Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Crédito: Jefferson Rudy/Agência Senado

Tebet afirma que há provas de corrupção no governo Bolsonaro

Por Redação

08 de julho de 2021 : 10h58

Em entrevista ao site DW Brasil, vinculado ao Estado alemão, aSimone Tebet (MDB-RS), líder da bancada feminina no Senado, afirmou que que “Temos provas cabais no caso Covaxin”.

A senadora também sinalizou na direção de Lula, ao admitir que, “pelo andar da carruagem, não tenho dúvidas de que o centro pode sim estar com Lula no segundo turno. Então não é escolha de Sophia”.

Ela ressaltou, todavia, que “a terceira via é melhor, e eu acredito nela”.

Uma análise rápida: mesmo que essas personalidades políticas destaquem que o apoio a Lula se daria apenas num eventual segundo turno entre o ex-presidente e Bolsonaro, e que preferem a “terceira via” no primeiro turno, é óbvio que este tipo de afirmação beneficia o petista já no primeiro turno.

Ao oferecer perspectivas cada vez mais reais de vitória, num eventual segundo turno contra Bolsonaro, Lula ganha mais força para reunir aliados já no primeiro turno.

Além disso, essas afirmações ajudam a reduzir a rejeição ao ex-presidente junto a segmentos conservadores.

***

Abaixo, reproduzimos a entrevista:

“Temos provas cabais no caso Covaxin”, diz Simone Tebet

Líder da bancada feminina no Senado afirma que só falta CPI juntar todas as peças para comprovar irregularidades envolvendo a vacina indiana. Ela diz que antes de abrir processo de impeachment é preciso “pensar no país”.

Líder da bancada feminina no Senado, Simone Tebet (MDB-MS) se projetou nacionalmente quando, em 2019, brigou dentro de seu partido para ser um nome alternativo à presidência da Casa. A investida não prosperou. Em 2020 ela voltou à carga e disputou com Rodrigo Pacheco (DEM-MG), na primeira candidatura de uma mulher à presidência do Senado. Foi derrotada e nem seu próprio partido ficou ao seu lado integralmente.

Agora, à frente da bancada feminina, atuou para assegurar a participação das mulheres na CPI da Pandemia. Em um colegiado exclusivamente masculino, Tebet foi a parlamentar que arrancou, no depoimento do deputado federal bolsonarista Luis Miranda (DEM-DF), o envolvimento do líder do governo, Ricardo Barros (PP-PR), em suposto esquema de corrupção na aquisição da vacina indiana Covaxin contra a covid-19.

Nesta terça-feira (06/07), a senadora afirmou durante sessão da CPI que documentos apresentados pelo governo para rebater acusações de irregularidades nas negociações para compra da Covaxin foram fraudados, incluindo erros de grafia em inglês e indícios de montagem.

Em entrevista à DW Brasil, ela afirma já haver “provas cabais” no caso Covaxin e que “só falta juntar todas as peças e ouvir todas as testemunhas”. Ao mesmo tempo, afirma que, antes de abrir um processo de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro, é preciso “pensar no país”.

Filha de Ramez Tebet, que presidiu o Senado no início dos anos 2000, Simone agita discretamente os bastidores do MDB como uma opção de nome para a terceira via em 2022. A senadora diz acreditar que essa terceira via possa tirar Bolsonaro do segundo turno e se recusa a repetir o gesto do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), que deixou clara a intenção de votar no ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva caso ocorra a disputa do petista com Bolsonaro em 2022.

“Quem é do centro democrático não pode responder a essa pergunta. O centro democrático, se quiser, tem todas as condições de estar no segundo turno. Pelo andar da carruagem, não tenho dúvidas de que o centro pode sim estar com Lula no segundo turno. Então não é escolha de Sophia”, afirma.

DW Brasil: Tem sido marcante sua atuação na CPI da Covid. A senhora conseguiu arrancar o nome do líder do governo, Ricardo Barros (PP), no depoimento do deputado Luis Miranda [que denunciou suposto esquema de corrupção na compra de vacinas]. Foi sorte, intuição feminina, ou habilidade?

Simone Tebet: A política não pode mais viver sem as mulheres, não porque somos melhores, mas porque somos diferentes. Na CPI nós [a bancada feminina] somos mais detalhistas, ficamos mais atentas a certos tipos de sinais corporais, o tom emocional. Meu pai, que era criminalista, falava sempre que o depoente, quando entra numa fase de cansaço, e fica abalado, precisa de acolhimento e de se sentir protegido. Minha fala inicial ao deputado [que prestava depoimento] era invocar o espírito público. Fiz o processo reverso, disse que entendia a posição dele, porque ele não queria falar. Aí na primeira tentativa ele já soltou. Foi um conjunto de situações que levou a isso. Teve um pouco de tudo: destino, estar no lugar certo na hora certa, ter lembrado do que meu pai ensinou. Tive sorte.

Qual a importância da bancada feminina hoje, sobretudo num país cujo presidente com posturas misóginas?

A minha candidatura à presidência do Senado foi fundamental para que o presidente [do Senado] Rodrigo Pacheco [DEM-MG] fizesse um compromisso com as senadoras, e muitas não votaram em mim, de criar a liderança da bancada feminina. Essa liderança permitiu às senadoras ter espaço no colégio de líderes. Com isso, nós emplacamos toda semana um projeto de interesse da mulher brasileira. Ou na igualdade salarial, como aprovado e que agora está na Câmara, ou no combate à violência à mulher. São projetos que fazem a diferença. Votamos nesta semana [passada] a criação de um tipo penal importante que é a violência psicológica, que não era tipificada.

A bancada feminina está surpreendendo positivamente o Senado. Para alguns têm até gerado algum incômodo. Quando pulamos para dentro da CPI, num gesto generoso do presidente do colegiado, senador Omar Aziz, isso mudou o rumo da comissão. Porque passou a ter uma voz da sensibilidade, do detalhe. A CPI já cumpriu uma missão que é comprovar a conduta errática, equivocada, negligente, negacionista do governo do presidente Bolsonaro em relação à pandemia e todas as consequências nefastas deste negacionismo, a ponto de hoje termos muito mais mortes do que teríamos se eles tivessem feito o dever de casa.

Isso vai constar no relatório e está comprovado. Quando a CPI já estava exaurindo seu objeto, tivemos outra denúncia bombástica, feita por um deputado bolsonarista, acusando outro deputado em rede nacional de corrupção. Coisa que eu nunca vi em meus 20 anos de vida pública. Começa agora uma nova fase da CPI. Sorte ou não, instinto, feeling, destino, foi feito por alguém da bancada feminina. Só homens teriam chegado a isso? Não sabemos dizer. Mas a participação feminina na CPI tem sido no mínimo a cereja do bolo.

A senhora diz que a CPI comprovou o negacionismo, a negligência e a omissão que levaram milhares de pessoas à morte. Mas a corrupção, que passa a ser investigada agora, parece erodir mais a base bolsonarista. Por quê?

Grande parte da sociedade se distanciou deste governo no momento em que se deu conta de que ele realmente foi omisso, negligente, agiu contra a ciência, contra a vida, a favor de uma tese obscura de imunidade de rebanho, uso de medicamentos ineficazes [tratamento precoce] e atrasando a compra de vacinas.

Uma parte significativa da população brasileira, e as pesquisas mostram isso, passou a não acreditar mais no governo e até a culpá-lo pelas mortes de familiares e amigos. Só que isso aconteceu e houve estagnação.

O presidente ainda tem um segmento muito firme com ele. Veio agora essa denúncia gravíssima, – crime de corrupção ativa e passiva, prevaricação, peculato, tráfico de influência – não de um único contrato, mas em relação a pelo menos três, e já se fala em “propinoduto”, “vacinoduto”.

O governo era tido como não conivente com a corrupção. Estamos hoje diante de uma travessia, em cima de uma ponte, e não sabemos para onde esse eleitor, que ainda confiava no governo, vai. Na minha modesta opinião, o eleitor vai atravessar essa ponte e abandonar essa base do governo. Não só fora, a opinião pública, mas também dentro do Congresso Nacional.

Começo a ver alguns congressistas do Centrão, que não são da cúpula, abandonando esse barco. Não estou dizendo que estamos caminhando para o impeachment. Estou dizendo que estamos caminhando para um governo que não vai ter mais a quantidade de congressistas o defendendo. Podem até continuar votando com o governo em pautas importantes para o país, como eu faço, mas não mais defendendo esse governo, como eu não faço.

A CPI passa agora a investigar denúncias referentes a três contratos de compra de vacinas?

Sim. No caso da Covaxin já temos provas e documentos. O contrato foi assinado antes da Medida Provisória que permitiria essa assinatura. Contrato é um ato administrativo. Você não pode fazer nada no direito público sem lei anterior que permita. Como o contrato [da Covaxin] seria de uso emergencial, não tinha ainda autorização por lei.

Isso dependeria de uma lei que permitiria a compra de vacinas autorizadas por uma autoridade sanitária indiana, e no Brasil não tínhamos essa lei ainda. Temos nota de empenho, contrato assinado, fax e documentos comprovando a tentativa de venda e um funcionário público que se recusou a assinar [a liberação de recursos] e foi pressionado. No caso da Covaxin só falta juntar todas as peças e ouvir todas as testemunhas.

E surgiu no meio do caminho outra denúncia, em relação a uma negociação para compra de doses vacina da AstraZeneca, com cobrança de propina.

Embora neste caso não tenhamos nenhuma materialidade, essa denúncia não foi negada pelo governo. O depoimento [do policial militar Luiz Paulo Dominguetti] ajudou a comprovar a autoria [do suposto esquema de propina]. Os autores e personagens envolvidos são os mesmos da Covaxin, onde, aí sim, temos provas cabais.

E, por fim, há um contrato maior ainda, que não se efetivou porque foram com muita sede ao pote, mas que é com o mesmo personagem. É o laboratório CanSino [Biologics], a vacina Convidecia. O contrato seria de R$ 5 bilhões.

Agora, acho que precisamos focar na Covaxin. Temos já a comprovação de que o negacionismo e a conduta errática do governo, sem contratação de vacinas no tempo devido, caracterizam crime contra a saúde pública e, inclusive, crime de responsabilidade aí.

Se a Câmara vai abrir impeachment é outra história. Mas já há elementos para o Ministério Público acionar os personagens na área cível e criminal. E, agora, temos também fortes indícios e elementos claros de crime de corrupção. A dúvida é quando a CPI vai tratar, e isso é um terceiro ponto, de prevaricação. Quem é que prevaricou?

Como parlamentar e com formação em direito, a senhora não considera que todos esses casos que citou justificam um pedido de impeachment?

Aí é uma decisão política. CPIs dão embasamento para um processo de impeachment, mas o objetivo principal é ter trazer elementos para encaminhar ao Ministério Público os indícios de irregularidades. O que se extrai de uma CPI são sim elementos que comprovam crime de responsabilidade. Mas é decisão política da Câmara dos Deputados acionar [o presidente] por crime de responsabilidade.

A CPI precisa ser concluída. Vamos precisar de pelo menos mais três semanas para amarrar as pontas. Vejo no dia a dia o governo perdendo apoio dentro do Congresso, vejo a economia combalida e vejo criando corpo a rejeição ao governo do presidente Bolsonaro. Talvez o que possa levar sim a se pensar na abertura de um processo de impeachment seja efetivamente essas três próximas semanas comprovando crime de corrupção dentro do Ministério da Saúde. Temos que aguardar.

Mas a senhora é a favor de um impeachment?

É preciso que os indícios se transformem em elementos de prova, e não só prova testemunhal, que é a mais frágil das provas. Precisamos amarrar as provas testemunhais com análises de vídeos, áudios, provas documentais, periciais. Isso leva duas, três semanas. É um momento delicado, de polarização nas redes sociais, de radicalismo.

Temos que pensar no país. Para abrir um processo de impeachment, antes de mais nada, é preciso saber se vai dar certo. A gente não sabe sequer se tem número, na Câmara, para abrir o processo e mandar ao Senado, que apura. Temos que ter equilíbrio emocional agora, usar a razão, além da emoção, para sentir tudo isso. É fundamental a CPI cumprir essa primeira fase, cumprir o tempo normal de jogo, antes da prorrogação, que ainda não terminou. Eu aguardaria.

Já há assinaturas necessárias para prorrogar a CPI, a senhora assinou, mas o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), não sinalizou abertamente que acatará.

Acho que ele pode estar sendo pressionado pela base governista para aguardar o término da CPI [o período oficial de 90 dias de funcionamento, que só se encerra ao final de julho], numa tentativa frustrada do governo de retirar assinaturas [a favor da prorrogação]. O governo não consegue retirar. Há um apelo popular.

A senhora sempre defendeu a terceira via em 2022. Pelas pesquisas atuais, está claro que o ex-presidente Lula é um candidato fortíssimo, e poderia vencer Bolsonaro. Há mesmo espaço para essa terceira via?

Sem a menor dúvida, mais do que nunca. E acho que essa terceira via poderia, inclusive, tirar Bolsonaro do segundo turno. Sessenta porcento não querem olhar para o retrovisor, para o passado, e não estão satisfeitos com o presente. Querem um nome novo para o futuro. Advogo que os partidos têm que lançar seus candidatos e, no final do ano, testados esses nomes, sentamos numa mesa para decidir quem pode representar a cara do Brasil que queremos. Não se pode, agora, sacar um nome da manga.

O seu nome está em algumas rodas. A senhora teria essa disposição? O MDB bancaria seu nome?

A única certeza que eu tenho é que o MDB vai ser peça fundamental como foi, no passado, para unir o centro. O que não significa unir o centro com nome próprio. O ideal seria que tivéssemos alguém do MDB com envergadura e condições. Pode ser que tenha. Mas o que eu advogo é: o partido que uniu lá atrás, no momento mais delicado da história, hoje continua sendo o maior partido de centro.

O MDB em matéria de votos é fundamental nesse processo. E tem hoje um presidente muito equilibrado, que é o Baleia Rossi. O MDB vai ter um encontro, em 30 dias, para entender o seu papel exato. Vamos lançar candidato agora? Isso o partido ainda não definiu. Mas defendo que o MDB deve estar no centro da conversa. O que converge esse centro é a defesa das instituições democráticas que dia a dia são abaladas por esse governo. O país está sendo comandado por um governo tão à direita que conseguiu a façanha de colocar na mesma mesa todas as matrizes ideológicas.

A senhora quer tentar a reeleição ou colocará seu nome nesse projeto nacional?

Nunca fugi de responsabilidades, ainda que isso tenha custos políticos. Fui para a linha de frente na defesa intransigente da democracia, contra um governo que quer ditar regras contra minorias, num retrocesso humanitário, e tentando combater uma pauta tão conservadora a ponto de me jogar na oposição. Quando esse governo viola direitos sagrados, civis, as liberdades públicas, eu coloco esse projeto de defesa das instituições democráticas acima do meu projeto político. A princípio eu sou candidata à reeleição, mas não fujo do que o destino reservar para mim. Em política a gente não escolhe missão, ainda mais agora.

No início do governo Bolsonaro a senhora tinha muita interlocução, sobretudo com a equipe econômica. Hoje é oposição?

Sou independente, porque, de alguma forma, voto com o governo em tudo o que acho que é importante para o país. O que está me tirando desta independência é o fato de ver que nem mais pauta econômica o governo tem. Tem uma pauta eleitoreira. Apresentou uma reforma administrativa que de reforma não tem nada e jogou no colo do Congresso. Entrega uma reforma tributária que não é reforma, ali só tem aumento disfarçado de imposto para um segmento muito importante, que é o setor de serviços. Vão usar dinheiro público com fins eleitoreiros.

Eles estão brincando com a economia brasileira. Não consigo entender como o mercado ainda não visualizou isso. Eles podem quebrar o país, como a Dilma fez lá atrás. Os gastos públicos crescem, a receita caiu, vai ter aumento de inflação. Eles se recusam a cortar gastos, porque querem a agenda populista. A dúvida é se o Congresso vai cair nessa e se o Centrão vai se submeter a isso. O MDB se posicionou radicalmente contra esse engodo de reforma tributária.

Se houver segundo turno entre Lula em Bolsonaro em 2022, em quem a senhora vai votar?

Não respondo a essa questão porque é um erro de quem busca a terceira via responder. Quem é do centro democrático não pode responder a essa pergunta, a meu ver. Porque só divide quem está sentado numa mesma mesa. O centro democrático, se quiser, tem todas as condições de estar no segundo turno. Pelo andar da carruagem, como o santo é, sim, de barro, não tenho dúvidas de que o centro pode sim estar com Lula no segundo turno. Então não é escolha de Sophia. Por tudo o que eu já disse, acho que a resposta está dada. Mas o externar isso enfraquece a construção de uma alternativa de poder. A terceira via é melhor, e eu acredito nela.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

EdsonLuiz.

09 de julho de 2021 às 23h32

Bem!

Quem tem práticas bolsonaristas aqui é você, alexandre bolsoneres.

Um exemplo: você é leviano!
Outro exemplo: você faz ameaças!

As pessoas não gostam de quem mente ou de quem é leviano. Então, tenho que mostrar: no dia 02/07/2021, aqui, em ‘ocafezinho’, você me ameaçou.

Ameaça é coisa de fascista!
Ameaça é coisa de mau-caráter!
Ameaça é coisa de bolsonaro.

Aliás, grosseria, má educação e fulanização, que são coisas que você repete aqui contra mim e contra vários outros repostadores, é coisa de bolsonaro.

A divergência, discutida com educação, e bem vinda e saudável.

Você, alexandre bolsoneres, ao fazer a mim a ameaça que fez, escreveu que só não consumaria a ameaça porque eu me escondo por trás do anonimato.

Você só escreveu isso porque é leviano.

Para ficar claro: desde a primeira vez que repostei aqui em ‘ocafezinho’, eu fiz questão de, espaçadamente para não saturar, deixar meu nome completo, deixar meu e-mail ou deixar os dois, nome completo e e-mail.

Registrava nome e e-mail exatamente para não ficar anônimo. E também para alguém que sentisse necessidade de reclamar comigo, se assim ficasse mais à vontade, pudesse reclamar pessoalmente.

Detesto covardia!
Detesto leviandade!
Detesto grosseria!

Se precisei várias vezes ser duro com você, aqui no nosso jornalzinho, é porque você, assim como bolsonaro faz, nào tem nenhum limite.

Só que vocè, mais do que qualquer outro. Mais atė que as pessoas que produzem o
ocafezinho, sabem que eu tentei muitas vezes contornar.

Ameaças, não, não contorno.

Edson Luiz Pianca.
edsonmaverick@yahoo.com.br

Responder

Alexandre Neres

09 de julho de 2021 às 08h09

Mais uma vez de tantas meias verdades vai se criando uma mentira inteira.

Primeiro, vale recordar que o Senador Ramez Tebet era um zero à esquerda. Ganhou holofotes quando foi alçado à presidência de CPI da vida. Só mesmo um completo amalucado para dizer que Tebet foi um gigante na luta contra a ditadura.

Como todo conservador que se preze, fez da política um trampolim e via capitania hereditária transferiu seu dote de pai para filha. A filha se consagrou como uma lavajatista, uma moralista sem moral, que fazia o jogo avesso ao estado democrático de direito, ganhando holofotes por querer se transformar em inquididora-mor, desta forma ganhando certo destaque numa época infeliz da nossa história que acabou redundando em Bolsonaro.

Não teve apoio no próprio partido nem em lugar nenhum para presidir o Senado, até mesmo pela sua falta de estatura, só entre lavajatistas era pule de dez.

Fui contra o apoio do PT ao Rodrigo Pacheco, como por óbvio seria também contra o apoio a Simone Tebet por serem farinha do mesmo saco. O que me causa indignação é faltar com a verdade, é a impostura de dizer que à época denunciou o conluio entre Bolsonaro e PT. Pois bem, este cidadão atualmente está apoiando Ciro Gomes para presidente. O PT, PDT e a maioria dos partidos de esquerda/centro-esquerda apoiaram a candidatura do Pacheco para reduzir danos e ocupar espaços, com o que eu não concordei. Só que, para construir a esdrúxula tese, o velhaco esquece de comentar sobre o partido que está apoiando, e como sempre, desde que assistia os noticiários da Globo sem pestanejar, parte para o ataque obsessivo contra o PT, colocando no mesmo barco somente PT e Bolsonaro, e escondendo todo o resto debaixo do tapete para fazer valer sua tese. Pra dizer, como todo lavajatista, eu avisei antes, eu já sabia!

Mais uma vez se prestando a um papel deplorável, hein EdsonLuiz?

Responder

EdsonLuiz.

08 de julho de 2021 às 15h13

E pensar que a senadora Simone Tebet, filha do senador Ramez Tebet,ex-presidente do senado e gigante na luta contra a ditadura, foi derrotada há poucos meses em sua candidatura à presidência do mesmo senado que o seu gigante pai presidiu. E que ganhou o candidato indicado por bolsonaro e articulado pelo…PT.

Aqui em ‘ocafezinho’ eu observava que era impensåvel aquele conluio bolsonaro + PT,
e clamava que os petistas se indignassem
contra a trama.

Mas sabia que meus apelos seriam em vão.

A senadora Simone Tebet é incisivamente a favor de pautas de combate à corrupção e de combate à impunidade de crimes praticados por poderosos. A senadora é favorável à prisão após condenaçào em segunda instância, por exemplo. Ela jamais seria apoiada por retrógrados como o PT e como bolsonaro. Seria é derrotada por eles, como foi.

Os poderosos, políticos ou empreiteiros e outros, se beneficiam da possibilidade de entrar com 400, 500, 600 recursos, tendo poder de articulação para recorrerem 3000 vezes até a quarta instância, o STF, a que o pobre e o preto não têm acesso.

Lula, o PT e bolsonaro – este, à época, por causa do filho – não tinham nenhum interesse na eleição da senadora.

Simone Tebet perdeu. Ganhou o candidato indicado por bolsonaro e apoiado pelo PT oficialmente, e pela corja do senado.

Eu escrevia aqui:INCRÍVEL ESSE CONLUIO ENTRE BOLSONARO E O PT!

Hoje, o presidente do senado é o senador Rodrigo Pacheco, que sempre vai criar impecilhos à apuração dos crimes dos bolsonaros e de tantos; vai criar obståculos ao avanço das pautas progressistas; vai prejudicar o Brasil e o povo brasileiro.

Acham que eu implico com o PT. Não implico! Mas os fatos protagonizados pelo PT são intragáveis.

Eu sou progressista; já o PT…

Se o segundo turno for entre Lula e bolsonaro vou ser obrigado a votar em Lula para afastar o perigo institucional e de corrupçào mais imediato, mas vou fazer isso e me sentir bem destruído.

A mais longo prazo eu não posso entender que o PT, que tem o PCO como aliado, seja mais progressista e menos perigoso que bolsonaro.

Hà bolsonarista que ameaça os que dele discorda? Hà petista que também ameaça.

Os dois lados não conseguem discutir no campo das ideias. Por isto, pessoalizam e ameaçam e agridem.

E isto me lembra Brecht preso na prisão nazista.

Responder

    Paulo

    08 de julho de 2021 às 22h24

    Edson Luiz, se me permite um conselho (suprema presunção minha, perdoe-me, querer dar conselhos a alguém tão vivido e possivelmente mais experiente do que eu), esqueça o voto útil! Eu acho que isso não dá certo, quando o nosso grau de repugnância é tamanho que não se compadece de cálculos eleitorais…

    Responder

Deixe um comentário