Bahia: Refinaria privatizada provoca desabastecimento de Gás de Cozinha

Imagem: Agência Petrobras

FUP: Seguro de refinarias privatizadas é até 10 vezes maior que valor de venda dos ativos

Por Redação

28 de novembro de 2022 : 10h17

Diferença confirma desinvestimento a preço aviltado

Os valores contratados pela Petrobrás para a renovação, por 18 meses, do seguro de riscos operacionais de refinarias privatizadas no governo Bolsonaro superaram em até dez vezes os preços de venda desses ativos. É o caso da Unidade de Industrialização do Xisto (Six, no Paraná), da refinaria Landulpho Alves (Rlam, na Bahia) e da Isaac Sabbá (Reman, no Amazonas). Esta última está em fase de conclusão da operação de desinvestimento, prevista para o próximo dia 30.

O valor da renovação do seguro da Reman, avaliado e definido pela Petrobrás e seguradoras, para vigência entre 30/11/2022 e 31/05/2024, é de US$ 820,8 milhões, muito acima do preço de venda da usina, de US$ 189l milhões.

Na Six, o seguro renovado foi de US$ 418,8 milhões, dez vezes mais que o valor de venda da unidade, US$ 41,6 milhões, à empresa Forbes & Manhattan Resources Inc. Já a Rlam, cuja apólice de seguro ficou em US$ 9,6 bilhões – sem incluir os ativos logísticos da refinaria –, foi vendida ao fundo árabe Mubadala por US$ 1,85 bilhão, com a infraestrutura de transportes da unidade.

A discrepância entre os valores segurados e os de venda das refinarias da Petrobrás levou a Associação Nacional dos Petroleiros Acionistas Minoritários da Petrobrás (Anapetro) a acionar o Ministério Público (MP) do Tribunal de Contas da União (TCU), na última sexta-feira, 25, “para que proceda a abertura de inquérito a fim de avaliar a desproporcionalidade dos valores apurados”, destaca o presidente da Anapetro, Mário Dal Zot.

O requerimento encaminhado ao TCU observa que “comparando-se o valor de venda da SIX com o montante correspondente pela avaliação na renovação da apólice de seguro de riscos operacionais, tem-se uma diferença que equivale a aproximadamente 10 vezes o valor pago pela aquisição da refinaria. A diferença astronômica é de ser questionada pelo Tribunal de Contas da União, uma vez que há fortes suspeitas de dilapidação do patrimônio público, dado que a controladora da Petrobrás é a União”.

A questão será levada pela Anapetro nesta segunda-feira, 28, à coordenação do governo de transição, para que a informação conste do relatório de diagnósticos do grupo de trabalho de Minas e Energia. Será encaminhada também a bancadas parlamentares do Congresso Nacional.

As três refinarias fazem parte de uma lista de centenas de unidades da Petrobrás cobertas por seguro. A relação inclui ativos já privatizados e cujas apólices foram renovadas por 18 meses antes da conclusão da venda ao setor privado, e outros ativos que se mantêm sob o controle estatal.

O preço de venda da Reman, Six e Rlam sempre foi contestado pela Anapetro e Federação Única dos Petroleiros (FUP). Os dados dos valores das apólices de seguro colocaram mais lenha na fogueira dos protestos dos petroleiros.

“As privatizações com preços aviltados, abaixo do mercado, ficaram ainda mais flagrantes diante dos altos valores de avaliação dos ativos da Petrobrás feita durante a renovação dos seguros”, afirma Dal Zot. Para ele, existem dois movimentos combinados, ambos lesivos à União, e que precisam ser investigados pelo Ministério Público: “Preço de venda subestimado e valor de seguro superestimado”.

O presidente da Anapetro chama a atenção para a situação da Reman, cujo processo de venda à Atem Distribuidora de Petróleo está em fase de conclusão e, segundo Dal Zot, mais do que nunca precisa ser revertido diante das discrepâncias de valores.

O preço negociado pela Petrobrás para a venda da Reman foi cerca de 70% do valor estimado pelo Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Ineep), que apontava para um mínimo, pelo câmbio mais elevado deste ano, de US$ 279 milhões. Enquanto isso, a renovação da apólice de seguro da refinaria de Manaus custou quatro vezes mais que o valor efetivo de venda da empresa.

No caso da Rlam, vendida no final do ano passado, o valor negociado foi cerca de 50% abaixo do preço mínimo estimado pelo Ineep e também inferior ao projetado por bancos de investimentos como BTG Pactual e XP. “O valor pago pela venda da Rlam e seus ativos logísticos equivale ao valor segurado apenas dos terminais portuários. Ou seja, levaram a refinaria de brinde”, diz o presidente da Anapetro.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

EdsonLuíz.

28 de novembro de 2022 às 12h45

Essas denúncias são muito sérias. Merecem uma CPI.

E com punição exemplar contra os responsáveis (mesmo que haja descumprimento de alguma firúla jurídica durante a CPI, como uma espécie de descumprimento de rito processual, para os culpados não ficarem impunes).

Mas, por outro lado, são denúncias tão sérias que, se o contrário for apurado, que sejam punidos exemplarmente os denunciantes.

Responder

Nelson

28 de novembro de 2022 às 11h52

Se és o gerente de um patrimônio que não é teu, como poderias explicar a entrega do mesmo por preço vil, 2, 4 ou 6 vezes a menos que o valor real do mesmo? Eu não conseguiria encontrar outra explicação. Para mim, se fazes uma coisa dessas, é porque levaste uma “beirada”, entraste num “rachid” na venda de algo que nem é teu.

Haveria outra palavra para descrever um negócio desses que não seja corrupção?

Mas, os bolsonaristas acreditam, fanática e piamente, que o governicho deles acabou com a corrupção no Brasil. Acreditam, fanática e piamente, que se os militares assumirem o poder, todas as mazelas esmaecerão e passaremos a viver no melhor dos mundos. Algo já provado por demais que não passa de uma quimera.

Responder

Nelson

28 de novembro de 2022 às 11h52

A bem da verdade, precisamos afirmar aqui que Bolsonaro nem é pioneiro na arte, safada, de “turbinar”, de transformar em “filés” ainda mais suculentos as empresas estatais pouco antes de privatizá-las. Fernando Henrique Cardoso, o governo mais corrupto, deletério e entreguista que já tivemos, foi useiro e vezeiro nesta arte.

Enquanto seu “mito” faz o mesmo que fazia FHC, fanatizados por tanta manipulação da realidade, os bolsonaristas detestam o “Farol de Alexandria”, porque juram que ele era de esquerda e, por isso, estava ajudando a destruir o Brasil.

Responder

Nelson

28 de novembro de 2022 às 11h51

Salvo raríssimas exceções, os brasileiros, quando estão querendo trocar de carro, por exemplo, não se dispõem a investir para deixar o veículo em perfeito estado, quase “zerado”. Pelo contrário, o mais comum é “empurrar” os problemas para outrem.

É certo, portanto, que fosse você em tal situação, não iria fazer uma apólice de seguro valendo 4, 6 ou até 10 vezes mais que a cotação do carro. A teu ver, isto seria coisa de trouxa.

Então, com a palavra os bolsonaristas. Que digam, que expliquem para nós, como devemos chamar o que vem fazendo o adorado presidente de vocês com as nossas empresas estatais. Por que tanta generosidade para com o grande capital privado de um governo que se diz anti-sistema?

Responder

Nelson

28 de novembro de 2022 às 11h11

Os dados levantados pela FUP só vêm confirmar aquilo que tenho dito há muito tempo. Estamos diante de um governo entreguista até a medula. Slogans como “Brasil acima de tudo” e “Pátria amada Brasil”, completamente desprovidos de conteúdo, são propagandeados à exaustão com o fim de engabelar incautos e inocentes com um patriotismo de araque.

Ainda que a assertiva do pensador inglês, Samuel Johnson, “o patriotismo é o último refúgio dos canalhas”, não seja uma regra geral, pois existem, sim, os patriotas verdadeiramente devotados, cabe perfeitamente na descrição da postura real do governo de Jair Bolsonaro.

Responder

Deixe um comentário