Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Imagem: Reprodução/CNN

Ciro insinua que pessoas da favela não entendem de economia

Por Redação

31 de agosto de 2022 : 19h57

Nesta quarta-feira, 31, o ex-ministro e candidato do PDT a presidência, Ciro Gomes (PDT), insinuou a uma plateia de empresários, na Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), que pessoas da favela não entendem de economia.

A fala do pedetista foi após o empresário e ex-presidente da Firjan, Luiz Césio Caetano, ter classificado o discurso de Ciro como “aula”. “Candidato Ciro Gomes, parabéns pela sua aula. Isso foi uma aula, pelo menos para mim…”.

Como resposta, o pedetista afirmou que aquilo se tratava de um “comício” e na sequência falou sobre uma suposta dificuldade de falar sobre economia na favela. “Na verdade, é um comício, né… Um comício para gente preparada, você imagina eu explicar isso na favela, né…”, disparou.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

12 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo

03 de setembro de 2022 às 22h36

E não entendem mesmo, assim como a maioria de nós. Nem saberia dizer se a economia é ciência…

Responder

Sá Pinho

01 de setembro de 2022 às 14h38

Fundo de quintal não sei…, traz boas recordações do tempo de criança, mas fundo do poço, sabemos todos, causa um certo temor, mantém-se uma certa distância, requer proteção, prevenção, todo cuidado é pouco e mesmo assim certo alguém sempre despenca despidamente, viciosamente e presunçosamente, em direção ao dito fundo, e sem pai, sem mãe, sem lenço e documento, vai.

Pois é, a tal fundo do poço chega-se não por quem reporta, mas sim por quem despenca, ainda mais em sequência e no curto intervalo de três dias, após testemunhar, um dia antes, ter aprendido a não mais despencar, para defender-se de lembrança de uma das despencadas mais antigas:

30/08/22 – No debate da Band:
“20 anos atrás, cometi absolutamente a infelicidade de fazer gracinha com uma mulher extraordinária que foi minha mulher durante 18 anos. Já me desculpei por isso milhões de vezes e isso é de se desculpar a vida inteira”

29/08/22 – No Twitter e retirado pouco tempo depois de ser publicado:
“Será que não entendem que Lula está cada dia mais fraco — fisicamente, psicologicamente e teoricamente — para enfrentar a direita sanguinária?”.

31/08/22 – Na FIRJAN, em “comício para gente preparada” e de direita (“sanguinária” ou será o Benedito?) ouvi-lo falar em economia, ao receber de um dos preparados presentes, “parabéns pela aula”:
“Na verdade [não é uma aula], é um comício, né… Um comício para gente preparada, você imagina eu explicar isso na favela, né”.

Responder

Dilmar Miranda

01 de setembro de 2022 às 11h33

E ainda tem gente passando pano para esse coroné ccanastra falastrão. Parece até as reses que mugem justificando as barbaridades do boçalnazi.

Responder

EdsonLuíz.

01 de setembro de 2022 às 10h28

Foi uma falha de Ciro. Uma grande falha! Chamo a estas coisas de limites ideológicos; e todos temos esses limites.

Vemos todos os dias as falhas de todos.

Aqui mesmo, no balcão deste café, comentaristas e post’s atacam jornalistas e exemplares e atacam a imprensa profissional por estes defenderem os valores progressistas, que são valores liberais caros; também atacam esses valores progressistas em seus blogs-panfletos e outros espaços e, no entanto, se dizem democratas e progressistas. Muitos são completamente estreitos politica e ideologicamente e pouco ou nada possuem de tolerantes e pluralistas, a ponto de tomarem o termo tolerância em política como ‘suportar’ e não como ‘aceitar’. Pessoalizam as questões e as problematizam a partir de preconceitos e doutrinações ideológicas e envenenam o exercício da política, se valendo não poucas vezes de dados errados ou incorrendo em equívocos ao repetir dados errados recolhidos de fontes partidárias nada isentas. Aliás, esses intolerantes detestam os isentos e detestam mesmo o termo isenção!

E eu falo disso como limites ideológicos tanto dos que se dizem ‘de esquerda’ como ‘de direita’.

Eu acho que esses limites se dão, muitas vezes, pelo menosprezo da política –da boa política– em favorecimento de uma busca pura e simples pelo poder. É por isso que vemos o Centrão se aproveitar das práticas pouco republicanas dessa gente e de suas incoerências políticas e ideológicas para transformar algumas das maiores lideranças em Tchutchucas corruptos, se aproveitando de suas ambições de pider para igualar e generalizar a lama institucional, em um país que, sintomaticamente, já não cuida mesmo de seu saneamento básico.

Temos todos que melhorar muito, no respeito ao outro, no respeito a grupos e na coerência com que exercemos a vida.

Política é vida!
Política são os outros! Os nossos outros!
Política é tudo!

Temos que melhorar, aprender e amadurecef muito, antes que o exercício saudável da política possa começar de fato a cumprir sua missão no Brasil.

Essa falha do Ciro Gomes mostra o tanto que nosso Brasil é autoritário. Mesmo pessoas imbuídas das melhores intenções, como Ciro, não conseguem lidar com o outro sem substimá-lo.

edsonmaverick@yahoo.com.br

Responder

Luiz

01 de setembro de 2022 às 08h34

Fundo de quintal mas não sai daqui né?
Eu ouvi a fala toda e é isso mesmo que ele disse.

Responder

Sergio Furtado Cabreira

01 de setembro de 2022 às 08h03

Ora, ora… Coronel Ciro Gomes nunca faz nada ao acaso.
Sua missão é ajudar Bolsonaro!
E, afo fim, destruir o PDT do grande Brizola!

Responder

Igor

01 de setembro de 2022 às 03h27

Como esse site de fundo de quintal se deteriorou. Até um tempo atrás tinha o café Paris, ele foi parar onde ? Para mim era uma alusão e apoio a Ciro. Faltou honestidade intelectual nessa reportagem, por que não mostram toda a fala do Ciro ? Vocês são uma espécie de Bolsonaristas no espectro da esquerda.

Responder

    Francisco*

    01 de setembro de 2022 às 16h05

    Tapar o Ciro com a peneira é tarefa inglória, ainda mais detratando o mensageiro, crime incometível (conforme Magri), pois aí então, é como afogar-se na poça, não morre-se e o rosto fica todo ralado, registrando a fula tolice.

    Questione-se, por que Ciro não tem legado de fidelidade a partido, a políticos e apoiadores de todo espectro da pratica política, que à exceção de familiares o acompanhem além de 5 anos, ao correr do tempo na política que já passa de 40 anos?

    Responder

Alexandre Neres

01 de setembro de 2022 às 00h42

“Afinal de contas, o Brasil não é um fundão da África!”

Autoritário. Colonialista. Misógino. Racista. Faltou alguma coisa?

Não à toa é um crítico contumaz das pautas identitárias. Política do papa furado?

Essa sequência de lapsos deveria levar nosso oligarca para o divã. Ou será que pra ele fazer análise é coisa de viado?

Até Janaína Paschoal tirou uma casquinha: “Cabe aos verdadeiros líderes encontrar as palavras para que todos compreendam sua mensagem. A capacidade de entender e ser entendido por TODOS é o que faz a diferença. Não pode ser Presidente quem não consegue dialogar com o seu povo. Somos TODOS preparados para aprender… Mas nem todos são preparados pra ensinar”.

Responder

ARY BOREL DE AGUIAR NETO

31 de agosto de 2022 às 22h38

Quando está entre os seus esse senhor expõe o que realmente pensa do povo.
Ele agrada muito os que gostam de um colarinho branco, é um farsante!

Responder

Zulu

31 de agosto de 2022 às 21h31

As pessoas entendem muito bem da economia delas, quem milanta entender de economia falando destrambelharias é o Cirolipa.

Responder

    Francisco*

    01 de setembro de 2022 às 16h04

    Fulo, Igor!

    Tapar o Ciro com a peneira é tarefa inglória, ainda mais detratando o mensageiro, crime incometível (conforme Magri), pois aí então, é como afogar-se na poça, não morre-se e o rosto fica todo ralado, registrando a fula tolice.

    Questione-se, por que Ciro não tem legado de fidelidade a partido, a políticos e apoiadores de todo espectro da pratica política, que à exceção de familiares o acompanhem além de 5 anos, ao correr do tempo na política que já passa de 40 anos?

    Responder

Deixe um comentário