Analista da Ideia fala sobre “voto útil” dos eleitores de Ciro a Lula no 1° turno

Imagem: Divulgação

O esvaziamento do PSB na Bahia após a desistência de Jaques Wagner

Por Gabriel Barbosa

04 de abril de 2022 : 22h14

Os efeitos da desistência de Jaques Wagner (PT) de concorrer ao governo da Bahia ainda continuam acontecendo na política local. Desta vez, os “estilhaços” da decisão começaram a atingir o diretório estadual do PSB.

Tido como um dos pilares da base aliada do governador Rui Costa (PT), o partido passou a protagonizar baixas significativas após o acordo firmado entre o PT baiano e o MDB, comandado pelo ex-presidente da Caixa Econômica, Geddel Vieira Lima.

Por exemplo, o deputado federal Marcelo Nilo, que foi presidente da Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA) por dez anos, decidiu migrar para o Republicanos durante a janela partidária. Desde meados de janeiro que o parlamentar tentava atrair o PSB para o bloco de oposição, liderado pelo pré-candidato e ex-prefeito de Salvador, ACM Neto (União Brasil).

Mas com a saída de João Roma do partido ligado a Igreja Universal, Nilo aproveitou para fechar um acordo com o presidente da sigla, Marcos Pereira (Republicanos-SP), para levar o seu grupo político, que estava no PSB, ao partido de centro-direita. O deputado federal Márcio Marinho (Republicanos-BA) também participou das conversas.

Com a movimentação, o Republicanos será a terceira maior força a apoiar a candidatura de Neto ao Palácio de Ondina, a expectativa é fazer uma bancada de seis parlamentares na ALBA e eleger até quatro deputados federais. Vale ressaltar que Nilo é um dos nomes cotados para ocupar a vice na chapa de Neto.

Ele também emplacou a filiação do genro, o deputado estadual e vice-presidente da ALBA, Marcelinho Veiga, ao União Brasil. A ficha de filiação foi assinada ontem na sede do partido, em Salvador, e com a presença de Neto.

Agora ex-aliado do PT, Nilo reconhece os serviços prestados do partido no governo baiano, mas pondera que o “ciclo acabou” e que é preciso “modernizar a política do estado”. Mas apesar da crítica local, o deputado não esconde de ninguém que deve votar no ex-presidente Lula (PT) para o Palácio do Planalto.

Gabriel Barbosa

Jornalista com passagens pelo Grupo de Comunicação O POVO (Ceará), RedeTV! e Band News FM. Pós-graduando em Comunicação e Marketing Político.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »


Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Maranhão O Xadrez para Governador do Rio Grande do Sul O Xadrez para Governador da Bahia O Xadrez para Governador de Minas Gerais O Xadrez para Governador de São Paulo O Xadrez para Governador do Rio de Janeiro Novo Presidente da PETROBRAS defende preços altos Cadê o churrasco do povo, Bolsonaro? Preço explodiu! Conservadores? A atual juventude brasileira O Indulto sem Graça de Bolsonaro