos mais corruptos do país, dando ministérios em troca —onde poderão roubar à vontade? Isso é melhor do que o PT? em que sentido?…”

Responder

Zulu

27 de abril de 2021 às 11h24

Qual seria segunda via ?

Responder

Jorge Fernandes

27 de abril de 2021 às 10h48

As atuais pesquisas são feitas na totalidade por telefone.
Hoje quase 110 milhões de brasileiros não fazem as 3 refeições adequadamente.

Portanto não tem dinheiro para manter um telefone

As pesquisas atuais atingem um universo de metade da população que em sua grande maioria saiu da classe média baixa para a miséria e acreditar que essas pessoas votariam no genocida é ser muito primário

Acredito que com o passar do tempo, o genocida não terá votos para chegar ao 2º turno.

Se LULA não levar no 1º turno, um 3º nome pode disputar com o petista

Responder

Luiz

27 de abril de 2021 às 09h47

Se Bolsonaro continuar representando o populismo de direita, as chances da terceira via estarão reduzidas a parecerem simpáticas e esperançosas até o último momento, só obtendo votos pelo refluxo, ou rejeição. É preciso ver que, sobretudo num país cada vez mais marcado geopoliticamente pela “demanda”, o momento mais importante num jogo de azar é o da distribuição das fichas, a acumulação não é um bem coletivo. Logo, em princípio, qualquer tipo de centralismo político se torna indesejável, fazendo com que Paulo Guedes se torne um bom cabo eleitoral de Lula no caso do financiamento externo aparecer como solução óbvia na economia nacional. Fora disso, o papel eleitoral do Congresso, em especial do Centrão, demonstra-se mais importante no rateio das intenções.

Responder

José Ricardo Romero

27 de abril de 2021 às 08h22

Algo muito importante está sendo deixado de fora desta discussão: o único candidato que se apresenta com um projeto de governo, planos detalhados e estudados por uma equipe de seu partido há muito tempo e que vem evoluindo naturalmente ao longo dos anos é Ciro Gomes. Como escolher um candidato se não se sabe como ele vai governar? Lula dizer que vai repetir seu governo é uma bobagem infantil porque a realidade hoje é muito diferente do período em que o pt governou. Bozo foi eleito por menos de 1/3 dos eleitores e porque a maioria rejeitou o pt. Deu no que deu. Nenhum nem outro votaram conscientemente. É preciso que os candidatos digam a que vêm com projetos explícitos e por escrito, registrados em cartório para que sejam cobrados depois, senão acaba como a política econômica da Dilma que deu um cavalo de pau nos eleitores aceitando a idéia do Lula de nomear o Levy para executar o projeto econômico de seu adversário, aquele que perdeu a eleição.

Responder

EdsonLuiz.

27 de abril de 2021 às 02h55

Este ‘ocafezinho’ é de fato um jornal democrático! E é democrático sem renunciar a ter o próprio posicionamento sobre os fatos. Esta matéria publicada aqui acima é exemplo dessa boa qualidade deste jornal.

Eu gosto muito dessa linha de imprensa que se posiciona. Não que necessariamente a imprensa que não se posiciona seja ruim. O ‘Estadão’, assim como ‘ocafezinho’, se posiciona. E o posicionamento do ‘Estadão’ é bastante diferente do posicionamento de ‘ocafezinho’, e é igualmente um maravilhoso jornal. Eu não concordo em uma boa parte com o Estadão, mas não posso ser doidivanas e nada razoável de cuspir a bobagem tagarela e idiota de que o jornalismo de maravilhosa qualidade praticado pelo ‘Estado de São Paulo’ é ruim. Se eu fizesse um avaliação perturbada dessa isso só deporia contra mim, e desmascaria uma minha incapacidade e um meu despreparo para fazer a leitura. Ou, mais grave, revelaria em mim um obscurantismo, um antiprogressismo, ao revelar em mim um autoritarismo e que eu não passo de um intolerante que quer que tudo corresponda aos meus desejos e interesses, e certamente interesses e desejos (ou seriam delírios?) 100% errados, dado o meu completo despreparo, intelectual, moral e de falta de adequação, que é sempre os infinitos limites de quem é autoritário. E seria assim mesmo que eu negasse. Todos veriam o fascista que eu revelaria se vivesse agredindo outros repostadores e assolasse os jornalistas daqui todas as vezes que eu me sentisse contrariado.

Não se espere que um autoritário se habilite ao menos para a leitura dos fatos, ele não tem a menor habilidade de fazê-lo. Irá ler a notícia, mas dela não fará a leitura. Já no tempo em que possa ter se dedicado a alguma formação, o autoritário não teve a humildade dos que aprendem e, devido a isso, não abriu o espírito ao novo, ao desconhecido, ao outro. O autoritário, quando podia, não se submeteu ao método, à ciência, a se dar ao saber pelo arejamento, arejamento este que o conhecimento exige para ser absorvido e assimilado. Temos numerosos exemplos desses malucos em blogues sujos de todos os números na internet e um desses espécimes na presidência da república. Aqui, reportando neste jornal, também temos alguns. São poucos, mas foram o suficiente para me afastar deste jornalzinho que eu amo.

Ler é diferente de fazer a leitura. Para fazer a leitura o leitor necessariamente precisa estar desarmado de inculcamentos e de juízos à priore. E a leitura correta exige também, além de uma formação prévia, um acúmulo adequado e suficiente de conhecimentos adquiridos com o espírito que só a liberdade propicia. Aprender também é dialético e sem liberdade, informação isenta e contra-referências tomadas de forma não viciada a leitura será contaminada por erros, paixões e equívocos, e um mau leitor só estará habilitado a ser manipulado por aqueles a quem adere acriticamente, mas, sempre autoritária e obscurantistamente, quererá entender que o acrítico, o equivocado, é o outro, que o obscuro é o outro, que o outro é que é cego. Para esse tipo de ignorante, a ponto de não se enxergar sequer a si, é para ele que vale o ditado que ele mesmo costuma repetir contra os outros, aqui, adaptado: o pior cego é aquele que só vê o que quer! Mas o autoritário não pensa a leitura que faz. Se ele quer ser contra, nem precisava ter feito a leitura; se ele quer ser a favor, do mesmo modo não precisaria ter lido: o autoritário já sabe, mesmo sem poder saber. O autoritário tem muitas verdades, tem todas as verdades, todas verdades não pensadas. E quer impor suas verdades sacanas, e não poucas vezes desonestas, aos outros. Mesmo a reflexões ponderadas, como a da matéria acima, o autoritário está fechado, porque fechada é sua cognição para às ideias.

Um jornal de qualidade, para mim, começa com o compromisso de noticiar os fatos, repercutí-los, sem no entanto o próprio jornal que noticia fazer a leitura da notícia. A leitura deve caber exclusivamente ao leitor. Mas se o leitor não está preparado para ler a notícia, precisando que o seu jornal leia para ele ou se arriscando a ler e ficando irritado por, ao não entender, ter acreditado que o texto o contrariava, por que lê? Mais grave: por que busca constranger o jornal se mal sabe o que leu? Melhor que se afastasse da leitura do jornal que o irrita, mas também se afastasse da leitura dos panfletos eletrônicos diários de lavagem cerebral e fanatização que frequenta e que a ele estão fazendo tão mal, e se dedicasse a melhor formação que o preparasse para a leitura correta e adequada, se tornando tolerável àquilo que a ele irrita por achar que todos devem só ler e só entender aquilo que ele prefere e como prefere, cego para o fato de que a comunidade humana é muito diversa e por isso só avança quando possui uma imprensa profissional, independente, responsável e democrática como ‘ocafezinho’. Quando se preparasse, iria saborear o prazer de ser informado por quem pensa diferente dele, e portanto viveria a experiência de saber o que os seus não informam e não discutem, cegando-os para o mal que os induz a fazer. Se abrindo ao diferente deixariam de ser cegos e enganados pelos seus.

É possível fazer uma imprensa politicamente posicionada e, no entanto, manter a isenção. Este jornal ‘ocafezinho’.com.br’ hombreia em qualidade com a grande e maravilhosa imprensa brasileira. ‘ocafezinho’ está bem longe dos panfletos eletrônicos, lixos de ultra-direita e de Ultra-Esquerda que grassaram no Brasil nestas últimas quase duas décadas de poder autoritário e produziram o ambiente tóxico em que estamos vivendo. A luta contra o obscurantismo e antiprogressismo dessa gente, os radicais e intolerantes de esquerda e os de direita, precisam ser travada sem trégua até que os autoritarismos de todos os sabores sejam derrotados, para que o país consiga avançar em seu processo civilizatório já tão atrasado. Basta ver a baixíssima renda média do trabalho no Brasil e o número insuportável de subempregados e desempregados, milhões dos quais já não sendo sequer empregáveis, para enxergar a dimensão do nosso drama. Até estivemos avançando aos poucos entre 1993 e 2008, mas até essa caminhada lenta e de todo insuficiente foi interrompida pela incompetência, pelas ideias erradas e pelo autoritarismo de sabor de esquerda, que em 2003 assumiu o poder e até 2007 esteve disfarçado, passando a mostrar a sua verdadeira face a partir daí; e agora, a partir de 2019, pelo autoritarismo de sabor de direita que se instalou no poder, uma versão ainda mais agravada do mal, e com outro sinal.

Essa corriola de doidivanas de amplo espectro hoje ameaça até que em breve futuro sequer tenhamos jornalistas da qualidade de Mirian Leitão, Patrícia Mello, Miguel do Rosário e Vera Magalhães; ameaça que ainda tenhamos jornais da qualidade como são feitos o Valor Econômico, o ‘Estadão’, ‘ocafezinho’ e a ‘Folha’. Olhemos para a Hungria, olhemos para a Turquia, olhemos para o Iram e para a Venezuela, para a Argentina dos Kirchiners e para Cuba, e nos acaltelemos contra bolsonaro e seus bolsonaristas; contra o PT é seus petistas. Precisamos ter muita consciência do momento delicado que vivemos no Brasil, especialmente nesta última década, e nos unirmos e nos empenharmos para derrotar a antipolítica, especialmente a que se disfarça de progressista, por ser mais insidiosa e covarde, e impedirmos que as víboras autoritárias de direita e de esquerda continuem a chocar seus ovos, e não só aqui, mas também no restante da América Latina e no mundo.

Eu desisti de repostar aqui no ‘ocafezinho’. Tenho diariamente discordância de abordagem e visão dos fatos em relação aos jornalistas daqui. Este, porém, não foi o motivo de eu ter preferido interromper as respostas, que eu adorava fazer, assim como adorava ler as respostas dos demais repostadores. Eu admiro a qualidade do jornalismo aqui praticado, qualidade que hombreia com a nossa maravilhosa grande imprensa, e confio na imparcialidade e na honestidade de quem faz ‘ocafezinho’. Meu afastamento se deu por não ter constatado nenhuma reação a repostadores diários autoritários é obscurantistas, e me irritava bastante a impostura destes ao se autodenominarem progressistas, que é tudo que eles não são. São poucos, um ou outro, esses antiprogressistas disfarçados do oposto, com suas leituras pusilânimes dos fatos e suas posturas de odor insuportável, e atingiam vários repostadores com suas agressões. São poucos, mas a falta de reação à altura foi suficiente para me afastar. Nesse caso, seu antiprogressismo funcionou. Aliás, há vinte anos vêm vencendo e precisam ser interrompidos. Senão, teremos que ir todos para Paris.

Vou me manter afastado enquanto não perceber reação à altura contra esses covardes agressores e ideologicamente enganadores. Mas amo ‘ocafezinho’ e seus seguidores, principalmente os seguidores que também repostam. Os civilizados, é claro, mesmo quando defendem posições de extrema-direita mas são civilizados, e aqui os civilizados são maioria.

Viva a diversidade! Viva a diferença! Viva a tolerância!

Abaixo as serpentes do mal. E não só as serpentes de extrema-direita; abaixo as de extrema-esquerda também.

Vamos nos unir para derrotar o obscurantismo no Brasil.

Viva a democracia!

Edson Luiz Pianca.
edsonmaverick@yahoo.com.br

Responder

    Alexandre Neres

    28 de abril de 2021 às 21h39

    Ora, ora. Salve, salve! Olha quem ressuscitou. Folgo em vê-lo de volta. Espero que já tenha superado o luto pela passagem de Sergio Morto. Abraço

    Responder

    Paulo

    28 de abril de 2021 às 22h50

    Edson, eu me congratulo contigo. Acho incrível que alguém se dê tão abertamente ao diálogo, de forma tão humilde e franca, sendo tão culto e bem formado. O que deveria ser a regra, é, infelizmente , a exceção…

    Responder

Sebastião

27 de abril de 2021 às 01h58

Ciro só quer seguir o que Cunha disse: SE VOTA COM O PT OU CONTRA O PT. Mas, pra Ciro tomar o lugar de um anti-petista, precisa se tornar um populista como Bolsonaro. Pois, ele tem uma margem de 25%, onde nas eleições, pode ultrapassar os 30%. A horda de fanáticos que seguem Bolsonaro, o viabiliza ainda como o candidato anti-petista em 2022.

Responder

Alan C

26 de abril de 2021 às 23h55

Ainda tá muito cedo pra análises, não há nada pra ser discutido, não há alianças ainda, não há nada, e tenho ainda mais receio de analisar resultado de pesquisa do instituto que deu a vitória à Aécio em 2014…
Uma coisa é certa, Lula tem uma força sobrenatural, deixou o bozo sem dormir, colocou máscara nele, coisa que nem o Supremo tinha conseguido, o fez trabalhar, acordar cedo, fazer campanha em março. O golden shower volta e meia cita Lula, deixando óbvio sua preocupação.
A única opção do centro é Ciro, pois todo mundo sabe que Mandetta e o gaúcho que ninguém conhece não serão candidatos, a não ser que sejam por outras vias sem envolver o centro, o que é algo praticamente impossível.

Responder

    Batista

    28 de abril de 2021 às 02h45

    “A única opção do centro é Ciro”

    E pensar que há pouco mais de um ano, anunciava a esquerda construindo uma nova frente, com nova direção, excluída a participação do PT, para agora anunciar-se candidato a representante do centro da classe dominante, que leva à correção da frase: “A única opção de Ciro é o centro, da Casa Grande”.

    Afinal, não é o centro da Casa Grande que só tem Ciro como opção de candidato representante da mesma e sim Ciro que só tem o centro da classe dominante para concorrer a possível representante, de modo a não terminar na oitava via, tal qual Marina em 2018.

    Responder

Ronei

26 de abril de 2021 às 22h39

Bolsonaro não possui rivais…o resto é narrativa.

Falar de Lula candidato em 2022 é ridículo.

Responder

Galinze

26 de abril de 2021 às 22h27

Lula sabe que vai perder caso se candidate, a popularidade de Bolsonaro é claramente maior que a das pesquisas.

Vamos ver o que ele vai inventar dessa vez…

Responder

    Eder

    26 de abril de 2021 às 22h41

    Torcemos para que isso aconteça, será a pá de cal na cova do PT que o Supremo quis abrir novamente.

    Responder

    Washington F de Oliveira

    26 de abril de 2021 às 23h41

    Lula vai perder coisa nenhuma ,Bolsonaro que vai perder, Bolsonaro pode ganhar na região Sul e Centro Oeste, tenho certeza ele perde para Lula ou Ciro,,Bolsonaro foi péssimo presidente na pandemia.

    Responder

    Andre

    27 de abril de 2021 às 09h21

    Lula é o mais forte.
    Huck não tem chance e é o candidato da Globo.
    Mandeta pouca sustentabilidade.
    Candidatos covardes, como Ciro, não tem nenhuma chance. Brasileiro não perdoa covardes. Ainda mais corresponsável por todas estas mortes e este caos.

    Responder

    carlos

    28 de abril de 2021 às 09h04

    Que popularidade é essa que não conseguiu reunir a metade das assinaturas e criar o aliança pelo Brasil? Em que planeta tu te esconde meu bichim, me diga aí, se vc for o ét de varginha você sabe, se for de outro planeta não sabe.

    Responder

Kleiton

26 de abril de 2021 às 22h25

Lula já disse se será candidato ?

Responder

    Eder

    26 de abril de 2021 às 22h44

    Lula torce para que a pandemia não acabe tão cedo para não ser obrigado a aparecer em público.

    A caravana dele em 2018 estava levando pedradas e tiros e de lá pra cá a opinião dos brasileiros não mudou nada a respeito desse pilantra.

    Responder

    Gilmar Tranquilão

    27 de abril de 2021 às 09h29

    Ô omi, pra que tanta preocupação?? Fique calmo! kkkkkkkkkkkk

    Responder

Paulo César Cabelo

26 de abril de 2021 às 21h25

Desiste Miguel , sua estratégia era usar o antipetismo pra fazer terrorismo e defender que só Ciro venceria Bolsonaro , depois que o STF enterrou ela você passou a pregar que Ciro tiraria votos de Bolsonaro e usaria o antipetismo pra derrotar Lula o que faz menos sentido ainda.
Eu não sei se você mesmo cria essas estratégias ou só repete o que o Ciro manda mas essas estratégias são completamente furadas.
Ciro vai virar uma nova Marina e sabe porque?
Não existe centro , tudo se resume a luta de classes , quem tenta negar isso é porque já passou pro lado da direita.

Responder

    george gomes gonçalves

    26 de abril de 2021 às 22h21

    Ciro Gomes possuí um público cativo. Mesmo que menor do que Lula também não é o caso de se comparar a Marina que tem um eleito mais difuso. Mesmo que não ganhe ele já está fazendo muito pois reinaugura a ideia de ter um projeto nacional de desenvolvimento adormecido desde Brizola. Outra coisa, Lula sendo lider nas pesquisas não muda o fato de que em 2018 vcs tiveram a oportunidade de tirar o cara pensando na hora de votar e mesmo assim continuaram…

    Responder

      carlos

      28 de abril de 2021 às 09h14

      Quem foi que falou para o Miguel que o Ciro foi de esquerda? Só se fabricaram nele eu já falei expliquei isso aqui inumeras vezes,agora não abrir a cabeça de ninguém e colocar lá dentro, ser de direita ou esquerda, é uma essência do ser humano, tá na alma.

      Responder

    Redação

    26 de abril de 2021 às 22h24

    Nossa, tem que ser muito mala. Nunca tive “estratégia” nenhuma, tampouco fiz terrorismo. Se fiz alguma análise relativa a 2018, era relativa apenas a 2018, e não a 2022! O post não fala em Ciro (esquece o Ciro por um minuto, pelo amor de Deus!) e, caso você não estivesse tão cego pelo preconceito e ódio, veria que é uma análise que simplesmente disseca as dificuldades enormes para uma terceira via prosperar. Claro que existe centro. A luta de classes o envolve. E pra mim, a direita é essa que procura bloquear qualquer debate que não envolva bater palmas para o mesmo tipo de narrativa.

    E quanto ao STF, estou na luta contra seus abusos muito antes de qq petista, e enquanto o PT nomeava FUX e se submetia a “lista tríplice” da PGR. A anulação dos processos de Lula é uma vitória de muita gente, não é uma vitória petista, mas do Estado Democrático de Direito!

    Responder

      Efrem Ventura

      27 de abril de 2021 às 10h34

      E’ a vitoria do Estado Democratico do Mensalao.

      Responder

      Gen

      27 de abril de 2021 às 16h46

      Aproveito para sugerir/pedir, novamente, a implementação de um menu de navegação na parte inferior da página inicial, pois isso facilitaria o acesso a posts mais antigos.
      Obrigado.

      Responder

    Alan C

    26 de abril de 2021 às 23h32

    Rapaz… acabaste de ganhar o troféu “Andressa de Ouro” (que já comentou neste tópico como kleiton e galinze) pelo comentário mais escalafobético do fórum!!

    Nessa vc caprichou! rsrsrsrs

    Responder

    Carlos Jose

    27 de abril de 2021 às 09h04

    Só Lula derrota Bolsonaro

    Responder

    André

    27 de abril de 2021 às 09h25

    O cafezinho é aquele site inútil, vendido, que a gente dá uma lida só para ver o nível de insanidade. Afinal, todos tem o direito de se divertir!

    Este articulista é um gênio do atraso, ele acredita que inventar conjecturas engana o eleitor com facilidade.
    E é só olhar o histórico das análises dele. Nada dá certo.

    Isto sem dizer a enorme vontade de dividir as esquerdas. Imagino a dificuldade do psiquiatra para lidar com tamanhas alucinações.

    Mais um artigo ridículo, sem noção e que não diz nada com nada.

    Responder

Alexandre Neres

26 de abril de 2021 às 20h45

Quando se invoca o Paraná Pesquisas mostra-se o teor do desespero.

Já Magalhães Pinto retrata melhor a situação. Não há nada definido. Hoje está assim, depois de amanhã pode estar de outro jeito. Daqui a 16 meses é uma eternidade.

A estratégia de Ciro para abocanhar o segundo lugar de Bolsonaro é arriscada, mas me parece que dessa vez pegou uma embocadura boa.

Ciro está se credenciando para ser o candidato da direita. A única rota que sobrou para ele e para atingir o fim que ele almeja é esta a via que pode levá-lo. O morticínio e a CPI indicam que a aposta é acertada. Creio que Bolsonaro, sem dúvida, vai cair, não sei se o suficiente para tirá-lo do segundo turno. Tem se mostrado resiliente até aqui.

Minhas preocupações são outras. Do sexteto que providenciou um manifesto em favor da democracia, na verdade fazem parte do grupo de zapzap 7 membros: Dória, Mandetta, Leite, Amoêdo, Huck, Ciro e Sergio Morto, dos quais 6 votaram em Bolsonaro e o outro foi pra Paris. Noticia-se que está havendo desavenças entre eles . Posso estar enganado, porém creio que pra começo de conversa a primeira coisa que irá rodar em meio a neoliberais será o programa desenvolvimentista de Ciro. No caso de tais conversas seguirem adiante, ACM Neto já deve estar preparando a tesoura.

Responder

    Redação

    26 de abril de 2021 às 22h25

    Paraná Pesquisas é somente mais uma entre diversas pesquisas usadas. É tão bom quanto Vox Populi, Poder 360, Datafolha, todos tem seus problemas. Nunca trato pesquisa como algo que tem valor em si. É apenas um pretexto para o debate. É muita obsessão pelo Ciro, pqp!

    Responder

Deixe um comentário